Joinville começa a debater planos cicloviário e de caminhabilidade

A Prefeitura de Joinville, através do Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville (Ippuj), inicia na próxima terça-feira (3/11) uma série de debates para implantação dos planos cicloviário e de caminhabilidade.

Os temas fazem parte dos projetos complementares do Plano de Mobilidade (PlanMob) aprovado em março deste ano. Além destes, o PlanMob também prevê ações como a adequação do plano viário e a implantação do estacionamento rotativo.

O presidente do Ippuj, Vladimir Constante, explica que na discussão dos planos serão desdobradas as metas gerais descritas no PlanMob.

“Será o momento de explicar de que forma pretendemos atingir estas metas”, comenta. No caso das bicicletas, a meta é de implantar 730 km de ciclovias. Já para o transporte a pé, uma das metas prevê melhoria na avaliação das calçadas.

Assim como ocorreu com o PlanMob, os planos cicloviário e de caminhabilidade serão aprovados por decreto, ficando a cargo do Legislativo a aprovação da Lei das Calçadas. Constante prevê a conclusão dos planos até o final de 2015.

“Depois destas consultas públicas, o documento passa para a elaboração do texto e em seguida faremos uma audiência pública”, descreve.

Na terça-feira (3/11), às 19 horas, técnicos do Ippuj iniciam a programação com abordagem sobre as diretrizes e metas do PlanMob para o eixo transporte por bicicleta e projetos cicloviários. Constante esclarece que o Plano de Mobilidade é um documento que contém metas e prazos bem definidos, cujo planejamento contempla ações para 30 anos.

Na sequência, palestra sobre integração das vias cicláveis de Joinville e trabalhos de extensão realizados, como o diagnóstico e índice cicloviário, aplicativo Bike Trilhas e blog. O tema será abordado pelo professor Fabiano Baldo, da Udesc.

Os grupos Pedala e Bicicletada contribuem com palestras e ideias sobre o modal para o Plano Cicloviário. A partir das 21 horas iniciam os debates sobre os temas.

Na quarta-feira (4), os trabalhos iniciam às 8h30 com reunião do grupo técnico infraestrutura cicloviária, em sala de reuniões do Ippuj. Às 13h30 se reúne o grupo técnico legislação e educação.

Caminhabilidade
Quinta-feira (5) é a vez dos estudos sobre o projeto de caminhabilidade. No Museu da Bicicleta, o Ippuj apresenta, às 19 horas, os estudos sobre o eixo transporte a pé.

As palestras iniciam às 19h30. Na primeira, a servidora Patrine Macoppi, da Secretaria do Meio Ambiente, fala sobre a situação atual das calçadas de Joinville, quantitativos e fiscalização.

Às 20 horas, Mário Cezar da Silveira, do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comde), aborda questões acerca da acessibilidade espacial nos deslocamentos a pé  e da legislação pertinente.

Antes dos debates, que iniciam às 21 horas, Andréa Pfützenreuter, da Universidade Federal de Santa Catarina, faz relato sobre os índices de caminhabilidade e o grupo de pesquisa.

Na sexta-feira (6) encontros técnicos sobre infraestrutura e legislação, em sala de reunião do Ippuj, encerram a programação.

Com informações da Secom/PMJ

Parque da Cidade completa um ano nesta terça-feira (6/11)

Foi em uma manhã ensolarada de domingo que, após anos de espera, o sonhado Parque da Cidade de Joinville deixou os projetos e os papéis para virar realidade. Terça-feira, ele completa o primeiro aniversário. Em um ano de vida, o que mudou? Tudo. E como um ano passa rápido, não é mesmo? Até parece que foi ontem que a capa de “A Notícia” estampava a família da mãe Abigail do Rosário. Com um pulo cheio de energia, as crianças convidavam os moradores para curtir o fim de semana no Parque da Cidade.

E naquele 6 de novembro, muita coisa aconteceu. Foram apresentações culturais, caminhadas pela nova trilha e, claro, muita correria no Caranguejão, no parque infantil, nas três quadras e na pista de skate. Neste um ano de vida, também houve muitas conversas. O parque custou mais de R$ 4 milhões e usou 42 mil m² dos bairros Guanabara e Bucarein (do ladinho da Arena Joinville). Foi preciso um pouco de paciência e reflexão para se adequar à nova rotina.

A Prefeitura precisou de inúmeras reuniões com os moradores para falar da segurança, por exemplo. Entre os resultados significativos, houve a instalação de câmeras de monitoramento, um espaço fixo para a viatura da Polícia Militar, o fechamento com tela da pista de skate à noite e, claro, uma boa iluminação.

Ainda após a inauguração, os visitantes ganharam acesso à internet gratuito, um monumento em homenagem à Organização das Nações Unidas (ONU), além de contar com eventos culturais como shows, mercado de pulgas e ensaios de bandas – tudo de graça. Lembram? Até a banda Nenhum de Nós esteve no parque, no aniversário de Joinville.

Assim fica fácil falar que o Parque da Cidade mudou nossas vidas. Além de ter valorizado a zona Sul, deu uma mexida significativa no terreno ao lado da Arena, que ganhou quadras de basquete, pista de caminhada e uma academia da melhor idade.

Claro que ainda há pontos para melhorar. Mas isso pode começar por nós. O grande “x da questão” é o vandalismo. Há pichações até no Caranguejão – um brinquedo para crianças. Algumas barras de ferro que protegem o mirante foram quebradas e ainda há muito lixo no chão, mesmo com 40 lixeiras espalhadas pelo parque. Sem contar o cocô de cachorro que não foi recolhido pelos seus donos. Então fica a dica: cuide do parque, porque ele é seu – agora mais do que nunca.

Matéria publica em A Notícia – Leia mais clicando aqui.