Manchas de óleo que vazou da Petrobras ocupam 70 km quadrados

Em sobrevoo realizado na manha desta quarta-feira, técnicos da Marinha avistaram “manchas dispersas” de óleo na região do vazamento da Petrobras, na bacia de Santos (a cerca de 300 km do litoral de SP), que, juntas, ocupam uma área estimada de 70 kms quadrados.

Segundo nota da Marinha, as manchas são compostas de uma fina camada de óleo. Não foi, porém, determinado ainda o volume de petróleo derramado –estimado inicialmente apenas pela Petrobras em cerca de 160 barris.

Nos primeiros dias, a área da mancha de óleo formada pelo derramento da Chevron, em novembro, chegou a 163 km quadrados, mas foi de dissipando com o passar do tempo até desaparecer no final daquele mês. Os 70 km quadrados da mancha avistada agora pela Marinha correspondem a uma área de pouco menos de dez campos de futebol.

O comunicado diz que as manchas, ao se deslocarem na direção sudoeste, indicam “baixa possibilidade do óleo alcançar o continente”, confirmando o que havia sido informado pela Petrobras.

O sobrevoo foi realizado entre 6h50 e 8h50 por um helicóptero que decolou da Fragata Niterói, enviada pela força armada para acompanhar os desdobramentos do acidente.

De acordo com a Marinha, foi possível acompanhar o trabalho de contenção das manchas feitos por três embarcações da Petrobras.

Diante do acidente, a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro, vinculada à Marinha, instaurou nesta terça-feira, inquérito administrativo para apurar as causas do vazamento.

Folha Online