LER/DORT: Cerest Joinville destaca o dia da prevenção à essas doenças

Nesta quinta-feira, 28 de fevereiro, comemora-se o Dia Internacional de Conscientização sobre as Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), conhecido como LER/DORT. As lesões ou distúrbios ocupacionais ocorrem pelo uso repetido e forçado de grupos musculares e da manutenção de postura inadequada, acometendo trabalhadores de diversos setores.

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – Cerest, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, é responsável pela investigação dos casos de LER/DORT que abrangem os trabalhadores do município. A fisioterapeuta do Cerest, Rúbia Kruger Pereira, destaca que casos de doenças de tendinites, tenossinovites, bursites e epicondilites, são alguns dos exemplos de LER/DORT. “O serviço ininterrupto com jornadas excessivas expõe os trabalhadores a esse tipos de lesões ou distúrbios, cada vez mais frequentes”, explica.

Rúbia informa que se o trabalhador suspeitar de alguma doença que possa estar relacionada ao trabalho, deve procurar, primeiramente, o médico para fazer o tratamento adequado. “Caso o médico verifique que se trata de LER/DORT, ele deve encaminhar o trabalhador ao Cerest, que vai fazer o nexo causal, isto é, investigar se a lesão tem relação com o trabalho”, detalha.

A fisioterapeuta ainda completa que o Cerest realiza uma série de ações de educação em prevenção para evitar que outros trabalhadores ou que o próprio trabalhador seja afetado pela doença em função das atividades do trabalho. Relação de alguns diagnósticos de LERT/DORT conforme Ministério da Saúde:

Síndrome do desfiladeiro torácico

· Tenossinovite dos Flexores dos dedos e dos flexores do Carpo
· Síndrome do Supinador
· Tendinite Distal do Bíceps
· Síndrome do Pronador Redondo
· Tenossinovite do Braquiorradial
· Síndrome do Interósseo Anterior
· Cisto Sinovial
· Síndrome do Túnel Do Carpo
· Distrofia Simpático-Reflexa ou Síndrome Complexa De Dor Regional Do Tipo I
· Lesão do Nervo Mediano na Base da Mão
· Causalgia ou Síndrome Complexa de Dor Regional do Tipo II
· Síndrome do Canal Ulnar
· Síndrome Miofascial
· Síndrome do Canal de Guyon
· Tendinite do Biciptal
· Síndrome do Interósseo Posterior
· Bursite
· Doença ee Dequervain
· Contratura de Dupuytren
· Dedo em Gatilho

Da Prefeitura de Joinville

Plano nacional deve melhorar a saúde do trabalhador, diz Ministério da Saúde

Os Ministérios da Saúde, da Previdência Social e do Trabalho e Emprego lançaram hoje, a Política e o Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho. A iniciativa faz parte da programação do Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidente de Trabalho. Os três ministérios irão atuar em conjunto para implementar, fiscalizar e avaliar as normas e processos na esfera pública e privada. O esforço conjunto representa um avanço nas garantias de melhores condições no ambiente e nas relações de trabalho.

A execução das diretrizes da política será feita por meio do plano nacional. Formado por oito objetivos, a estratégia é dividida em tarefas de curto, médio e longo prazo, além de um conjunto de regulamentações de caráter permanente.

Para a rotina do trabalhador serão adotados dispositivos legais e princípios comuns de Saúde e Segurança no Trabalho (SST), independentemente de sua inserção no mercado (do setor público e privado), com elaboração, aprovação e fiscalização conjunta do poder público, dialogando com as organizações dos empregadores e dos trabalhadores.

“O Brasil recebe muitos elogios sobre normas e leis. Agora é o momento oportuno para que temas como acidentes de trabalho, aspectos de capacitação e treinamento sejam levados a uma discussão mais aprofundada. Creio que a sociedade verá os resultados desse trabalho em curto prazo”, disse Guilherme Franco Netto, Diretor do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, do Ministério da Saúde.

O Ministério do Trabalho e Emprego avalia que o entendimento sobre as relações trabalhistas também será afetado. Além disso, deverá ocorrer a padronização de critérios quanto à caracterização de riscos e agravos e a construção de um banco de dados único com indicadores de gestão.

Isso significa que os três ministérios irão compartilhar informações para fomentar as práticas pertinentes a cada área.

A educação continuada é uma das normas a serem seguidas com a inclusão de conhecimentos básicos no currículo do ensino fundamental e médio da rede pública e privada, bem como a revisão de referências curriculares para a formação de profissionais em saúde e segurança no trabalho, de nível técnico, superior e pós-graduação.

ELABORAÇÃO– A política foi criada por uma Comissão Tripartite entre o governo, as principais organizações que representam empregadores e pela representação dos trabalhadores. A formalização aconteceu por meio de decreto (nº 7.602), assinado pela presidenta Dilma Rousseff, no dia 7 de novembro de 2011.

A implementação está de acordo com a Convenção n.º 155 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que dispõe sobre Segurança e Saúde dos Trabalhadores e o Meio Ambiente de Trabalho e estabelece o dever do Estado-Membro de elaborar uma política nacional sobre o tema. E também com o Plano de Ação Mundial sobre a Saúde dos Trabalhadores da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reforça a necessidade de uma política com coordenação intersetorial das atividades.

COMISSÃO TRIPARTITE– A comissão que foi instituída em 2008 é composta – paritariamente – por representações de governo, trabalhadores e empregadores. O objetivo é assegurar a atuação coerente e sistemática do Estado na promoção do trabalho seguro e saudável e na prevenção dos acidentes e doenças relacionados ao trabalho. A coordenação é feita pelos representantes de governo, em sistema de rodízio anual.

Da Ag. Saúde