Santidade na política não existe

É preocupante ver a quantas anda a campanha eleitoral de segundo turno nas eleições presidenciais. Como diz o Paulo Henrique Amorim em seu Conversa Afiada, o Zé Baixaria abriu seu baú de maldades para ganhar ou ganhar a eleição, e para isso até juras de amor religioso são repetidas à exaustão. E algumas lideranças religiosas resolveram trocar a batina, os paramentos, os púlpitos, pela panfletagem criminosa, partidária.

Certamente seus seguidores não aprovam essa atitude. A entrada da igreja católica na política desse ano, e dessa forma, relembra os tempos anteriores à instalação da ditadura. As lembranças não são nada boas, e há quem tenha saudade, uma lástima. Está na hora de não só fazer uma reforma política e tributária, mas quem sabe religiosa não é? E abrir os porões dessas manifestações contrárias a A ou B, que certamente dariam arrepios aos menos avisados.

Ainda há tempo para que a razão volte a dominar o cenário eleitoral. Do jeito que está, o feitiço do Zé Baixaria pode virar contra o feiticeiro, irremediavelmente não para esta eleição, mas para todas as que poderão vir.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.