Tragédia de Colombo

Enquanto no Rio de Janeiro a tragédia das enchentes e deslizamentos ceifa centenas de vidas da vida real, na cena política o novo governador catarinense, Raimundo Colombo, enfrenta a tragédia das amarrações políticas que não se amarram. A choradeira do PMDB, PSDB e demais partidos, menos o DEM é claro, daria para encher toda a transposição do Rio São Francisco no nordeste.

Em parta a gritaria tem sentido. Afinal, Colombo só é governador porque o PMDB o levou até o posto máximo com sua máquina partidária, claro com apoio do PSDB. O DEM não tem infantaria, só caciques, mas que sabem, e como sabem, fazer as negociatas de bastidores. Agora, como é da cartilha demista, a fome dos cargos é saciada somente para e por eles. Alguém tinha dúvidas que isso aconteceria? Na verdade, esse início de governo Colombo é uma tragédia para peemedebistas e tucanos, e também para o governador, que pode ver a água do choro inundar seu governo e até, quem sabe, inviabilizá-lo neste início de ano.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.