Unimed Paulistana terá de transferir 740 mil clientes para outras operadoras

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou ontem (2) que a  Unimed Paulistana repasse toda a carteira de clientes para outras operadoras. Segundo o órgão, a medida objetiva garantir a assistência aos consumidores.

Em nota, a Unimed informou que já está comunicando os clientes, corretoras e cooperativas sobre a determinação da ANS. A operadora acrescentou que “está trabalhando ativamente para dar completo apoio aos mais de 740 mil clientes”. Dos beneficiários da operadora, 78% são clientes de planos coletivos.

A agência informou que acompanha a situação da Unimed Paulistana desde 2009, com a instauração de quatro regimes especiais de direção fiscal.

Na prática, um agente nomeado pela ANS fez um acompanhamento presencial da gestão devido a “anormalidades econômico-financeiras graves”. Também foram instalados dois regimes de direção técnica, quando o agente indicado pelo órgão faz acompanhamento em razão de “anormalidades assistenciais e administrativas graves”.

No balanço de 2014, a Unimed Paulistana apresentou prejuízo de R$ 275 milhões e patrimônio líquido negativo de 169 milhões.

Como os problemas administrativos e financeiros não foram solucionados, a ANS decidiu pela transferência de todos os beneficiários da operadora em até 30 dias. A empresa que assumir os contratos terá de apresentar situação financeira adequada para manter as condições acordadas com os clientes da Unimed.

Até a transferência, a Unimed tem a obrigação de continuar atendendo os beneficiários. Os consumidores devem manter os pagamentos em dia, de modo a garantir os direitos de migração para a nova operadora.

Com informações da Ag. Brasil

Anvisa interdita lote de canela em pó e suspende cosméticos

A Anvisa determinou, nesta terça–feira (16), a interdição cautelar, pelo prazo de 90 dias, do lote nº 1812 do produto Canela em pó chinesa, marca: Fã, embalagem de 30g. O lote citado foi fabricado pela empresa Junco Indústria e Comércio Ltda e possui validade até 24/06/2016.

Na análise foi constatada a presença de pelo de roedor acima do limite de tolerância estabelecido, que é 1 em 50g. A Vigilância Sanitária de Minas Gerais (Visa-MG) já havia interditado cautelarmente o produto em 13/11/2014.

A Agência também determinou a suspensão da distribuição, comercialização e uso do lote 0058 do cosmético Allgel Antisséptico para as mãos (Álcool etílico hidratado) – 500mg.

Fabricado por Jales Machado SA, o lote apresentou resultado insatisfatório no ensaio de teor etílico. O fabricante não solicitou recurso ou perícia de contraprova à Diretoria do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF).

O lote 363 do cosmético Dermygel Antisséptico Aloe Veratambém também foi suspenso. O lote apresentou resultado insatisfatório nos ensaios de rotulagem primária e determinação de pH. A empresa fabricante, S A Cosméticos do Brasil Ltda, também não interpôs recurso ou perícia de contraprova ao Lacen-DF.

Por último, foi suspenso o lote MF0105 do medicamento Atenolab 50mg (Atenolol), comprimidos, fabricado por Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda e com validade até 06/2014. Foi realizada uma auditoria na empresa fabricante, em que ficou comprovada a fabricação e distribuição, antes da aprovação da petição pós-registro, do medicamento.

Da Agência Nacional de Vigilância Sanitária