Falso pastor e jornalista são acusados de sequestro na Argentina

Um caso de tortura, abuso sexual e cárcere privado envolvendo um falso pastor e uma conhecida jornalista de TV, vem comovendo a sociedade argentina na última semana. O casal é acusado de usar a própria residência para manter uma empregada doméstica em cativeiro e torturá-la.

O escândalo estourou no fim da semana passada com a prisão do falso pastor, Jesús Olivera, de 28 anos, e de sua mulher, Estefanía Heit, de 29, uma jornalista argentina conhecida publicamente como Fanny. Ela trabalha em uma emissora de televisão de Coronel Suárez, cidade de 40 mil habitantes da província de Buenos Aires.

A detenção do casal foi motivada por uma denúncia da empregada doméstica Sonia Molina, de 33 anos. Ela afirmou à polícia que os dois a forçaram a vender seus bens, a sequestraram e a mantiveram em cativeiro por três meses. O cativeiro seria uma casa de classe média em Coronel Suárez, uma cidade tranquila onde ainda se pratica a siesta (o cochilo depois do almoço).

Molina afirmou ter sido sexualmente abusada por seus captores. Afirmou que teria passado a maior parte do tempo em um colchão, sem direito a banhos, e comendo alimentos para cachorro misturados com angu. Também disse que teria sido submetida a sessões de tortura, nas quais teria sido queimada com pontas de cigarros. Afirmou ainda que era vigiada por cinco cães e por Olivera, que ficava a maior parte do tempo em casa.

A empregada doméstica afirmou que logo após ser obrigada a assinar uma carta falsa de suicídio, conseguiu fugir do local e pediu ajuda a um taxista – que a teria levado à casa de seus ex-patrões. Com ajuda deles, procurou uma delegacia para fazer a denúncia.

Indícios
Nesta quarta-feira, o jornal La Nación, de Buenos Aires, informou que a Justiça realizará uma inspeção na “casa do horror” – como o cativeiro vem sendo chamado. O local já foi vistoriado uma vez por policiais em busca de indícios que fundamentem as acusações.

Em um primeiro momento, a polícia argentina teria desconfiado das acusações contra a principal jornalista da cidade, mas ao chegar ao lugar, os policiais encontraram os detalhes que a vítima informara, como os cães e o colchão. A polícia analisa ainda imagens de Sonia, no cativeiro, com a cabeça raspada. Elas teriam sido encontradas gravadas no celular de Heit. Os vizinhos da casa disseram à imprensa local estarem “chocados” e que o único “fato estranho” que notaram foi o barulho da televisão ligada vinte e quatro horas do dia.

Na sua coluna semanal, no jornal Clarin, o jornalista Jorge Lanata escreveu sobre “o inferno em Coronel Suárez”. A foto de Fanny foi destacada na primeira página dos principais jornais do país e nas emissoras de televisão, como canal treze, TN (Todo Notícias) e C5N.

Elas reproduziram diálogos de uma controversa entrevista realizada pela jornalista com a empregada doméstica no Canal 4. Em uma reportagem sobre pobreza, Fanny pergunta à Molina a razão dela ser pobre. Com uma voz trêmula, Molina afirma ser a própria responsável por sua “pobreza”. A polícia investiga agora a suspeita de que a gravação tenha sido feita com a vítima já no cativeiro.

O advogado do casal, Claudio Lofvall, disse ao jornal Nuevo Dia que seus clientes negaram as acusações. Afirmou que Molina não foi sequestrada, mas sim chegou doente à casa, por vontade própria. Fanny teria dito que só se arrepende de não tê-la levado a um hospital, e que Molina de fato comia comida para cachorros.

Fanatismo
Molina foi internada em um hospital da cidade, onde foi diagnosticada com desidratação. Ela teria perdido 17 quilos no período de cativeiro. Uma psicóloga que a atendeu disse em entrevista à imprensa que “como foi valente para escapar” é “provável que ela também seja valente para superar este trauma”. Ela disso porém que aidna é cedo para um diagnóstico definitivo.

Sonia morava na província de Rio Negro, na região da Patagônia, quando teria conhecido Jesús Olivera em um culto religioso. Segundo o jornal de Rio Negro, ele a teria prometido a “divindade” e ao mesmo tempo pedido que ela “vendesse todos os bens”. A vítima teria vendido a casa sua casa e entregue o dinheiro ao pastor.

Olivera e Heit são acusados de inaugurar uma entidade, chamada Visión XXI e de pedir doações, principalmente em localidades de Rio Negro, no sul do país, para o “Centro Cristiano Amar é Combater”, que destinaria os recursos para crianças carentes do Chaco, outra província argentina.

Segundo as investigações policiais, o casal estaria criando uma “seita” com seguidores de diferentes localidades. A mãe da jornalista disse às emissoras de televisão que estava “chocada” e que a filha teria se afastado da família por “fanatismo pelo pastor”.

A mãe de Molina, Monica Santander, fez declarações semelhantes, dizendo que a filha “já não se comunicava há meses” com familiares. O caso gerou debate sobre os “efeitos das seitas” em seus seguidores.

O presidente da ONG Rede de Apoio para as Vítimas de Seitas (RAVICS), Hector Navarro, disse à imprensa local que Molina e Fanny poderiam ser “vítimas de fanatismo” pelo falso pastor.

Um taxista que levava Fanny diariamente à TV, disse à imprensa local: “Ela sempre foi doce e atenciosa com todos. Será que é uma pessoa de duas caras?”. A psicanalista e escritora Isabel Monzón disse que “nada justifica esta perversidade”.

Da BBC Brasil

Dia do Jornalista – Mensagem do Sindicato dos Jornalistas de SC

O Blog Palavra Livre parabeniza a todos os colegas e futuros profissionais, a mais apaixonante de todas as profissões, como disse Gabriel Garcia Márquez

O SJSC saúda os jornalistas catarinenses – profissionais e professores – e os estudantes de jornalismo pela passagem do “Dia do Jornalista”, em 7 de abril. Uma data para comemorar, mas principalmente para reafirmarmos o compromisso com a defesa do Jornalismo como um bem público essencial à democracia; do Jornalismo exercido com ética, responsabilidade, qualidade, para que a sociedade efetivamente seja atendida no seu direito à informação e à liberdade de expressão. Uma data para relembrarmos que não há Jornalismo sem jornalista.

O Dia do Jornalista foi instituído em homenagem à data da fundação da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), em 1908, e ao médico e jornalista João Batista Líbero Badaró, assassinado no dia 7 de abril de 1830, em São Paulo, durante uma passeata de estudantes em comemoração aos ideais libertários da Revolução Francesa.

Consciente do relevante papel social desempenhado pelo jornalista, ao mesmo tempo em que celebra o 7 de abril, o SJSC conclama a categoria para participar cada vez mais das lutas nacionais, regionais e estaduais para a valorização do Jornalismo e da nossa profissão, destacando-se as por melhores condições de trabalho e salariais, por verdadeira liberdade de imprensa, por respeito aos direitos humanos e combate a todo tipo de preconceito, exploração e opressão. Vamos juntos fortalecer todas as batalhas e ações que compõem nossa luta maior pela democracia na comunicação do país.

Em Santa Catarina, chamamos a todos a fortalecer a campanha salarial dos jornalistas, trabalhadores atualmente submetidos a vulnerabilidades. No que se refere à remuneração, estes profissionais não obtêm o merecido retorno, a contrapartida por prestarem um trabalho imprescindível ao País em diversos campos. Apesar de todas as dificuldades impostas pelos donos da mídia, no entanto, os jornalistas têm cumprido o papel de investigar, de buscar a pluralidade de opiniões, a fim de garantir com o resultado do seu trabalho a expressão dos indivíduos e dos grupos sociais.

Nacionalmente, precisamos intensificar nossa participação nas campanhas pela reconquista da plena regulamentação profissional com a aprovação das PECs que restituem a necessidade da formação superior específica para o exercício do Jornalismo, do PL que estabelece um piso nacional para os jornalistas, de combate à precarização das relações trabalhistas, do projeto de federalização da apuração de crimes cometidos contra jornalistas e de denúncia à crescente onda de agressões aos profissionais de comunicação e cobrança de ações dos governos e das empresas para proteção aos jornalistas, por uma nova e democrática Lei de Imprensa, que regule não só o direito de resposta, mas também as relações entre sociedade, veículos e profissionais de imprensa e, mais fundamentalmente, por um novo marco regulatório das comunicações no Brasil, orientado nas resoluções da I Confecom.

Neste 7 de abril, reafirmamos nossa pauta: celebrar as conquistas e continuar firmes na luta pelo Jornalismo e pelos jornalistas!

Diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina

Marco Aurélio Braga vira assessor de Udo Döhler

O PMDB de Joinville está realmente buscando o máximo para fazer do empresário Udo Döhler um candidato mais “popular”. Entre as atividades, reuniões nos bairros para, dizem, planejar a cidade, ajudar no plano de governo. De todas as decisões que vi até agora, a melhor delas sem dúvida é a escolha da assessoria de imprensa, com o competente jornalista e amigo, Marco Aurélio Braga, o Marcão.

Com excelente trânsito na imprensa em todos os setores, trabalhador, talentoso e competente, Marcão deve ajudar e muito na tentativa de fazer a pesada candidatura alçar voo rumo a índices melhores em futuras pesquisas. Se a cúpula deixar, outros mais puxa-sacos também não colocarem pedras em seu caminho, Marco Aurélio Braga vai dar a Udo bons espaços na imprensa em geral, e também em outros meios de comunicação fundamentais para o embate eleitoral.

Parabéns Marcão, você é um grande amigo, excelente profissional, e vai agora conhecer o lado de dentro de uma grande campanha a Prefeito. Sucesso nessa nova empreitada em sua vida profissional.

Imprensa brasileira foi à França reclamar de premiação a Lula

Não pode passar batido um dos momentos mais patéticos do jornalismo brasileiro. Acredite quem quiser, mas órgãos de imprensa brasileiros como o jornal O Globo mandaram repórteres à França para reclamar com Richard Descoings, diretor do instituto francês Sciences Po, por escolher o ex-presidente Lula para receber o primeiro título Honoris Causa que a instituição concedeu a um latino-americano.

A informação é do jornal argentino Pagina/12 e do próprio Globo, que, através da repórter Deborah Berlinck, chegou a fazer a Descoings a seguinte pergunta: “Por que Lula e não Fernando Henrique Cardoso, seu antecessor, para receber uma homenagem da instituição?”.

No relato da própria repórter de O Globo que fez essa pergunta constrangedora havia a insinuação de que o prêmio estaria sendo concedido a Lula porque o grupo de países chamados  Bric’s (Brasil, Rússia, Índia e China) estuda ajudar a Europa financeiramente, no âmbito da crise econômica em que está mergulhada a região.

A jornalista de O Globo não informa de onde tirou a informação. Apenas a colocou no texto. Não informou se “agrados” parecidos estariam sendo feitos aos outros Bric’s. Apenas achou e colocou na matéria que se pretende reportagem e não um texto opinativo. Só esqueceu que o Brasil estar em condição de ajudar a Europa exemplifica perfeitamente a obra de Lula.

Segundo o relato do jornalista argentino do Pagina/12, Martín Granovsky, não ficou por aí. Perguntas ainda piores seriam feitas.

Os jornalistas brasileiros perguntaram como o eminente Sciences Po, “por onde passou a nata da elite francesa, como os ex-presidentes Jacques Chirac e François Mitterrand”, pôde oferecer tal honraria a um político que “tolerou a corrupção” e que chamou Muamar Khadafi de “irmão”, e quiseram saber se a concessão do prêmio se inseria na política da instituição francesa de conceder oportunidades a pessoas carentes.

Descoings se limitou a dizer que o presidente Lula mudou seu país e sua imagem no mundo. Que o Brasil se tornou uma potência emergente sob Lula. E que por ele não ter estudo superior sua trajetória pareceu totalmente “em linha” com a visão do Sciences Po de que o mérito pessoal não deve vir de um diploma universitário.

O diretor do Science Po ainda disse que a tal “tolerância com corrupção” não passa de opinião, que o julgamento de Lula terá que ser feito pela história levando em conta a dimensão de sua obra, da qual destacou eletrificação de favelas e demais políticas sociais, e perguntou se foi Lula quem armou Khadafi. E concluiu para a missão difamadora da “imprensa” tupiniquim: “A elite brasileira está furiosa”.

SMABC

Fim da parceria, obrigado Mauro Mariani

Momento de descontração na campanha à Prefeitura em 2008

Comunico a todos os colegas de imprensa e amigos do Blog que chega ao fim a parceria entre este jornalista e o deputado federal Mauro Mariani (PMDB/SC), iniciada em abril de 2008 no início da campanha eleitoral para a Prefeitura de Joinville, depois em seu mandato como deputado federal, Secretário de Estado da Infraestrutura de Santa Catarina, campanha eleitoral de 2010 quando se sagrou o parlamentar mais votado da história política catarinense em pleitos proporcionais, e agora em início de seu segundo mandato em Brasília.

Neste período tive a honra de contribuir para uma boa campanha à Prefeitura, a ampliação da sua comunicação via Secretaria de Infraestrutura como tocador de obras por todo o estado, implantação de sua comunicação na internet e redes sociais com site, twitter, Orkut, Facebook, blog e boletins eletrônicos semanais, e o grande resultado de todas as ações desenvolvidas com os mais de 186 mil votos que marcaram história em 2010, além da assessoria de imprensa que ampliou e muito o seu relacionamento com a mídia, entre outros trabalhos.

Deixo o comando da comunicação do seu mandato com o sentimento do dever cumprido, agradecendo as oportunidades que Mariani me ofereceu. Além do compromisso profissional, fica uma sólida amizade. Fico na torcida para que seus projetos políticos e pessoais se consolidem e virem realidade, assim como ele deseja sucesso em meus projetos profissionais que passo a realizar a partir de agora.

Finalmente aviso aos colegas que estarei apoiando a transição do meu trabalho para com a assessoria de Brasília com a jornalista Mélani Schmidt durante o mês de agosto, quando me desligo oficialmente. Mais uma vez agradeço aos colegas de imprensa que sempre receberam meu trabalho com profissionalismo, e me apoiaram até aqui. Continuo a atender meus clientes e serviços voluntários que faço habitualmente. Meus dados profissionais, celular e outros continuam os mesmos.

Nova rotina. Novos olhares…Inovar sempre!

Recebi email da competente jornalista e amiga Fabiana Vieira, que inicia trabalho junto ao jornal diário Notícias do Dia de Joinville, da Ric Record. Só tenho a agradecer a citação do meu nome, citado por ser Fabi uma colega generosa. Quem sabe um dia estaremos juntos trabalhando na mesma equipe. Segue o teor do email que publico na íntegra abaixo, em homenagem a uma carreira de sucesso na nossa classe.

Amigos e demais colegas,

Quero compartilhar este momento de muita alegria na minha vida. Agora é oficial. Informo a todos que a partir deste mês integro a equipe do Jornal Notícias do Dia de Joinville. Alguns já sabiam, meu nome já foi estampado em algumas reportagens, porém preferi aguardar todo o encaminhamento para que eu pudesse oficializar a vocês.

Gostaria de manifestar toda minha felicidade num momento que tem sido decisivo na minha vida. Muitos sabem que estive nos últimos oito anos servindo aos colegas, como Assessora de Imprensa na área política. Foram sete anos construindo a imagem do então deputado federal e hoje, prefeito de Joinville, Carlito Merss. Com sua equipe (2003-2008) consegui realizar um trabalho que foi gratificante e contribuir para seu avanço político (com destaque para a reeleição deputado federal em 2006, relator do Orçamento da União em 2006, presidente do PT em 2007, prefeito eleito em 2008). Colaborei para uma trajetória de crescimento na comunicação que culminou como um dos parlamentares mais atuantes de SC (Diap 2005 a 2008).

Nesse período, que considero privilegiado na minha vida, pude estar ao lado de muitas pessoas. Dias que serão inesquecíveis junto ao ex-presidente Lula, Dilma Rousseff, Gilberto Gil, José Dirceu, José Alencar, Franklin Martins, Frei Betto, Sergio Mamberti e tantos outros ministros (as). Foram momentos marcantes quando organizei e coordenei coletivas com a imprensa, monitoramento da equipe de segurança, preparação de eventos, produção de entrevistas, fotos, jornais e muitas conversas de bastidores! Um salto no meu currículo profissional, com certeza.

Na prefeitura de Joinville (2009-2010) o trabalho como diretora executiva do gabinete do prefeito me permitiu ampliar conhecimentos. Integrei a equipe para elaboração de assuntos estratégicos, produzi seus artigos de opinião, palestras, discursos, entrevistas, respostas e atendimento político para a imprensa estadual/nacional. O ritmo do Executivo foi uma experiência importante já que exigiu também um contato direto com o Legislativo joinvilense. Fui responsável por todos os documentos remetidos à Câmara de Vereadores, momento que oportunizou mais aproximação com todos os vereadores da cidade. Neste momento gostaria de agradecer a todos, seus assessores e demais servidores públicos. Durante todo o tempo que estive a frente do gabinete do prefeito conseguimos estabelecer uma relação de harmonia, respeito e profissionalismo. Independente de posições ideológicas ou políticas. O mesmo se estende para os servidores da PMJ e a equipe que coordenei por quase dois anos. Meus mais afetuosos agradecimentos pelo respeito e parceria de todos.

Em 2010 uma nova oportunidade, mais focada na comunicação externa, bateu à minha porta e, a partir de maio, aceitei o convite para voltar a assessoria de imprensa. Desta vez com a equipe da então senadora Ideli Salvatti, onde permaneci até janeiro deste ano. Assessorar uma parlamentar com elevado potencial político foi mais um passo para meu crescimento na área. Ali tive a oportunidade de estreitar minha relação com a imprensa nacional, voltar a elaboração de artigos pessoais, produção de textos para a imprensa e tudo que a AI pode oferecer (edição textos, fotos, site, materiais gráficos, estratégias de comunicação).

Com uma equipe maior de jornalistas, estive ao lado de grandes profissionais, como o Osmar Gomes e Cláudio Schuster – amigos que ganhei e levarei para a vida toda.

Confesso que 2011 tem sido um ano atípico. Por uma decisão pessoal preferi avançar meus conhecimentos na área e assumir uma paixão que estava reservada desde os tempos de faculdade: a mídia impressa. Essa posição fulminante também partiu das propostas que recebi. Minhas opções em AI tomaram proporções maiores e para seguir em frente seria necessária dedicação exclusiva em Brasília. Uma oportunidade de ouro, sonhada por muitos. Neste momento manifesto abertamente meu AGRADECIMENTO ao deputado Décio Lima, que me estendeu o convite para integrar sua equipe da Câmara dos Deputados com uma proposta praticamente irrecusável. Outras pessoas também merecem minha gratidão como a ministra Ideli Salvatti e equipe, o deputado federal Mauro Mariani , o jornalista Salvador Neto, o vereador Manoel Francisco Bento, os publicitários Francisco Borghoff (PEB) e Oliveiros Marques (Sotaque Propaganda), presidente da CDL, Carlos Grendene, ao amigo Irio Correa e ao querido mestre Samuel Lima Pantoja, os quais me instigaram na construção de projetos profissionais importantes, que não serão executados neste momento, mas que ficam abertos para uma possibilidade futura. Obrigada a todos.

Hoje minha dedicação será exclusiva ao jornal diário. O ambiente e a rotina de trabalho já me mostrou algumas diferenças e muitas semelhanças quando o assunto é “jornalismo diário vs assessoria de imprensa”. Talvez esse desafio [entender as diferenças e compartilhar as semelhanças] é o que me motive a avançar na reportagem neste momento. Porém acredito que a Assessoria de Imprensa, como o Jornal, a TV ou o Rádio abrem as portas para todos. O bom profissional se qualifica, procura especialização, conhecimento, técnica e pode se destacar dentro de qualquer área. O acomodado fica a mercê do desempenho (seja do assessorado, da instituição ou do veículo em que trabalha), portanto se iguala, vaga no submundo da mesmice, se anula. Aqui na redação valorizo ainda mais os Assessores de Imprensa. Terão meu respeito. Nosso trabalho está numa via de mão dupla. Esse debate é saudável e acredito que os verdadeiros profissionais de comunicação devem agir com mais união, respeito e tolerância. O mesmo respeito que estou recebendo aqui na redação do ND e toda a direção da RIC. Só tenho a agradecer pela acolhida da equipe e a confiança que depositam em mim neste momento. Serão meus parceiros diários. Sei que tenho muito a aprender, mas que vou ensinar também. Somos aliados de um mesmo projeto agora. Será uma troca importante de conhecimento e um degrau a mais na minha jornada em comunicação.

Portanto, esse email não representa um adeus a ninguém, nem tampouco uma apresentação aos novos. Segue apenas para marcar mais uma passagem importante na minha vida profissional e para firmar o meu compromisso com todos que utilizam essa ferramenta tão importante no nosso dia a dia; Um jornal de qualidade, que serve a Joinville e região com presteza e que se destaca pela valorização da comunicação social/local. Estarei a disposição de todos, assessores, jornalistas, autoridades, entidades e toda a comunidade joinvilense para estampar a realidade da nossa cidade com a ética que ela merece e a liberdade editorial que faz da democracia a nossa maior conquista.

Um abraço a todos, estou muito feliz!