Mãos estendidas que salvam vidas no Maciço do Morro da Cruz

Enquanto os poderosos brigam em relação ao que deveria ser feito sobre a pandemia da Covid-19 transmitida pelo coronavírus, e a população mais carente assiste sem empregos, sem renda, sem comida na mesa, existem algumas grandes almas que colocam as mãos, várias mãos a serviço de resolver a aflição de centenas de famílias no país. A fome é a principal aflição de mães e pais desde março de 2020 quando a pandemia se instalou no mundo. De lá para cá mais de 600 mil vidas foram ceifadas, e a inevitável paralisia econômica para evitar que o vírus matasse ainda mais gente, ampliou o grave problema da fome nas famílias brasileiras.

Na sala: não há impedimentos quando a vontade é ajudar o próximo na Servidão dos Lageanos

No Maciço do Morro da Cruz em Florianópolis, não foi e não é diferente. Mais exatamente na comunidade da Serrinha – Servidão dos Lageanos – estas mãos voluntárias tem evitado que muitas famílias passem fome e frio, e possam manter a higiene pessoal, se deslocar e até pagar contas. O Palavra Livre já noticiou (aqui, aqui e aqui) algumas vezes o grande papel que as lideranças da comunidade tem assumido nestes tempos sombrios. Liderança da Servidão dos Lageanos há mais de 35 anos, Maria Lucelma de Lima, a Celma, sempre está em contato com o Blog para contar das lutas sociais da região, dos avanços da regularização fundiária que dará o título de propriedade definitivo para as famílias após longa batalha jurídica com a União.

A fome não pode ser aceita com passividade, ninguém merece passar fome

Agora ela, que nunca para, manda um balanço da quantidade de cestas básicas arrecadadas, dos cobertores, das latas de leite em pó para bebês, roupas, materiais de higiene, uma infinidade de itens que o editor prefere que os leitores saibam pela própria Celma, já que acreditamos que a cidadania vai gritar no coração de cada um que ler a matéria, e cada um vai poder doar um pouco do seu para ajudar muitas famílias que não tem de onde tirar o sustento das suas casas, infelizmente.

A insensibilidade, e também a sensibilidade e solidariedade, ficaram ainda mais evidentes com a pandemia. Em março chegaremos há dois anos de medidas para evitar contágios e mortes, guerras por vacinas para proteger a população enquanto o Presidente da República e seus apoiadores apostavam na contaminação em massa (rebanho, dizem eles) que levou a mais de 600 mil vidas perdidas para a Covid-19. Imaginem os leitores se não existissem Celmas, Joões, Marias, Paulos, mulheres e homens que enxergam no outro a sua semelhança e estendem a mão que é necessária? Seria um caos interminável.

A união e solidariedade movem montanhas, você também pode ajudar este movimento

Por isso, ao parabenizar mais uma vez a dona Celma, as lideranças da Associação Força de Maria, Associação de Moradores da Serrinha e todos os voluntários anônimos que apoiam este gesto humanitário, fica o pedido para os leitores do Palavra Livre para que entrem em contato com Celma para multiplicar os apoios para o combate à fome e itens de primeira necessidade não só para a Servidão dos Lageanos, Serrinha, Maciço do Morro da Cruz, mas também para outras regiões carentes da capital Florianópolis. “A gente tem criado laços com as outras comunidades, e nos apoiamos para ajudar”, diz Celma.

Nós acreditamos, porque vimos com os próprios olhos a luta diária na comunidade por mais infraestrutura, saneamento, cultura arte e tudo o que é de direito aos seres humanos. Quer ajudar de alguma forma no combate à fome? Ligue ou mande uma mensagem de WhatsApp para 48 984761853 (Celma) e combine o que pode doar, fazer ou apoiar. Seu gesto pode salvar pessoas e minimizar sofrimentos!

  • fotos cedidas por Maria Lucelma de Lima

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

4 comentários em “Mãos estendidas que salvam vidas no Maciço do Morro da Cruz”

  1. Que orgulho termos em nossa comunidade almas voluntárias como D. Celma.
    Pessoas como estas são verdadeiros anjos entre nós.
    Parabéns! E obrigado por tudo!

  2. Luciane, obrigado por participar aqui no Palavra Livre, realmente a Celma é uma força humana que muda as coisas por onde passa. Tenha a certeza que existem mais Celmas sim, mas escondidas, e fazendo o bem, senão estaríamos bem pior… O povo é bom, suas lideranças é que deixam a desejar. Abraço!

  3. O trabalho da dona Celma é excepcional.
    Quisera termos mais pessoas com a vontade de fazer o bem em nosso País.
    Parabéns.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.