Experimento social sugere 99 dias de boicote ao Facebook

faceHá algum tempo foi revelado o estudo do Facebook que manipulava as postagens no feed de notícias para observar alterações de humor dos usuários. Uma agência publicitária propõe um outro experimento como vingança em forma de boicote, desafiando usuários da rede social a ficar 99 dias sem acessá-la.

A página 99 Days of Freedom (99 dias de liberdade), criada pela agência Just, promete que os interessados conseguirão economizar cerca de 28 horas depois do período, com base no calculo médio de tempo que as pessoas gastam no site.

O objetivo é avaliar como as pessoas que aderiram ao boicote se saem sem o vício no Facebook, e se isso afeta seu humor e felicidade. Para isso, os participantes receberão um questionário depois de determinados períodos para contar como vivem sem o acesso à rede.

A participação é bastante simples. Basta trocar a foto do perfil para indicar aos seus contatos que está participando do experimento, deixar seu nome e clicar em “Create countdown”. Ao pressionar “Share on Facebook”, a contagem regressiva de 99 dias começa a rolar. Também é possível, mas não obrigatório, deixar o e-mail para ser contatado com os questionários de humor.

A previsão dos responsáveis pelo teste é que os participantes terão muitas experiências pessoais positivas depois de 99 dias, mas a teoria só poderá se confirmar em algum tempo.

Por enquanto, a base de participantes não é muito extensa. Cerca de 3 mil pessoas aderiram ao boicote, segundo a página, o que não é suficiente para fazer cócegas na rede social, com mais de 1 bilhão de usuários.

Fonte: Olhar Digital.

Na dúvida de qual serviço de armazenamento é melhor para você deixar suas fotos e arquivos seguros? Confira as principais características das melhores opções disponiveis

nuvemMuita gente já é adepta dos serviços de armazenamento na nuvem oferecidos por algumas empresas. Atualmente é muito fácil e prático compartilhar e guardar seus arquivos, fotos e vídeos em um disco virtual. Praticamente todos os serviços na nuvem têm sua oferta gratuita. Com pacotes de, em média, 5 gigabytes de memória, você tem uma pasta online para guardar e acessar seus documentos onde quer que esteja.

A última plataforma a chegar no Brasil foi o Cloud Drive, da Amazon. O serviço oferece 5 GB de espaço gratuito e a possibilidade de sincronizar todo o conteúdo armazenado na sua conta com diversos dispositivos: de computadores a tablets e smartphones. Qualquer alteração feita a partir de um dispositivo – seja qual for – também aparece quando o usuário acessa sua conta em outro aparelho. Legal também são os aplicativos do Cloud Drive para dispositivos móveis. Eles podem transferir automaticamente fotos e outros arquivos direto para a nuvem. Além do pacote gratuito, para quem precisar de mais espaço, o Cloud Drive oferece 20 GB por 10 dólares ao ano ou até 1 terabyte, por 500 dólares anuais.

Também disponível para todas as plataformas, mas com uma oferta um pouco mais

agressiva, o Google Drive oferece 15 GB grátis para seus usuários. Para quem já tem uma conta no Gmail, o Google Drive é uma mão na roda, basta acessar e pronto, sua conta de armazenamento na nuvem está ativada. Pagando dois dólares por mês (cerca de cinco reais), você aumenta a capacidade de armazenamento para 100 GB. E se precisar de muito espaço, o preço ainda é interessante: 10 dólares, pouco mais de 20 reais, por 1 TB de memória. O serviço da Google é compatível com mais de 30 formatos de documentos, incluindo vídeos em alta definição, músicas e até arquivos do Photoshop. O Google Drive permite compartilhamento público ou privado de arquivos. Talvez o ponto fraco do serviço seja a falta de uma ferramenta que permita o upload automático das fotos do seu smartphone.

Disponível desde 2007, o Dropbox ainda é um dos serviços de armazenamento na nuvem mais utilizados. A plataforma funciona igualmente bem em PCs e Macs, Android e iOS. O serviço é tão simples que é fácil para qualquer um dominá-lo. Apesar de a oferta gratuita ser de apenas 2 GB, você consegue aumentar essa capacidade a cada amigo que convida para entrar na rede; assim, é possível atingir os 18 GB sem gastar um centavo. Para mais espaço, claro, é preciso colocar a mão no bolso. O pacote de 100 GB sai por 10 dólares por mês. O Dropbox permite o compartilhamento de pastas e arquivos com outras pessoas. Provavelmente o motivo de o Dropbox ser um dos serviços mais populares seja sua compatibilidade com muitas plataformas. Ao instalar o Dropbox no seu computador, o

aplicativo cria uma pasta específica para compartilhamento. Quando seus arquivos são copiados para a pasta em qualquer PC configurado, eles são enviados imediatamente para os servidores do Dropbox e para as demais máquinas configuradas.

Também no ar desde 2007, o serviço de armazenamento virtual da Microsoft mudou de nome recentemente: o antigo o SkyDrive virou OneDrive. A oferta gratuita é de 7 GB. Para aumentar esse espaço, é preciso pagar uma mensalidade. Mas além do pacote grátis, dá pra ganhar 3 GB ao ativar a função de backup de fotos e mais 500 MB por cada amigo que convidar – com limite para 10 amigos. Só assim é possível chegar aos 14 GB sem gastar nada. Para quem quiser mais, os pacotes de 50, 100 e 200 GB custam respectivamente 12, 19 e 56 reais por mês. Assim como o Google Drive e o Dropbox, o OneDrive também oferece o compartilhamento público ou privado de arquivos com terceiros. Para quem usa o pacote Office, também da Microsoft, há ainda a possibilidade de editar os arquivos diretamente na nuvem. Aqui, também dá para compartilhar o conteúdo via Facebook e Twitter. Em dispositivos com sistema Android é possível fazer backup automático das fotos feitas no aparelho. O software do OneDrive é compatível com Windows e Mac OS; também há aplicativos para Android, iOS e, claro, Windows Phone.

Um pouco diferente dos seus concorrentes, o iCloud é o serviço de armazenamento na nuvem da Apple. Apesar de ter menos recursos que os outros, a total integração com os produtos da Apple é a principal característica. O iCloud permite armazenar vídeos, fotos e músicas e ainda possibilita a sincronização de calendários e listas de tarefas. A princípio, o iCloud também oferece 5 GB de espaço gratuito. O bom é que graças à integração com a AppStore e a iTunes Store, todo conteúdo comprado nessas lojas não ocupa parte desses 5 GB, uma vez que já está armazenada nos servidores da empresa. Assim como outros produtos e serviços da Apple, o armazenamento também é um pouco mais caro. Para

adquirir um HD virtual de 50 GB você vai pagar mais de 200 reais por ano. A exclusividade também é vista nos smartphones; iCloud, só para quem tem aparelhos com sistema operacional iOS. Nos desktops é possível ter acesso ao serviço através de navegadores em Windows e Mac OS.

Estes são os principais, mas claro, há outros serviços de armazenamento alternativos. E você, usa algum deles? Conta pra gente o que destaca de positivo e negativo no serviço que você escolheu. E se ainda não escolheu, use essas dicas para definir a melhor plataforma para você.

Do Olhar Digital.