Com anuência do STF, ministro Pazuello será investigado sobre caos em Manaus (AM)

O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski autorizou nesta segunda-feira a abertura de uma investigação contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, por conta da calamidade hospitalar de Manaus, onde pacientes graves de covid-19 ficaram sem oxigênio. Ele acatou um pedido da Procuradoria Geral da República, feito com base na representação do partido Cidadania, e determinou que a Polícia Federal tome o depoimento do ministro em até cinco dias. A apuração tem o prazo de 60 dias para ser concluída e pode culminar em uma ação judicial. O pedido do procurador-geral ao STF havia sido feito na semana passada e busca investigar a suspeita de o ministério comandado pelo general da ativa do Exército foi omisso para atuar no caos manauara, já que soube que faltaria oxigênio na cidade cinco dias antes de ele acabar. E agiu tardiamente, deixando pacientes morrerem asfixiados.

Segundo a decisão de Lewandowski, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, afirmou em seu pedido que “embora tenha sido constatado o aumento do número de casos de infectados pela covid-19 já na semana do Natal de 2020, o ministro da Saúde optou por enviar representantes da pasta a Manaus apenas em 3 de janeiro, ou seja, uma semana após ter sido cientificado da situação calamitosa”. Ele cita ainda as afirmações de Aras de que, apesar de ter havido recomendação de evacuação de doentes com o apoio de hospitais universitários e a oferta de 345 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) feita por outros Estados, os primeiros deslocamentos de doentes ocorreram apenas em 15 de janeiro e, no dia seguinte, apenas 32 pacientes haviam sido removidos.

Aras afirmou ainda no pedido que Pazuello, diante da crise sanitária, determinou a entrega de 120.000 unidades de hidroxicloroquina como medicamento para tratamento de covid-19. “Além disso, [o procurador] noticiou que a distribuição de cloroquina 150mg, como medicamento para tratamento da covid-19, foi iniciada em março de 2020, inclusive como indicação para o tratamento precoce da doença, sem, contudo, [se] indicar quais os documentos técnicos serviram de base à orientação”, continuou Lewandowski em sua decisão. As informações foram divulgadas pela imprensa brasileira nos últimos dias serviram como base para o pedido de investigação feito pelo Cidadania.

Aras só atuou depois que foi provocado pelo partido, que é opositor ao Governo. Ministros de Estado têm foro de prerrogativa de função (o foro privilegiado) e só podem ser investigados pela PGR. Foi a primeira vez que a procuradoria agiu contra um ministro de Bolsonaro. O pedido feito por Aras acendeu um sinal de alerta no Palácio do Planalto, já que ele é considerado um aliado do Governo e suas ações não costumam atingir o entorno do presidente.

Sob pressão nos últimos dias, Bolsonaro se viu obrigado a deixar de lado seu tom bélico contra opositores. Além da PGR, o Governo tem sido cobrado por parlamentares e governadores que querem maior celeridade da execução do plano nacional de imunização, e, principalmente, pela opinião pública que tem diminuído o apoio a ele —53% já apoiam a abertura de um processo de impeachment, conforme a consultoria Atlas.

Em postagens nas redes sociais nesta segunda-feira, o presidente agradeceu nesta segunda-feira a “sensibilidade do Governo chinês” por enviar 5.400 litros de insumos para a produção da Coronavac, vacina feita em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. Em outubro passado, o presidente havia proibido o ministro Pazuello de comprar a “vacina chinesa”. Ele queria evitar que o governador paulista, João Doria (PSDB), colhesse qualquer fruto político. Acabou também estimulando seus apoiadores a uma campanha xenófoba contra o imunizante chinês.

A decisão de Lewandowski contra Pazuello foi a segunda subida de tom contra as ações da Saúde tomadas no Governo Bolsonaro neste início de semana. Durante a tarde, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que está a uma semana de deixar o cargo, reforçou o discurso de que a gestão federal precisa ser investigada pela sua atuação na pandemia e disse que apoia a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde. O foco da investigação, inicialmente, seria a atuação do ministro-general, não a do presidente Bolsonaro. Enquanto isso, há ao menos 57 pedidos de impeachment aguardando o despacho do presidente da Câmara, que já avisou que não pretende dar andamento a eles. Nos últimos dois anos, quatro pedidos foram arquivados.

Na visão de Maia, Pazuello teria cometido ao menos três crimes na coordenação do Ministério da Saúde: estimulou o tratamento precoce da população com medicamentos comprovadamente ineficazes contra o coronavírus —como a cloroquina e a ivermectina; deixou de incentivar, por questões ideológicas, a produção da vacina do Instituto Butantan; e ignorou a oferta de 70 milhões de doses feita pela farmacêutica Pfizer que seriam entregues ainda em dezembro. “Não tenho dúvida nenhuma que tem crime. Pelo menos o ministro da Saúde já cometeu esses crimes”, disse o deputado em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

No sábado, o Ministério da Saúde admitiu, em nota, que deixou de enviar qualquer resposta à Pfizer por entender que a quantia de 70 milhões de doses não seria capaz de vacinar todos os 212 milhões de cidadãos, o que “causaria frustração em todos os brasileiros”. Até o momento, apenas oito milhões de doses foram disponibilizadas à população prioritária —principalmente funcionários que atuam na linha de frente ao combate à covid-19. Todos os imunizantes foram importados da Índia (AstraZeneca) e da China (Sinovac).

Apesar do apoio de Maia, que não pode assinar pedidos de abertura de CPIs por presidir a Casa, a coleta de assinaturas para a criação do grupo está em passos lentos. Até a tarde desta segunda-feira, um grupo de dez de senadores e 31 deputados havia assinado um pedido para criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI). Para ser aberta, são necessárias as assinaturas de 27 senadores e de 171 deputados federais. Atualmente, os congressistas estão mais preocupados com a disputa pelas presidências do Senado e da Câmara. Além disso, o Legislativo está em recesso e só retorna aos trabalhos no dia 1º de fevereiro, com a eleição das Mesas Diretoras.

Na semana passada, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, se reuniu com Maia para debater a liberação de insumos da vacina para o Brasil. Quando soube que o deputado se encontraria com o representante do governo chinês, Bolsonaro determinou que sua equipe também o encontrasse para debater o assunto. Desde então, parou de criticar a gestão do primeiro ministro Xi Jinping. “Foi um avanço, o Governo até um tempo atrás se negava a conversar com a China”, afirmou Maia.

Depois da postagem de Bolsonaro, o embaixador Yang respondeu a ele com a seguinte mensagem: “A China está junto com o Brasil na luta contra a pandemia e continuará a ajudar o Brasil neste combate dentro do seu alcance. A União e a solidariedade são os caminhos corretos para vencer a pandemia.”

Além desses últimos movimentos, Bolsonaro também tem sido orientado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a incentivar a campanha de imunização. O argumento dele é simples, sem vacina, a retomada econômica será mais lenta. Das conversas de bastidores, Guedes partiu para o discurso em público. “A volta segura ao trabalho é importante e a vacinação é decisiva. A vacinação em massa é um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente”, disse o ministro a jornalistas ao analisar os dados da arrecadação federal. A autoproteção de Bolsonaro, por ora, tem falado mais alto.

  • com informações de El País

Ciência – Estudo preliminar indica que vacina tríplice viral diminui pela metade o risco de ter Covid-19 sintomática

Os voluntários vacinados com a tríplice viral tiveram redução de 54% na possibilidade de ter sintomas de Covid-19, enquanto o risco de serem internados caiu para 74%. Esses são os dados de uma pesquisa que está sendo realizada pelo Centro de Pesquisa do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc). As informações ainda são preliminares.

A tríplice viral, como é conhecida a vacina MMR, que age contra sarampo, caxumba e rubéola, usa microorganismos vivos e atenuados. Vários estudos têm demonstrado que esse tipo de imunizante apresenta uma excelente resposta imunológica a vários outros agentes, a chamada imunidade heteróloga. Desde julho, os pesquisadores catarinenses estão estudando o seu efeito na prevenção e na severidade da Covid-19, causada pelo novo coronavírus.

O Centro de Pesquisa no HU-UFSC está fazendo a pesquisa com 430 voluntários da área da saúde. Uma parte recebe o imunizante e a outra, placebo (substância inativa). O estudo ainda está em andamento, com avaliação clínica e exames PCR dos participantes, com previsão de ser finalizado em março. Os dados acima fazem parte de uma “NOTA PRÉVIA – Análise Interina de Dados”.

De acordo com o professor Edison Natal Fedrizzi, coordenador do estudo, uma “análise interina” é realizada quando já é possível verificar a eficácia de uma substância em relação ao placebo. “Não é a análise final. No decorrer do estudo, vamos fazendo algumas análises para avaliar possíveis efeitos colaterais e a eficácia do tratamento. Quando a gente tem um resultado significante, que está demonstrando a realidade, já começamos a divulgar porque provavelmente ele vai se manter ou melhorar até o final do estudo”, explicou.

A ideia por trás do estudo não é substituir as vacinas específicas, que já estão sendo administradas no Brasil. A tríplice viral, amplamente usada no Sistema Único de Saúde, pode ajudar na estratégia de vacinação. Como mostra a nota: “Estes resultados são bastante animadores, pois trata-se de uma vacina não específica para o novo coronavírus, mas que mostrou resultados de eficácia semelhante a algumas vacinas específicas divulgados recentemente. Em hipótese alguma a vacina tríplice viral irá substituir a vacina específica. No entanto, seria muito útil se fosse possível vacinar os grupos não prioritários com esta vacina até que tenhamos a disponibilidade de vacinar toda a população com as novas vacinas contra a Covid-19”.

O estudo da UFSC também está avaliando por quanto tempo a tríplice viral age contra o novo coronavírus. A hipótese é de que seja de três a seis meses, caso o paciente receba uma dose, ou oito meses a um ano, no caso de duas doses.

Isso porque a tríplice viral, contra o coronavírus, age de uma forma diferente das vacinas específicas. “Estamos usando um efeito deste tipo de vacina que é a primeira fase da imunidade, a imunidade nata. A imunidade de longo prazo é chamada de humoral, associada à produção dos anticorpos específicos contra o microorganismo alvo da vacina. A humoral produz anticorpos. A celular é a produção de células de defesa do nosso organismo no primeiro combate frente a um organismo agressor. É uma proteção contra qualquer infeção”, informou Fedrizzi.

Além da Fapesc, o estudo também conta com apoio do Laboratório FioCruz – Bio-Manguinhos, Secretaria Estadual de Saúde (SES – LACEN) e Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis (SMF).

Investimento da Fapesc

A Fapesc investiu aproximadamente R$ 2,2 milhões em ações contra Covid-19 em Santa Catarina, incluindo pesquisas e desenvolvimento de produtos para combater a pandemia e seus efeitos. O estudo da tríplice viral é um dos cinco projetos aprovados no edital 06/2020 e recebeu cerca de R$ 100 mil para o desenvolvimento.

Há também pesquisas sobre testes mais seguros para diagnósticos da doença, produção de tecido pulmonar humano e ativação de laboratório na Serra catarinense. A conclusão de alguns projetos será divulgada nos próximos meses.

Para o professor Amauri Bogo, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação e presidente em exercício da Fapesc, fica clara a importância da ciência para a sociedade durante a pandemia. “A Fapesc está cumprindo seu papel ao dar suporte a uma série de pesquisas e inovações para o enfrentamento da pandemia. Alguns resultados já foram divulgados, mas, em breve, haverá outros”, afirmou.

  • com informações da Secom/Gov

COVID-19 | Incêndio atinge fábrica indiana da vacina e deixa 5 mortos

Um incêndio atingiu as instalações do Instituto Serum na cidade de Pune, na Índia, na tarde desta quinta-feira (21, manhã no Brasil). Segundo informações da imprensa local, cinco trabalhadores morreram na tragédia. Ainda sem causa conhecida, as chamas já foram controladas e, de acordo com a empresa, a produção de vacinas contra a COVID-19 não foi afetada.

Segundo o site India Today, o incêndio aconteceu em um edifício em construção no instituto, a maior fabricante global de vacinas. O Serum é um dos responsáveis pela fabricação da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a universidade de Oxford, a mesma com acordo de produção pela Fiocruz no Rio de Janeiro (RJ).

Adar Poonawalla, CEO do Serum, publicou em seu perfil no Twitter que o cronograma de fabricação da vacina — batizada na Índia como Covishield — não foi afetado, mas lamentou as mortes causadas pela tragédia.

Era do Instituto Serum que o governo brasileiro esperava adquirir dois milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford, mas a operação foi cancelada após preparativos que incluíram até o destacamento de um avião para buscar a vacina.

Fonte: India TodayReuters

SC receberá 126 mil doses da vacina CoronaVac nesta primeira etapa

Santa Catarina receberá pouco mais de 126 mil doses da vacina contra Covid-19 nesta segunda-feira, 18. A informação foi confirmada pelo secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, que participou nesta manhã do ato simbólico de entrega dos insumos na cidade de Guarulhos, em São Paulo.

“Sem dúvida, esse é o momento mais aguardado do último ano. Preparamos nossa rede de saúde para que a distribuição de todas as doses aos municípios aconteça ainda hoje em Santa Catarina”, afirmou o governador Carlos Moisés.

O secretário André Motta Ribeiro classificou o dia como histórico para o Brasil e para Santa Catarina. “Recebemos as doses agora pela manhã durante ato com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, alinhado ao plano nacional de imunização. Ainda pela manhã, essa carga será recebida pelas equipes da Secretaria da Saúde, em Florianópolis, para separação e catalogação. Estamos iniciando a maior campanha de vacinação da história”, informou.

Tão logo o Estado receba as doses, o Governo do Estado dará início à logística de distribuição, que vai acontecer por via terrestre e aérea. 

“Importante entendermos que isso é só o início. Provavelmente passaremos o ano inteiro envolvidos na vacinação contra a Covid-19. Então, manter as regras sanitárias é fundamental. O vírus continua entre nós”, salientou André Motta Ribeiro. 

Em Santa Catarina, mais de 5,3 milhões de unidades, entre seringas e agulhas, já foram encaminhadas aos municípios. Além disso, no estoque geral da Secretaria de Estado da Saúde, há mais de 7 milhões de itens.

Covid em Manaus: sem oxigênio, pacientes dependem de ventilação manual para sobreviver em Manaus

Junto com as notícias da falta de equipamentos e de cilindros de oxigênio para tratar pacientes com covid-19, vieram também do Amazonas relatos dramáticos da alternativa à qual algumas equipes de saúde estão recorrendo para lidar com a falta de aparelhos de ventilação mecânica: a ventilação manual.

Em ambos os casos, o objetivo da ventilação é fazer artificialmente o trabalho do qual os pulmões e o corpo do paciente já não estão mais dando conta de garantir a respiração e a circulação de oxigênio.

Aparelhos de ventilação mecânica eletrônicos são mais eficazes, mas, na falta deles, equipes costumam recorrer ao chamado reanimador manual autoinflável, conhecido também como “ambu”. Estes são impulsionados por uma bombinha de borracha apertada com as mãos, conectada por canais até chegar ao paciente em uma máscara facial ou em tubos inseridos em sua traqueia.

“A ventilação manual tem sido usada frequente, e aconteceu desde os primeiros meses de pandemia. Isto porque a deficiência de ventiladores (mecânicos) e leitos de UTI no Amazonas é histórica”, contou à BBC News Brasil por áudios de WhatsApp o médico Pierre Souza, especializado em pediatria e cirurgia geral.

O médico, que relata prestar serviço em unidades de emergência de Manaus vinculadas ao governo estadual, diz que já participou em diversos plantões da chamada “escala do ambu” — um rodízio para realizar a ventilação manual, que exige esforço e tem duração variada para cada paciente.

“Essa situação caótica muitas vezes exigiu passar noites inteiras ao lado do leito do paciente, fazendo uma escala do ambu, com colegas, técnicos e enfermeiros se revezando por longos períodos — às vezes meia hora, uma hora, uma hora e meia.”

“Nós fazemos isso até duas situações acontecerem: ou o paciente é transferido para um ventilador (mecânico) disponível, ou o paciente falece. Vi isso acontecer algumas vezes: apesar da ventilação manual, o paciente precisava de mais suporte, de parâmetros que o ambu não tem capacidade de fazer”.

O Jornal Nacional, da TV Globo, também obteve depoimento de um funcionário do hospital 28 de Agosto, em Manaus, segundo o qual foi igualmente necessário “ambuzar” pacientes ali.

“A ventilação manual aconteceu desde o início da pandemia. É triste ver que vivemos uma segunda onda e os mesmos problemas (da primeira) continuam”, resume Pierre Souza.

Crise

Manaus vive uma crise aguda neste mês — com falta de oxigênio e uma nova variante do coronavírus. A cidade já registrou 93 mil casos de covid-19 e 3.892 mortes desde o começo da pandemia.

O jornal A Crítica relata que nas últimas 24 horas foram registrados 3,8 mil casos novos — um número inédito na pandemia. No mesmo período, 51 pessoas morreram com diagnóstico de covid-19.

A capital do Amazonas sofre um novo pico de internações por causa do coronavírus, após as festas de fim de ano.

Diversos veículos de imprensa confirmam a situação desesperadora em muitos dos hospitais da cidade.

Os cilindros com oxigênio são essenciais para manter e estabilizar os pacientes com covid-19 grave — além de pacientes com outras enfermidades. Sem esse insumo básico, muitos indivíduos hospitalizados vão acabar morrendo.

Em meio à dramática falta do gás para tratamento de pessoas internadas com covid-19 em Manaus, a Secretaria de Saúde do Amazonas determinou nesta quinta-feira a requisição administrativa de “eventual estoque ou produção de oxigênio” de 17 empresas, como montadoras e produtoras de eletrodomésticos localizadas no Polo Industrial de Manaus (PIM): Gree Eletric, Moto Honda, Yahama Motor, Electrolux, TPV, Whirlpool, Sodecia da Amazônia, Denso Industrial da Amazônia, Caloi, Flextronics International e Cometais.

Também foram impactadas pela requisição LG Eletronics, Semp TCL, Ventisol, Carrier, Daikin e Samsung.

Manaus voltou a ter dezenas de enterros por causa da covid
Legenda da foto,Em 2021, Manaus voltou a ter dezenas de enterros por causa da covid

Para suprir tanto os hospitais públicos quanto os hospitais privados, as três empresas fornecedoras de oxigênio local — White Martins, Carbox e Nitron — precisavam entregar 76.500 m³ diariamente, diz o governo do Amazonas. No entanto, a capacidade de entrega das empresas tem sido somente de 28.200 m³/dia.

Para sanar o déficit de 48.300 m³ diários, o Governo do Amazonas e o Ministério da Saúde estão realizando juntos a “Operação Oxigênio”.

“A logística da operação (para levar mais oxigênio a Manaus) prevê também rota terrestre com o insumo saindo de Fortaleza e indo até Belém, para chegar a Manaus por meio de aviões. Para atender com urgência as redes, o transporte terrestre e fluvial, que seria o procedimento mais comum, foi descartado”, informou a Secretaria de Saúde.

Com uma demanda por oxigênio e outros suprimentos que parece não ter fim, Manaus precisa urgente da ajuda de outras cidades, Estados e, claro, do Governo Federal. Nas últimas horas, 235 pacientes começaram a ser transferidos para hospitais de Goiás, Piauí, Maranhão, Brasília, Paraíba e Rio Grande do Norte.

  • informações e imagens da BBC Brasil


Covid-19: Florianópolis divulga estratégia da 1a. fase de vacinação

A Prefeitura de Florianópolis, por meio da Secretaria de Saúde, informa que os primeiros lotes de vacina contra Covid-19 da primeira fase da campanha serão destinados para profissionais de Saúde e idosos em Instituição de Longa Permanência (ILPI).

Entre os profissionais de saúde, a prioridade serão para os que atuam no cuidado de pacientes graves. A estratégia é começar pelas UTIs e posteriormente seguir para os profissionais que atendem diretamente pessoas com sintomas do novo Coronavírus, que serão vacinados em seus locais de trabalho. As ampliações para a imunização de outros profissionais ocorrerá conforme os quantitativos de vacina forem chegando.

O plano de imunização completo da capital será divulgado dentro dos próximos dias, conforme orientação de quantitativo de doses disponibilizadas pelo Ministério da Saúde. Toda a parte logística e de insumos já estão no almoxarifado da Prefeitura.

MPSC quer cronograma e informações sobre os planos de vacinação do Estado e Capital

A 33ª Promotoria de Justiça da Capital, com atribuição estadual na área da saúde, requisitou informações sobre os planos e cronogramas de vacinação contra a covid-19 no estado e na Capital às Secretarias de Saúde do Estado e do Município de Florianópolis. O prazo para o envio das respostas é de cinco dias a partir do recebimento dos ofícios, que foram enviados na tarde desta segunda-feira (11/01).

As requisições às autoridades sanitárias do Estado e do Município são as primeiras providências pedidas pelo Promotor de Justiça Luciano Trierweiller Naschenweng no Procedimento Administrativo 09.2021.00000050-1 aberto para acompanhar o “Plano Estadual de vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina e o Plano de vacinação contra a Covid-19 em Florianópolis”, conforme consta na portaria de instauração publicada hoje.

O objetivo das requisições, segundo Naschenweng, é obter informações que permitam ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) conhecer as medidas que estão sendo adotadas e qual o planejamento para permitir a imunização da população do estado e da Capital de forma eficaz de maneira a evitar o contágio pelo coronavírus. Com as respostas será possível acompanhar as iniciativas e, se for o caso, exigir providências mais efetivas para proteger a saúde da população, explica o Promotor de Justiça.

Covid leve pode deixar sequelas nos pulmões, aponta estudo

Fadiga e dificuldade para respirar são sequelas relativamente comuns em pacientes que se recuperaram da covid-19, exigindo, muitas vezes, um longo período de reabilitação. Até agora, não se sabe se essas complicações estão associadas à gravidade da doença, com pessoas que precisaram de internação devido à infecção pelo Sars-CoV-2 sendo mais propensas a apresentarem esse tipo de complicação. Um estudo irlandês sugere que as sequelas pulmonares, porém, independem da severidade da infecção.

Na pesquisa, os autores acompanharam 153 pacientes recuperados da covid-19 por até 75 dias após o diagnóstico. Essas pessoas sofreram graus variados da doença. “Conforme esperávamos, problemas como falta de ar e cansaço foram comuns depois da covid-19. Porém, os sintomas não pareceram estar relacionados à gravidade da infecção inicial”, diz Liam Townsend, pesquisador do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital de St. James.

Para avaliar a relação entre sequelas e severidade da covid-19, os autores dividiram os pacientes em grupos: sem necessidade de internação, internados e internados na unidade de terapia intensiva (UTI), sendo esses últimos os mais graves. Quase metade dos 153 participantes do estudo foi hospitalizada na fase aguda da infecção. No período, quando já estavam livres da doença, foram submetidos a exames diversos, incluindo de imagem e testes que avaliaram a capacidade cardiorrespiratória.

A equipe de Townsend comparou, então, a gravidade inicial da covid-19 com o resultado dos exames de radiografia torácica e o desempenho em testes de caminhada (durante seis minutos, os voluntários andaram em um ritmo normal, sendo monitorados), além dos relatos de percepção de esforço. Os médicos perguntaram se os pacientes se sentiram cansados durante a caminhada e se consideravam que já estavam plenamente recuperados. As respostas foram classificadas em escalas.

Nas radiografias do tórax, os pesquisadores investigaram a presença de fibrose — cicatrizes pulmonares — e sinais de infecção persistente. Naqueles que apresentaram anomalias, foi feita uma tomografia computacional. Além disso, todos fizeram exame de sangue para verificar a proteína C reativa, um marcador de inflamação.

Inesperado

Townsend afirma que os resultados o surpreenderam, porque esperava um número alto de radiografias com fibrose, o que não aconteceu: somente 4% dos pacientes apresentaram esse problema na tomografia computadorizada. Mas o que mais chamou sua atenção foi que as sequelas — inflamação, cicatriz, infecção persistente e desempenho ruim no teste de caminhada — não estavam relacionadas ao grau de severidade inicial da doença.

De acordo com Townsend, 62% dos pacientes sentiram que não haviam se recuperado totalmente, enquanto 47% afirmaram ter fadiga. Aqueles que se esforçaram mais em exercícios moderados também demonstraram percepção maior de saúde frágil. Porém, não houve associação estatística entre a gravidade da covid-19 e essas sequelas — as complicações tardias foram relatadas em pacientes de todos os grupos observados.

A única associação foi entre o tempo de internação e o desempenho no teste de caminhada: quanto maior tempo de hospitalização, menor a distância percorrida em seis minutos. Segundo Towsand, os resultados do estudo têm implicações para o tratamento clínico de pessoas que se recuperaram da infecção por Sars-CoV-2. “Eles demonstram a importância de acompanhar todos os pacientes que foram diagnosticados com a covid-19, independentemente da gravidade da infecção inicial. Não é possível prever quem terá sintomas contínuos”, diz.

Readmissão

“Os casos de covid-19 diminuíram e, depois, ressurgiram em muitos lugares. Assim, é crucial que entendamos o curso da pós-hospitalização e os fatores de risco para uma futura reinternação”, observa Anuradha Lala, pesquisadora do Hospital de Mount Sinai, em Nova York, e autora de um estudo publicado, em dezembro, sobre a readmissão hospitalar de ex-pacientes da covid-19 que, depois, sofreram complicações pulmonares. “À medida que avançamos para uma fase em que a covid-19 não é mais uma doença nova, devemos focar nossa atenção para a fase pós-aguda para entender como manter os pacientes bem e fora do hospital”, destaca.

No estudo norte-americano, dos quase 2,9 mil pacientes de covid-19 que receberam alta, mais de 100 (3,6%) retornaram para atendimento de emergência, com queixas pulmonares. Assim como no trabalho irlandês, não houve associação entre gravidade da infecção inicial e aparecimento de sequelas. Ao contrário, a maior parte das pessoas que voltaram ao hospital queixando-se de falta de ar e cansaço não havia necessitado de cuidados intensivos, quando internadas. De acordo com Lala, são necessárias mais pesquisas de longo prazo para predizer quais ex-pacientes têm risco maior de sequelas pós-covid.

Prazo de 72 horas para usar o plasma

Um estudo argentino publicado na revista The New England Journal of Medicine mostra que a administração de plasma de convalescente em pacientes com a covid-19 nas primeiras 72 horas da doença reduz pela metade o risco de quadro crítico. “É uma alternativa se alguém com mais de 65 anos se infectar. Mas é como um seguro-saúde, você tem que receber o tratamento quando ainda está saudável, porque não há tempo a esperar e ver o que acontece: se você está mal, o plasma é inútil”, diz o líder da pesquisa, o infectologista Fernando Polack, da Fundação Infant.

Com base nos resultados, “o estudo diz que, em todos os pacientes, a incidência da doença grave foi cortada pela metade”, diz Polack. “Temos certeza de que o plasma é útil nos primeiros três dias de doença, ou seja, você tem (um prazo de) 72 horas de sintomas para recebê-lo”, afirma o cientista à Rádio Con Vos. Polack explicou que os resultados dependem da quantidade de anticorpos presentes no plasma.

“Os melhores provedores são os pacientes que foram hospitalizados, porque eles têm mais anticorpos, além das pessoas que foram vacinadas”, diz ele, definindo essas últimas como “doadores privilegiados em potencial”. “Em uma sociedade desamparada contra o coronavírus, ser vacinado significa estar protegido e também ter a possibilidade de doar plasma, o que significa seis tratamentos para seis idosos para cada pessoa que doa duas vezes no mês”, ilustra.

O estudo envolveu 200 doadores de plasma e 120 pacientes voluntários, metade tratada com placebo, bem como mais de 200 profissionais da saúde. No entanto, a Argentina não tem, atualmente, capacidade para aplicar esse tratamento em seu sistema de saúde. “Hoje, não existe, é algo em construção dentro dos sistemas público e privado. É preciso gerar um arsenal (de plasma), que será uma ponte até que haja uma vacina para a maior parte da população”, explica Polack.

  • com informações do C B

Covid-19: Belo Horizonte terá lockdown a partir de segunda-feira (11)

O prefeito de Belo Horizonte (MG), Alexandre Kalil (PSD), anunciou que a partir da segunda-feira (11) apenas os serviços essenciais poderão funcionar na cidade. Segundo ele, um decreto será publicado nesta sexta-feira (8), com os detalhes sobre o fechamento do comércio na cidade.

“Eu vim aqui hoje para falar para a população de Belo Horizonte que nós chegamos no limite da covid-19. Nós avisamos, nós tentamos avisar. Tentamos manter mais quase 10 dias a cidade aberta, quando os números eram perigosos, mas nós tínhamos, pelo menos, uma expectativa de responsabilidade”, disse o prefeito.

“Peço desculpas, mas não tive outra alternativa. Não vamos fazer de Belo Horizonte um pandemônio porque estamos a dias da vacina […] governar não é agradar”, afirmou.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI em Belo Horizonte está em 86% e, segundo dados do painel da covid-19 do Congresso em Foco, já foram registrado mais de 63 mil casos e 1,8 mil mortes pela doença na cidade.

América Latina reage à alta da Covid-19 com restrições, Brasil segue inerte

Janeiro trouxe uma escalada de casos na América Latina. Depois de uma queda na curva durante outubro e novembro, em dezembro e neste início de janeiro os números voltaram a subir, coincidindo com as compras de Natal, um relaxamento da quarentena e o início da temporada de férias do verão no Cone Sul. Ainda não está claro se a região está sofrendo o início de uma segunda onda ou um agravamento da primeira após algumas semanas de trégua. Enquanto a região espera a chegada das primeiras doses da vacina —só Argentina, México, Chile e Costa Rica iniciaram campanhas de imunização—, a solução à disposição continua sendo a quarentena. Os Governos, no entanto, enfrentam a resistência social a novos confinamentos.

Argentina estuda, pela primeira vez desde o início da pandemia, em março, a decretação de um “toque de recolher sanitário”; o México limitou as atividades na capital às essenciais; a Colômbia decidiu confinar um terço da população de Bogotá. São Paulo, a cidade brasileira mais afetada pelos contágios, decidirá na sexta-feira se endurece as restrições: o país já tem mais de 197.000 mortos. Apesar dos números alarmantes e em alta, o presidente Jair Bolsonaro —um negacionista da pandemia— passeou por praias lotadas sem máscara nos feriados de final de ano.

As estratégias não diferem muito das utilizadas há quase um ano. O presidente argentino, Alberto Fernández, admitiu estar “preocupado”. Na segunda-feira, criticou os jovens por não se cuidarem e espalharem a covid-19 entre os idosos, o segmento mais vulnerável à doença. O último relatório do Ministério da Saúde identificou 8.222 novos casos nas últimas 24 horas, números similares aos duros meses de julho e agosto. Dos infectados, 53,4% têm menos de 39 anos. A situação se tornou explosiva nos balneários da costa atlântica de Buenos Aires: os noticiários da televisão mostram durante todo o dia dezenas de milhares de jovens celebrando festas na praia, sem máscara nem distanciamento. Pela primeira vez desde março, a Casa Rosada estuda a imposição de um toque de recolher noturno, iniciativa extrema que ela tem tentado evitar devido à carga negativa que uma medida desse tipo tem em um país que viveu sob ditadura.

“O risco de que tudo volte a ficar paralisado existe e ninguém na Argentina quer que isso ocorra”, alertou Fernández. Com quase 1,7 milhão de casos positivos e 145.000 ativos, os alarmes estão ligados, embora o sistema de saúde pareça longe de um colapso: o último balanço indica que a ocupação dos leitos de UTI é de 53%.

O México também começou a fechar as regiões mais afetadas pela pandemia. Os números oficiais voltaram a subir e o Governo ordenou, em dezembro, a suspensão das atividades não essenciais na Cidade do México. Imagens das ruas do centro da capital com centenas de pessoas fazendo compras eram observadas desde semanas antes do anúncio. No entanto, as autoridades esperaram até que a ocupação hospitalar alcançasse 74% para suspender as atividades comerciais. Desde então, os pacientes com coronavírus não pararam de chegar aos hospitais e o volume crescente da demanda por cuidados médicos já beira 90%. O Estado do México, vizinho da capital e motor industrial do centro do país, também decidiu interromper as atividades econômicas.

Os Estados mexicanos que fazem fronteira com os Estados Unidos, como Baja California e Nuevo León, também se somaram ao fechamento. A fronteira com os EUA está fechada há meses para a passagem de pessoas que não trabalhem em atividades essenciais, e a medida foi estendida até 21 de janeiro. No entanto, o comércio com o país vizinho continua intenso. Segundo informações do Ministério da Saúde do México, em todo o país 1,5 milhão de pessoas se infectaram e 127.000 morreram devido ao vírus. Na véspera de Natal, o país iniciou a aplicação da vacina da Pfizer e BioNTech nos profissionais de saúde. Espera-se que até o fim de janeiro 1,4 milhão de pessoas recebam o antígeno e comece então a vacinação da população maior de 60 anos.

Com os feriados de fim de ano, o turismo nacional e estrangeiro encheu os principais balneários mexicanos: Cancún, Acapulco e Los Cabos. Embora o comércio tenha permanecido parcialmente fechado, a ocupação hoteleira alcançou entre 60% e 80%. A queda dos preços dos serviços turísticos e as restrições mais brandas fizeram do país um destino para a temporada. O México se tornou o terceiro destino turístico mais visitado durante 2020 no mundo. Os fechamentos ficarão em vigor pelo menos até o dia 11, quando as autoridades avaliarão novamente a situação de um país que não consegue ver os contágios de covid-19 diminuírem.

Fase amarela em São Paulo

No Brasil, o Estado de São Paulo, com 45 milhões de habitantes, população equivalente à da Argentina, passou na segunda-feira da fase vermelha para a amarela, na qual todas as atividades estão autorizadas, mas com restrições de horário e capacidade de público. No entanto, os números da pandemia no país não param de crescer: o Ministério da Saúde registrou em dezembro 76% mais casos positivos e 66% mais mortes do que em novembro. O Governo paulista anunciou que na sexta-feira decidirá se fechará outra vez sua economia.

A situação na Colômbia não é melhor. Em Bogotá, onde aumenta desde dezembro a ocupação de leitos de UTI, um terço de sua população voltou nesta terça-feira a fazer uma quarentena rígida —com toque de recolher das 20h às 5h—, que vigorará pelo menos até o dia 17. Em três das 20 localidades da capital colombiana —Suba, Engativá e Usaquén—, a ocupação de leitos de UTI chega a 82%. Diante do aumento de casos, Medellín e Cali também receberam o novo ano com medidas de confinamento. A Colômbia registra quase 44.000 mortes relacionadas com a covid-19 e acumula cerca de 1,7 milhão de casos confirmados, um terço deles na capital.

No Chile, as infecções aumentaram 32% durante a última semana, atingindo números semelhantes aos de maio, informa Rocío Montes. O aumento coincidiu com as compras de Natal, as festas de fim de ano e o início das férias. O Ministério da Saúde divulgou na segunda-feira que foram registrados 2.450 novos casos nas 24 horas anteriores. Em 1º de janeiro, foram 3.588. No pico da pandemia, em meados de junho, as infecções em um dia chegaram a 6.938.

O Chile iniciou no Natal a aplicação da vacina da Pfizer nos profissionais de saúde da linha de frente de combate ao vírus. A atenção, no entanto, está voltada para a decisão do presidente Sebastián Piñera de conceder uma autorização de férias para cerca de 10 milhões de pessoas que residem em áreas de confinamento. Só na segunda-feira, foram entregues mais de 26.000 autorizações de viagem, 74% delas da capital, com o consequente risco de propagação do vírus.

  • com informações do El País