Setor do Turismo em SC aposta em retomada somente em 2021, mostra pesquisa da Santur

Como uma das atividades econômicas mais importantes do estado, a retomada do turismo é esperada, por parte do empresariado catarinense, para o 2021. É o que aponta a pesquisa da Agência de Desenvolvimento do Turismo (Santur), realizada no mês de abril com mais de 800 empresas e entidades de classe. De acordo com os dados levantados, 24% dos entrevistados acreditam quanto a uma retomada mais intensa das atividades do Turismo ainda em 2020, embora na opinião da maioria (52%) a recuperação dos negócios deve ocorrer com mais força só no próximo ano.

A pesquisa, direcionada a empresários do setor em todas as regiões catarinenses, foi desenvolvida para mensurar os impactos da pandemia da Covid-19 no turismo, com informações colhidas entre 15 e 20 de abril de 2020. Para o presidente da Santur, Leandro Mané Ferrari, a relevância desse trabalho está justamente nos dados que irão auxiliar a Santur a nortear ações, de forma conjunta com o trade, para a retomada das atividades turísticas no estado.

– Teremos mais detalhes sobre os impactos causados pelo coronavírus no turismo. As respostas colhidas junto ao trade nos trazem informações para que possamos ser mais assertivos nas ações que estão sendo tomadas em conjunto com o Conselho Estadual de Turismo (CET) e com o trade das diferentes regiões de Santa Catarina – destacou Mane Ferrari.

Participantes e dados da pesquisa
Participaram do estudo, coordenado pela Diretoria de Estudos e Inovação/Santur com apoio da Rede Brasileira de Observatórios do Turismo, empresas de diferentes portes e segmentos. Por meio de um formulário eletrônico foram levantadas informações como tempo de atuação, volume de atendimento, preços praticados, número de funcionários e quais medidas as empresas vêm tomando para minimizar o impacto gerado pela pandemia.

Responderam o formulário 866 empresas com registro no Cadastur (Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos) e entidades de classe de diferentes segmentos, como meios de hospedagem, agências de viagens, alimentação, transporte, eventos e empreendimentos de lazer. Metade são microempresas e 23% são microempreendedores individuais (MEI).

Pelo tempo de atuação no mercado, 44% dos participantes têm mais de 10 anos, 27% têm entre 4 e 10 anos e 29% têm menos de três anos de existência. Maduras, consolidadas ou recentes, a maioria sofreu algum impacto com as medidas de isolamento necessárias para diminuir a velocidade de contágio do coronavírus. 

Com a redução de atividades em virtude da pandemia, 35% declararam ter capital de giro suficiente para se sustentar por até dois meses, 31% pelo prazo de um mês e 21%, até quatro meses. Apenas 1% dos participantes avaliaram que a pandemia não impactou o negócio.

Entre outras questões analisadas, o estudo também buscou saber quais as principais medidas foram ou poderão ser adotadas pelos empresários para mitigar prejuízos decorrentes da Covid-19. Nesse quesito, foram destacadas a renegociação de despesas fixas, o financiamento e/ou empréstimo bancário, o adiamento de investimentos e de novos projetos e a remarcação e/ou adiamento de serviços.

Presidente da Santur é exonerada em meio a crise do Coronavírus (Covid-19)

No mínimo estranho, para não dizer também deselegante, o desligamento da presidente da Santur, Flávia Didomenico. O governador Carlos Moisés a exonerou ontem, terça-feira (17), e pelo que vazou para a imprensa, a saída tem relação com “desempenho” das atividades à frente da pasta. Até recentemente a então Presidente foi bem avaliada pelo trade, e até o Governo.

A mudança em meio a maior crise de saúde pública enfrentada por Santa Catarina, e que afeta diretamente o setor do turismo – cerca de 15% do PIB – não parece ser uma medida inteligente. Há que se somar esforços de toda a máquina pública, incluindo outros secretários de Estado, setor privado, servidores públicos, Prefeitos, vereadores, para barrar o avanço deste vírus.

O turismo precisa muito mais apoio nesta e nas horas que virão após vencermos o Coronavírus. Mais verbas, mais apoio, mais gente qualificada para motivar o trade e todos os setores turísticos do estado rumo à retomada dos negócios e gerar empregos e renda.

Ponte Hercílio Luz passa no teste de carga

O Palavra Livre foi testar a restaurada e nonagenária Ponte Hercílio Luz em seu teste de fogo, o teste de carga com 48 caminhões sobre a sua estrutura, cerca de 900 toneladas. Após essa prova, segundo o Governo do Estado, está quase tudo pronto para a Ponte Hercílio Luz ser reaberta à população, em menos de duas semanas.

Na noite desta quarta-feira, 18, um teste de carga demonstrou que a estrutura já pode voltar a receber o tráfego de veículos, após quase três décadas. Ao todo, 48 caminhões, com 20 toneladas cada, foram enfileirados em cima da ponte. Foram 960 toneladas de peso ao mesmo tempo, o que representa aproximadamente 80% da carga máxima projetada. A Velha Senhora passou na avaliação, sob o olhar atento do governador Carlos Moisés, que comemorou mais essa etapa.

“Essa é uma reaproximação da sociedade com essa fantástica ponte de Santa Catarina, que é um patrimônio histórico. É um momento muito emocionante. Vai ser a restituição ao povo do nosso estado. É uma obra há muito tempo esperada e que vai impactar na mobilidade”, afirmou Carlos Moisés.

O teste começou ainda no fim da tarde de quarta-feira e adentrou a madrugada, sendo finalizado por volta de 2h30. Primeiro foram colocados 12 caminhões na ponte, depois mais 20, chegando ao total de 48, carregados com areia e argila.

Os próximos dias serão para os retoques finais, antes da reabertura, a ser realizada em 30 de dezembro. Estão previstos o término da instalação dos guarda-corpos, a sinalização viária e a iluminação funcional.

Sobre o Viva a Ponte
Para a reabertura da ponte, estão programadas diversas atividades entre os dias 30 de dezembro e 5 de janeiro, por meio do projeto Viva a Ponte. Serão atrações artísticas, folclóricas e gastronômicas.

Viva a Ponte é um projeto cultural, turístico e urbanístico, com ações integradas da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Fundação Catarinense de Cultura, Fundação Catarinense de Esporte, Santur, Casa Civil, Secretaria Executiva da Casa Militar, Secretaria Executiva de Comunicação, Defesa Civil e Secretaria de Estado da Segurança Pública.

* com informações da Secom/GovSC

Caminhos da Neve: Federalização da SC 114 é aprovada

Uma das maiores reivindicações dos municípios da serra catarinense foi atendida pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. Ao aprovar o Projeto de Lei 469/2019, de origem do governo do Estado, o colegiado autorizou a federalização da rodovia SC-114, entre São Joaquim e o entroncamento com o acesso à localidade de São Sebastião do Arvoredo.

O trecho representa os últimos 19,05 quilômetros da rota Caminho das Neves, cujas obras ainda precisam ser realizadas pelo DNIT. Com a aceitação por unanimidade do parecer apresentado pelo relator, deputado Marcius Machado (PL), o texto agora está pronto para votação final no Plenário da Alesc.

O parlamentar avalia que a desafetação da rodovia e conseqüente doação ao patrimônio da União é algo muito positivo. “Os benefícios são gigantescos, uma vez que aquecerá a economia, trazendo recursos, divisas, gerando empregos e interligando duas regiões tão importantes.”

A federalização é a etapa final para o surgimento de uma nova rota turística. As cidades de Bom Retiro, Urubici e São Joaquim, em território catarinense, estarão unidas por uma rodovia federal com os municípios gaúchos de Bom Jesus, São José dos Ausentes, Jaquirana, Cambará do Sul, São Francisco de Paula, Canela e Gramado.

Selo de Qualidade para restaurantes em Floripa

A gastronomia é um dos pontos fortes de qualquer cidade turística no mundo, e um indicador importante para a qualificação que o turista dá à cidade, região, estado ou país quando o visita, ou a visita. Florianópolis busca qualificar o setor da gastronomia agora instituindo um selo de qualidade para a procedência e preparo dos pescados.

A Secretaria de Turismo, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico iniciou uma campanha para incentivar o registro de restaurantes no Serviço de Inspeção Municipal (SIM). Equipes da prefeitura, em parceria com a Vigilância Sanitária vão visitar estabelecimentos e conscientizar sobre a importância do registro.

O selo do serviço atesta a qualidade e procedência dos pescados e garante que o beneficiamento (higiene, acondicionamento, embalagem e rotulagem) dos alimentos seguiu uma série de boas práticas. Pescadores que fornecem pescados para restaurantes e que realizam esse processo antes da venda, são obrigados por lei, a apresentarem o registro no SIM.

Os restaurantes que optam por serem os responsáveis por esse beneficiamento também são obrigados por lei, a apresentar o selo.

Com a campanha “Diga SIM ao SIM”, a Prefeitura de Florianópolis quer educar os restaurantes sobre a importância da garantia da procedência dos pescados.

“Essas ações visam garantir que os alimentos não apresentem riscos à saúde da população e que tenham sua procedência e qualidade garantida. ”, explica o superintendente de Pesca, Maricultura e Agricultura, Adriano Weickert.

De acordo com a lei 555/2016 e decreto 18.185/2017 que regulamenta a legislação em Florianópolis, os restaurantes devem comprovar procedência da matéria-prima dos alimentos comercializados no local. Se encontrado em situação irregular, o estabelecimento pode receber intimação ou auto de infração da vigilância sanitária e passa a responder processo administrativo.

Sem dúvidas é uma medida acertada, mas que precisa da adesão tanto de quem pesca e vende, quanto de quem compra e prepara os pescados para o consumidor final. Outra atitude que a Prefeitura da Capital precisa tomar e com grande urgência é a qualificação dos trabalhadores no setor de turismo como um todo. Na média, o atendimento deixa a desejar por diversos fatores.

Festa das Flores 2012: Desfile alegórico resgata antiga tradição

Entre as surpresas programadas para a 74ª Festa das Flores de Joinville, o Desfile Alegórico promete ser uma das principais atrações. A parada acontecerá no final de semana que antecede a Festa, no domingo (11/11), a partir das 9h30 e percorrerá toda a extensão da rua Rio Branco, no Centro da cidade. Seguindo o tema da Festa das Flores deste ano – “O Espetáculo dos Jardins” – e a linguagem utilizada – “O circo” – o Desfile Alegórico promete encantar o público com muitas cores, dança, música e animação.

Além de toda a beleza visual, o Desfile Alegórico traz como foco o resgate das tradições e a valorização da cultura de Joinville. “O espetáculo das Flores e a magia do circo apresentarão, de forma especial, os principais grupos e elementos culturais da nossa cidade, com a participação de representantes de diversas sociedades, instituições, entidades e etnias”, afirma a presidente da Fundação Turística de Joinville, Maria Ivonete Peixer da Silva.

Ao todo, serão mais de 40 instituições participantes do Desfile, entre elas alunos e professores das escolas municipais; fanfarras; banda do Exército; representantes dos clubes e sociedades de Joinville; Veteran Car e Clube dos Jipeiros; ciclistas; rede feminina de combate ao câncer; atuais Rainha e Princesas da Festa das Flores, além das candidatas a majestade da 74ª edição do evento; desfile das ex-Rainhas; apicultores e agricultores; grupos da melhor idade; representantes da AJAO (Associação Joinvilense dos Amadores de Orquídeas); além de carros alegóricos elaborados com produtos recicláveis e decoração de grande beleza e colorido.

Além de encantar o público, o Desfile Alegórico tem o objetivo de promover o turismo de Joinville. E Maria Ivonete justifica: “Pesquisas realizadas mostram que o setor de turismo vem registrando crescente presença de público na cidade, durante o período da Festa das Flores. Por isso, é fundamental tornarmos o evento cada vez mais atrativo para públicos de todos os estilos e idades. E estamos retomando o Desfile Alegórico em grande estilo, com o objetivo de que ele se incorpore definitivamente à programação da Festa das Flores”.

À frente da organização e produção do Desfile Alegórico está Marcio Paloschi, estilista e figurinista que já assinou importantes trabalhos do Carnaval das capitais do Rio de Janeiro e São Paulo. Para Joinville, Paloschi promete um show com muita história, beleza e animação: “A cidade vai reviver a alegria dos desfiles. Teremos muitas flores, balões, cores, performances, personagens da cultura da cidade, da história do circo. Vamos resgatar o passado, valorizar a sua história e semear o nosso futuro”.

Realização e patrocínio

A Festa das Flores de Joinville é realizada pela Fundação Turística de Joinville e pela AJAO (Agremiação Joinvilense dos Amadores de Orquídeas) e tem o patrocínio do Sindec (Sistema Municipal de Desenvolvimento à Cultura); Fundação Cultural de Joinville; Funturismo (Governo do Estado de Santa Catarina); Bradesco; TAM Linhas Aéreas e TAM Viagens; e Governo Federal (Eletrosul, Ministério do Turismo e Ministério da Cultura por meio da Lei Rouanet).

Serviço:

74ª Festa das Flores de Joinville

13 a 18 de novembro de 2012

Complexo Expoville

Joinville – SC

www.festadasflores.com.br

Rua das Palmeiras será recuperada, obras iniciam na próxima segunda-feira (5/3)

Rua das Palmeiras deve ter é cafés, pontos de cultura, envolvimento e atividades para a população e turistas

A rua das Palmeiras, no Centro de Joinville, vai ser repaginada. A alameda, que nos últimos tempos tornou-se um conhecido ponto de consumo e venda de drogas, passará por uma reestruturação. A intenção é preservar esse patrimônio histórico da cidade, explorar o potencial turístico e incentivar atividades empreendedoras na região que um dia já foi considerada área nobre da cidade e hoje tem diversos imóveis abandonados. Para isso, o projeto prevê que a rua volte a ter o traçado semelhante ao original, com a reabertura da ala central, onde será implantado um grande passeio, com bancos e painéis com fotos antigas e textos sobre a história da rua, datada do fim do século 19, quando era conhecida como alameda Brüstlein.

As obras devem começar na segunda-feira, com a substituições da atual tubulação, que é antiga e está obstruída, por um novo sistema de drenagem. Os procedimentos serão realizados pelas equipes da Secretaria Regional do Centro e monitorados por uma equipe de arqueologia, que vai acompanhar toda a obra. Ainda não se sabe o que será encontrado durante essa intervenção, mas a expectativa é achar vestígios do período colonial que futuramente farão parte de um acervo a ser exposto na própria via, que será musealizada e integrada ao Museu Nacional de Imigração e Colonização.

O projeto prevê, além da abertura do passeio central da rua do Príncipe até a entrada do museu, na rua Rio Branco, a implantação de uma faixa de pedestres elevada em frente ao museu. “Assim, a preferência será dos pedestres, e os visitantes do museu poderão fazer uma visita guiada também pela rua das Palmeiras”, ressalta o coordenador de patrimônio cultural, Raul Walter da Luz.

As calçadas foram projetadas levando em consideração questões de acessibilidade, e neste sentido, o Museu Nacional de Imigração e Colonização também vai passar por modificações. “A brita será substituída por pó de pedra, e também já encaminhamos um projeto para a implantação de um elevador, para facilitar o acesso de pessoas com deficiência e idosos”, diz a coordenadora do museu, Judith Steinbach.

O projeto foi desenvolvido pela Fundação Cultural de Joinville, em parceria com Ippuj, Seinfra, Conurb e Secretaria Regional do Centro. “O investimento previsto é de R$ 417.530,63, mas esta é uma estimativa e o valor não contempla os gastos com a iluminação, que será reforçada”, afirma o diretor executivo da Conurb, Renato Godinho.

Matéria do AN On line