Epagri/Ciram lança novo site

site da Epagri/Ciram mudou. O novo visual e as novas funcionalidades foram apresentadas à imprensa, lideranças e sociedade em geral em evento on-line realizado nesta segunda-feira, 24 de maio. O produto tem cerca de 1 milhão de acessos ao mês. São pessoas à procura de informações confiáveis de previsão do tempo e monitoramento ambiental em Santa Catarina.

Site da Epagri/Ciram recebe em média 1 milhão de acessos aos mês

Ângelo Massignam, gerente da Epagri/Ciram, explicou que a novo site vem sendo desenvolvido há mais de um ano, num trabalho multidisciplinar realizado pelos profissionais da Epagri, uma empresa do governo de Santa Catarina. “Há alguns meses colocamos a nova versão no ar, o que nos permitiu testar e aprimorar as funcionalidades apresentadas neste evento”, detalha.

O Secretário de Estado da Agricultura, da Pesca de do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, ressaltou que “quem não tem dado, não gerencia, quem não gerencia, não planeja”, destacando assim a importância das informações geradas pela Epagri/Ciram para o planejamento das propriedades rurais catarinenses.

Edilene Steinwandter, presidente da Epagri, declarou que as informações de previsão de tempo e clima publicadas no site representam o início de um processo. Isso porque, a partir do previsto para os próximos dias, os agricultores podem preparar suas propriedades com objetivo de mitigar os efeitos dos eventos meteorológicos previstos, como aconteceu no frio intenso de agosto de 2020 e com a estiagem que atinge principalmente a região Oeste atualmente.  

O Ciram é um dos centros de pesquisa da Epagri geradores de informações para a sociedade, no caso de recursos ambientais e de hidrometeorologia. Assim, o seu site se destinada a disponibilizar o maior número de informações ambientais possíveis, com celeridade e precisão.

Novidades

Rafael Canan, profissional do setor de tecnologia da informação da Epagri/Ciram e líder do projeto, apresentou as novidades no evento, destacando que o novo layout está alinhado aos portais virtuais do governo do Estado e da Epagri. Outra mudança que se percebe imediatamente é que o site se tornou responsivo, ou seja, seu formato adapta-se automaticamente quando visualizado em telas de dispositivos móveis, como celulares e tablets.

Agora, quem abre o site da Epagri/Ciram enxerga no topo os avisos meteorológicos, hidrológicos e marítimos, que estarão destacados com uma caixa vermelha quando estiverem ativados. Logo em seguida aparece a seção Soluções para a Sociedade, que reúne os produtos mais acessados pelos usuários.

A primeira aba dentro de Soluções é Agricultura, que reúne os produtos criados prioritariamente para esse público: AgroconnectApis on-lineZoneamentoCebolaNetBoletim da Maçã e Previsão de Geada. Este último passou por reformulações e agora apresenta a previsão de ocorrência do fenômeno para os próximos cinco dias e em três mapas: probabilidade média, máxima e mínima.

Tempo e clima

Ainda dentro do campo Soluções, o internauta pode acessar a aba Tempo e Clima, que reúne 16 itens com diversos boletins de previsão para Santa Catarina, atualizados diariamente. É possível ver a previsão por município, para os próximos cinco e dez dias em todo o Estado e a previsão por regiões, que se diferencia das outras por apresentar os dados em tabelas.

A aba Tempo e Clima traz ainda produtos que atendem à sociedade em geral e também à imprensa, como previsões em áudio em vídeo, recordes de frio e de calornotas meteorológicas e um campo em que o usuário pode calcular automaticamente índices de calor e sensação térmica.

Também podem ser visualizados em Tempo e Clima produtos de interesse mais específico para conhecedores de meteorologia, como é o caso da Previsão Modelo. A previsão de chuva, que consta dentro de previsão modelo, foi um dos primeiros produtos melhorados no site, devido à grande demanda, explica Rafael. “Ampliamos as imagens e melhoramos as cores para facilitar a visualização dos dados especializados”, descreve ele. Os mapas de chuva representam a previsão acumulada diária e para cinco dias.

Rios e litoral

Voltando à aba Soluções para Sociedade o usuário vai encontrar dois links com conteúdos importantes para o cotidiano de muitos catarinenses. No link Rios é possível acessar três produtos, entre eles a plataforma Rio on-line, que sistematiza os dados do monitoramento hidrológico realizado pela Epagri/Ciram.

No link Litoral estão reunidas informações para o público que pratica pesca e outras atividades náuticas, como a plataforma Litoral on-line, dados de marégrafostábuas de marés e previsão para o mar, entre outros. O item Previsão de Clorofila-a é o mais novo do link Litoral e fornece dados sobre a concentração de clorofila na água, o que permite, por exemplo, acompanhar o surgimento de concentrações de algas na costa catarinense.

Navegando pelo site da Epagri/Ciram o internauta vai encontrar ainda diversas outras informações que se destinam não só a prestar serviço à sociedade, como também dar transparência às atividades desenvolvidas pela equipe, como a quantidade de projetos em desenvolvimento, a média de dados ambientais coletados e o número de pontos monitorados por estações hidrometeorológicas.

Referência

Agora reformulado, o site da Epagri/Ciram continua sendo uma referência em informações seguras para a sociedade catarinense, comprovada pelos cerca de 1 milhão de acessos mensais. “Nos momentos de previsão ou de ocorrência de fenômenos meteorológicos intensos, como muita chuva ou neve, essa quantidade de acessos se eleva exponencialmente, o que demonstra a relevância dos serviços prestados”, finaliza Ângelo. O site já chegou a 190mil acessos em um único dia.

No evento, Leda Limas, diretora de jornalismo da TV Barriga Verde, afiliada da BAND em Santa Catarina, destacou a importância das informações oferecidas à imprensa pelo site da Epagri/Ciram. Ela lembrou que a emissora é usuária diária das informações em previsão do tempo, exibidas em dois telejornais.

Roseli Oliveira, presidente da Associação Catarinense de Meteorologia (Acmet), declarou na live que “o site da Epagri/Ciram nos mostra um processo sério de informação, gerando conhecimento baseado em dados confiáveis”. Para ela, o novo site segue contribuindo para a sociedade com seu diferencial de credibilidade e pela importância dos serviços prestados.

  • Com informações da Ascom/Epagri-Ciram

Boletim Agropecuário mostra alta de preços de grãos e exportações de carnes em SC

Boletim Agropecuário de agosto está cheio de notícias positivas. Destaque para os bons preços pagos a produtores de milho, soja, trigo e arroz, e para a expansão na área de cultivo do milho silagem. As exportações de carnes também seguem em alta. Já a recuperação dos preços da banana reflete a redução de oferta, em decorrência dos eventos meteorológicos extremos que afetaram a produção. O documento é emitido todos os meses pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri (Epagri/Cepa), com a análise das principais cadeias produtivas do Estado.

Em julho, os preços da soja apresentaram os maiores valores desde 2014. Foto: Pixabay

Milho

Em plena colheita da segunda safra de milho, o comportamento dos preços está contrariando uma tendência de retração, chegando à marca histórica de R$50,00/sc em 17 de agosto. Isso se deve ao dólar fortalecido, que mantém as exportações competitivas, e também à reação positiva da demanda em relação ao início da pandemia. Em julho, o preço médio ao produtor foi de R$44,00/sc.

Soja

Em julho, os preços da soja apresentaram os maiores valores da série desde 2014. No mês passado, os valores pagos aos produtores foram 3,64% maiores em comparação com junho. Nos últimos doze meses, a alta foi de 33,7%. Em agosto, a escalada de alta teve sequência. No dia 3 os produtores receberam R$103,00/sc, enquanto que no dia 17 esse valor subiu para R$117,00/sc, acompanhando a elevação do dólar. A valorização das commodities agrícolas está relacionada à maior demanda internacional pelos grãos, uma forma de garantir estoques e segurança alimentar.

Trigo

O mercado do trigo continua aquecido. Em Santa Catarina, a valorização chegou a 2,4% no preço pago ao produtor, passando de R$55,01 em junho para R$56,35 em julho. O plantio da safra 2020/21 alcança cerca de 98,96% e as lavouras vêm apresentando excelente desenvolvimento. Em todo o Estado, cerca de 7% da área plantada já alcançou a fase de florescimento. O clima seco e frio está favorecendo a cultura.

Arroz

Os preços do arroz em casca estão em alta, apesar da excelente safra catarinense, especialmente na região Sul do Estado. O mercado externo também segue aquecido, com aumento significativo das exportações estaduais.

Milho silagem

A área de cultivo do milho silagem tem apresentado um crescimento expressivo em Santa Catarina. Segundo a Epagri/Cepa, passou de 120.600ha em 2013/14 para 219.606ha em 2019/20. Cerca de 50% do cultivo de milho silagem se concentra nas regiões de Chapecó e São Miguel do Oeste.

Bovinos

Entre agosto de 2019 e 2020, o preço do boi gordo aumentou em 33,5%. A variação entre julho e agosto de 2020 foi de 4,1% na média estadual. Na análise da Epagri/Cepa, esses fortes movimentos de alta são decorrentes, principalmente, do bom fluxo das exportações brasileiras de carne bovina, que reduzem a disponibilidade do produto no mercado interno, e da baixa disponibilidade de animais prontos para abate.

Frango

Os preços do frango vivo em Santa Catarina em agosto aumentaram 0,6% em relação a julho e 14,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado. As exportações vêm crescendo, mas ainda estão em patamares inferiores a 2019. Em julho, Santa Catarina exportou 83,51 mil toneladas de carne de frango (in natura e industrializada), crescimento de 16,4% em relação ao mês anterior, mas ainda 15,2% abaixo do registrado em julho de 2019. As receitas foram de US$ 122,53 milhões, alta de 24,5% em relação ao mês anterior, mas queda de 30,5% na comparação com julho de 2019.

De janeiro a julho deste ano, Santa Catarina exportou 578,42 mil toneladas de carne de frango, com faturamento de US$ 916,39 milhões, queda de 30,2% em quantidade e de 36,3% em valor na comparação com o mesmo período de 2019. O estado foi responsável por 25,6% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango este ano.

Suínos

Nas duas primeiras semanas de agosto, a média estadual do preço do suíno vivo apresentou aumento de 11,9% em relação ao mês anterior e de 30,1% na comparação com agosto de 2019. O principal fator responsável por essas variações é a elevada demanda internacional, principalmente por parte da China.

Em julho, Santa Catarina exportou 51,36 mil toneladas de carne suína (in natura, industrializada e miúdos), alta de 12,9% em relação ao mês anterior e de 41,5% na comparação com julho de 2019. O faturamento de junho foi de US$ 103,39 milhões, crescimento de 9,9% em relação ao mês anterior e de 33,2% na comparação com julho de 2019. Esses montantes representam o segundo melhor resultado mensal das exportações catarinenses de carne suína, ficando atrás apenas de maio passado.

De janeiro a julho de 2020, o estado exportou 295,19 mil toneladas de carne suína, com faturamento de US$ 649,27 milhões, alta de 23,8% em quantidade e 37,7% em valor quando comparado ao mesmo período de 2019. Santa Catarina foi responsável por 51,1% das receitas e 51,6% da quantidade de carne suína exportada pelo Brasil este ano.

Leite

Produtores de leite nas principais regiões produtoras do Estado estão recebendo valores recordes neste mês de agosto, com sinalização de novas altas para setembro. A queda na produção brasileira no primeiro semestre, especialmente nos meses de maio e junho, reduziu a oferta interna e contribuiu para as elevações dos preços dos lácteos e dos valores recebidos pelos produtores a partir de julho.

Banana

Os preços da banana no Norte do Estado tiveram recuperação em julho na comparação com junho, devido à passagem do ciclone extratropical, que afetou áreas em produção. No Sul Catarinense, a estiagem e a pandemia afetaram a demanda da fruta na região, mesmo com menor oferta no mercado. A tendência é a valorização dos preços nos próximos meses, com a redução na oferta da banana-prata.

No primeiro semestre de 2020, nas centrais de abastecimento, houve redução de 38% no volume comercializado de banana de origem catarinense. Os volumes médios, para o primeiro semestre, estão 36% abaixo da média dos últimos cinco anos.

A exportação catarinense de banana, no primeiro semestre de 2020, apresentou redução de 11,2% no valor negociado e diminuição de 7,1% no volume comercializado. Em julho, houve redução de 32,5% no valor negociado e diminuição de 19,1% na quantidade exportada por Santa Catarina.

A pandemia modificou o ritmo dos negócios no segundo trimestre e a estiagem reduziu a oferta no mercado, mas o comportamento dos preços está seguindo a tendência do ano anterior. A expectativa é que adequações e tratos culturais nos bananais possam melhorar a qualidade da fruta nos próximos meses, com valorização nos preços, uma vez que a oferta permanecerá baixa.

Alho

Em julho, o mercado foi surpreendido com a oscilação brusca para baixo dos preços do alho no mercado nacional, provocada pelo expressivo volume da hortaliça oriundo de Minas Gerais.

No mercado atacadista da CEAGESP, unidade do município de São Paulo, o alho roxo nobre nacional, classe 5, foi comercializado na primeira semana de julho a R$24,60/kg, fechando o mês com preço de R$15,00/kg, redução significativa de 39,02%. O alho classe 6, no mesmo período, passou de R$28,84/kg para R$18,69/Kg, redução de 35,19%, e o alho classe 7 fechou julho a R$20,69/kg, redução de 32,91% em relação ao início do mês.

Nos primeiros sete meses deste ano, o Brasil importou 125,34 mil toneladas do produto, enquanto no mesmo período do ano passado o volume importado foi de 106,91 mil toneladas, um crescimento 17,24%.

Cebola

Após o fechamento em alta da safra de cebola 2019/20, com preços ao produtor acima do custo de produção, as atenções do setor e da cadeia produtiva em Santa Catarina se voltam para a implantação da nova safra. Dentre os desafios, os efeitos da COVID19 e as restrições para as atividades que exigem “aglomeração” ou proximidade das pessoas, como o plantio, por exemplo.

O mercado se manteve aquecido durante todo o mês de julho, condição que ocorre desde março. A conjuntura de mercado favorável, com preços altos, levou muitos produtores de Minas Gerais e Goiás à colheita precoce dos bulbos, ainda “verdes”, com o objetivo de aproveitar os bons preços, apesar dos riscos de perdas pela incidência de doenças pós-colheita e consequente redução da qualidade do produto.

Confira a íntegra do Boletim

Agronegócio lota Assembleia Legislativa em audiência pública sobre ICMS

A Assembleia Legislativa foi palco nesta quarta-feira (11) da maior audiência pública de sua história, com as galerias, auditório Antonieta de Barros, Plenarinho Paulo Stuart Wright, sala de reuniões e o hall principal lotados, com aproximadamente 1,6 mil agricultores que vieram acompanhar o debate sobre a manutenção da isenção da alíquota de ICMS dos defensivos agrícolas. A maioria se manifestou contrária à tributação por temer o aumento dos custos, que impactariam nos preços e tirariam a competitividade do agronegócio catarinense.

Estive lá esta tarde e pude ver nos rostos e olhares dos agricultores, aqueles que põe a mão na terra, nos animais, plantam, colhem e nos oferecem os alimentos do dia a dia, em busca de compreender o que afinal ameaçava as suas vidas no campo, nas roças por toda Santa Catarina. É fato que foram mobilizados pelos grandes donos do agronegócio catarinense, uma força econômica que movimenta os poderes a seu favor quando sente que pode perder lucros e movimentação financeira, mas a organização de todos mostra mais uma vez que pressão do povo funciona na democracia.

A produtora de milho e soja de Mafra, Luciana Harbigaus Pedro Drosdek, 44 anos, disse que veio pela primeira a Assembleia para se manifestar contrária ao aumento da taxação dos defensivos agrícolas. “A gente já paga imposto demais, os insumos são caros, você paga imposto para comprar produtos para plantar, para vender e está chegando um tempo que não conseguiremos mais produzir.” Ela afirmou que os defensivos agrícolas são importantes para os agricultores. “É com eles que a gente mantém a agricultura. Não tem como plantar sem os defensivos. A gente depende deles para produzir. Se tirar eles, o bichinho e o mato acabam com a lavoura.”

O produtor de maçã de São Joaquim, Dário Vitória, 71 anos, que há 30 anos produz 250 toneladas da fruta por ano, também se manifestou favorável à isenção da alíquota de ICMS sobre os defensivos agrícolas. “Nós somos contra o aumento da taxação. Isso vai aumentar o custo da produção, nós já produzimos meio sufocados e se aumentar ficaremos inviabilizados.” Dário ressaltou que não há como produzir maçã sem o defensivo agrícola. “Se não usar os defensivos agrícolas as pragas consomem toda produção. Ele é usado devidamente certo e cada tratamento tem sua orientação técnica. Sem o defensivo agrícola você até produz, mas não compensa.”

O agricultor Adir Jarosczewski, 63 anos, que produz soja e milho em Itaiópolis, no Planalto Norte, enfatizou que também é contrário ao aumento da taxação nos defensivos agrícolas. “Se aumentar vai quebrar a agricultura. Não queremos pagar mais impostos. Tudo é contadinho na nossa lavoura. Se aumentar teremos que fazer outra coisa. Sem o defensivo agrícola não tem como produzir, o orgânico é difícil e produz pouco.”

Já o técnico agropecuário e produtor agroecológico de Paulo Lopes, Glaico José Sell, 58 anos, participou da audiência defendendo o aumento da taxação no ICMS sobre os defensivos agrícolas. “Viemos para apoiar a medida do governador Moisés. É um absurdo os produtos agrícolas serem tributados, como o feijão e o arroz, e o veneno, o agrotóxico, não ser tributado. Gera doença, morte e desequilíbrio ambiental.” 

* com informações da Ag. Alesc/Nei Bueno