Resultado da licitação de publicidade da Prefeitura de Joinville será alvo da oposição na Câmara

Após a malfadada tentativa de ajudar empresas do transporte coletivo com R$ 7,5 milhões para compensar perdas com a pandemia, que teve uma gritaria geral da população, a Prefeitura de Joinville acaba de homologar o resultado da licitação de publicidade e propaganda da administração pública – Concorrência Pública 01/2019 – para quatro agências. O valor: R$ 18,5 milhões para aplicação durante 12 meses, pouco mais de R$ 1,5 milhão mensais. As quatro agências são Mágica Comunicação (R$ 10 milhões), JSMax (R$ 3 milhões), SuperNova Consultoria Empresarial e Publicidade (R$ 2,5 milhões) e D’Araújo Comunicação (R$ 3 milhões).

A oposição na Câmara de Vereadores já colocou lupa para verificar de perto o processo, que segundo o grupo, foi homologado e assinado em prazo recorde, e assinado pelo agora ex-secretário de Comunicação, Marco Aurélio Braga, que deixou o cargo para ser o coordenador da campanha do MDB, do deputado Fernando Krelling, à Prefeitura. Outro detalhe que apontam é que o atual governo está em final de mandato, e a contratação das agências foi feita no apagar das luzes em momento pré-eleitoral. Em meio a obras inacabadas, uma pandemia que colocou Joinville como epicentro da doença com falta de leitos, medicamentos, surto de dengue, o governo de Udo Döhler (MDB) priorize gastar milhões em propaganda e publicidade, quando a prioridade é a saúde da população.

Empréstimo da Cia. Águas de Joinville
Ao mesmo tempo em que cria a despesa de R$ 18,5 milhões para uso em propaganda do Governo, a Prefeitura acaba de ver aprovado na Comissão de Finanças da Câmara de Vereadores três projetos que juntos formam um empréstimo de R$ 50,3 milhões para a Cia. Águas de Joinville usar em saneamento básico e rede de água em alguns bairros (PLC 63, 64 e 65/2020).

Ou seja, quase 20% dos valores de empréstimo serão utilizados para propaganda, enquanto a dívida ficará para ser paga pelos contribuintes e seus impostos. A conta de propaganda da Águas de Joinville ficou com a D’Araújo Comunicação de Florianópolis no valor de R$ 3 milhões anuais, a mesma agência que tradicionalmente atende a empresa Döhler, e fez as campanhas do Prefeito nas duas eleições (2012-2016). A oposição vai verificar a fundo a legalidade dos atos em relação aos trâmites e a legislação eleitoral.

Realmente, é de se questionar o que é prioridade para a Prefeitura de Joinville, o combate ao Covid-19 e defesa da saúde da população, ou propaganda de governo? A contaminação se alastra rapidamente, com aumento de mortes, deixando tristeza e medo, e esta é a verdadeiramente a prioridade da população. Vamos ver os próximos capítulos desta nova polêmica na maior do estado. Abaixo seguem os dados da homologação dos contratos da propaganda da Prefeitura de Joinville:

“O Município de Joinville leva ao conhecimento dos interessados o resultado do  julgamento das propostas da Concorrência Pública Nº  01/2019, destinada à seleção e contratação de agências de publicidade e/ou propaganda, para a prestação de serviços de propaganda e publicidade, por lotes, para a administração direta e indireta. Após análise dos documentos da proposta técnica, a Comissão proclama o resultado, por lote.

Com uma verba anual de R$ 18.500.000,00, a Prefeitura de Joinville será atendida pelas empresas abaixo. Os contratos já estão assinados e seus respectivos lotes e valores você conhece a seguir:

Mágica Comunicação Ltda Epp
Lote 1
Função Estratégica
Verba: R$ 3.500.000,00

Lote 2
Saúde, SAS e Sehab 
Verba: R$ 2.000.000,00

Lote 4
Cultura, Rádio, Turismo e Esporte
Verba: R$ 3.000.000,00

Lote 6 
Seprot, Detrans e Sepud
Verba: R$ 1.500.000,00

JSMax
Lote 3
Educação e Sama 
Verba: R$ 3.000.000,00

Supernova Consultoria Empresarial e Publicidade Ltda ME
Lote 5 
Infraestrutura 
Verba: R$ 2.500.000,00

D/Araújo Comunicação Ltda
Lote 7
Saneamento Básico
Verba: R$ 3.000.000,00

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.