Planos de saúde devem oferecer incentivos para programas de envelhecimento com qualidade de vida

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou hoje (22) no Diário Oficial da União uma resolução que incentiva a participação de beneficiários de planos de saúde em programas de envelhecimento ativo, com a possibilidade de descontos nas mensalidades.

O objetivo da resolução é estimular o setor a se pautar pela prevenção, pelo cuidado com a saúde, e não mais pelo tratamento das doenças. A ideia é que o beneficiário que aderir a um programa de envelhecimento ativo tenha desconto na mensalidade, sem discriminação por idade ou por doença preexistente. Também não será permitido vincular o desconto a resultados alcançados.

De acordo com a ANS, programas voltados para o envelhecimento ativo envolvem ações de prevenção e de acesso a cuidados primários de saúde, que visam a detectar e gerenciar precocemente doenças crônicas.

A Resolução Normativa nº 265 ficou em consulta pública por 30 dias e recebeu mais de 14 mil contribuições, sendo 70% encaminhadas por usuários de planos de saúde.

Agência Brasil

Governo anuncia 100 mil bolsas de estudos para intercâmbio no exterior

Cem mil estudantes terão oportunidade de fazer intercâmbio em faculdades do exterior custeados pelo programa “Ciência Sem Fronteira”, divulgado nesta terça-feira (26) pela presidenta Dilma Rousseff e pelo ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

O programa vai custear bolsas de estudos nas principais universidades fora do Brasil, desde a graduação ao pós-doutorado, e priorizará cursos nas ciências exatas, como Engenharia e áreas tecnológicas. Segundo Mercadante, o objetivo principal é atrair jovens talentos e pesquisadores altamente qualificados para trabalhar no país.

Para a presidenta, a prioridade em selecionar estudandes de ciências exatas não significa que a área de humanidades tenha sua importância diminuída. Segundo ela, o Brasil precisa se reequilibrar para atender ao mercado, que carece de profissionais de ciências exatas.

Os estudantes contemplados vão ser escolhidos a partir do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), além dos que atingirem nota superior a 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Poderão ser computados ainda outros requisitos, como prêmios em olimpíadas de matemática.

“A ideia do programa é criar ações orientadas pelo mérito, garantindo que o país possa continuar, aqui dentro, gerando reconhecimento e avanço tecnológico”, afirmou Dilma, pontuando que os critérios não excluirão as camadas mais humildes da população. “Nós vamos formar a base de pensamento educacional do país”, ressaltou.

Da Rede Brasil Atual