Poesia de Segunda – “Esqueço”

Esqueço, porque preciso esquecer
Para viver

Não há razões que nos façam
Âncoras

Esqueço, porque lembrar faz
Tempestades

Há espelhos para enxergar
O que senti

Esqueço, mas lembro de
Ser bom

Viajo por memórias infalíveis
Vivo a voar

Esqueço, esqueci, esquecerei
Para viver.

* por Salvador Neto, Portugal, 18mar2024

English

Forget

I forget because I need to forget
To live

There are no reasons that make us
Anchors

I forget because remembering creates
Storms

There are mirrors to see
What I felt

I forget, but I remember
Being good

I travel through infallible memories
Living while flying

I forget, I forgot, I will forget
To live.

  • by Salvador Neto, Portugal, March 18, 2024

#poetry #poems #literature #forgetting #Portugal #PortugueseLiterature

Spanish

Olvido

Olvido porque necesito olvidar
Para vivir

No hay razones que nos hagan
Anclas

Olvido porque recordar crea
Tormentas

Hay espejos para ver
Lo que sentí

Olvido, pero recuerdo
Ser bueno

Viajo a través de memorias infalibles
Viviendo mientras vuelo

Olvido, olvidé, olvidaré
Para vivir.

  • por Salvador Neto, Portugal, 18 de marzo de 2024

#poesía #poemas #literatura #olvidar #Portugal #literaturaportuguesa

French

Oublier

J’oublie parce que j’ai besoin d’oublier
Pour vivre

Il n’y a pas de raisons qui nous fassent
Ancres

J’oublie parce que se souvenir crée
Des tempêtes

Il y a des miroirs pour voir
Ce que j’ai ressenti

J’oublie, mais je me souviens
D’être bon

Je voyage à travers des souvenirs infaillibles
Vivant en volant

J’oublie, j’ai oublié, j’oublierai
Pour vivre.

  • par Salvador Neto, Portugal, 18 mars 2024

#poésie #poèmes #littérature #oublier #Portugal #littératureportugaise

Hollande toma posse na França e promete conter crise

Apenas 11 dias depois de eleito, o novo presidente da França, François Hollande, de 57 anos, tomou posse na manhã de hoje (15). Seguindo seu estilo sóbrio, a cerimônia foi simples e sem pompas, apesar dos 400 convidados. Em seu primeiro discurso no cargo, ele defendeu a busca pela redução da crise econômica internacional por meio do estímulo da economia e da geração de emprego. Disse que promoverá um governo justo, impedindo a discriminação aos imigrantes.

Hollande foi recebido na porta do Palácio do Eliseu (cujo nome em francês é Champs-Élysée) pelo antecessor Nicolas Sarkozy. Ambos se cumprimentaram com apertos de mão e sorrisos e se reuniram por cerca de 30 minutos no escritório presidencial, antes da solenidade de posse.

Uma multidão aguardava os dois na porta do palácio. Nos arredores do prédio, foram expostos cartazes e faixas com apelos a Hollande. Nos apelos, as pessoas pedem providências para controlar a crise e promover um governo igualitário. Também há elogios e desejos de sorte no cargo.

A expectativa é que Hollande anuncie o nome do seu primeiro-ministro antes de viajar para Berlim, onde se reúne com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. O nome apontado como o mais provável para o cargo é o do deputado socialista Jean-Marc Ayrault. O presidente da Autoridade dos Mercados Financeiros (AMF), Jean-Pierre Jouyet, amigo do presidente eleito, confirmou Ayrault.

O restante da equipe de Hollande deve ser conhecido no dia 16, depois de ele concluir parte da agenda internacional. As especulações em torno dos escolhidos vão desde ambientalistas até colaboradores de campanha.

Em meio às escolhas dos ministérios, Hollande organizou uma intensa agenda internacional. Ele pretende viajar ainda hoje para Berlim, para uma reunião com a chanceler Angela Merkel, com quem deve conversar sobre as propostas para conter os efeitos da cris econômica internacional. Depois, no dia 17, vai para os Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, Hollande participa das cúpulas do G8 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Rússia), prevista para os dias 18 e 19, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) – sobre a retirada das tropas do Afeganistão até o fim de 2014.

Eleito no dia 6 de maio com 51,6% dos votos, Hollande tornou-se o sétimo presidente e permanecerá cinco anos no cargo, podendo concorrer à reeleição. Ele é o primeiro socialista a chegar à Presidência, depois de 17 anos da direita no poder.

*Com informações da Rádio França Internacional (RFI)