Alinhamento incondicional de entidades ao Governo Udo pode provocar racha em Joinville (SC)

O Palavra Livre recebe centenas de informações das fontes mais diversas. E sobre inúmeros temas e assuntos. Esta informação de que empresários da maior cidade de Santa Catarina estão em crescente descontentamento com a inércia e falta de posicionamento das Entidades Empresariais frente aos recentes decretos e decisões da Prefeitura de Joinville, indica um racha de proporções imprevisíveis caso a situação perdure.

As fontes ouvidas pelo Palavra Livre dizem a razão do imenso descontentamento: o comprometimento exacerbado das diretorias dessas entidades com Udo Döhler, o atual prefeito em fim de mandato. Este grupo importante de empresários diz que este posicionamento engessa qualquer tentativa de pressão para mudanças em favor de empresários que passam por enormes dificuldades. Este movimento – sim, é um movimento já – está pressionando por um posicionamento das Associações que os representam.

Na sexta-feira (31/8), após a notícia de que a Prefeitura estaria enviando projeto de lei para contemplar as empresas de transporte coletivo Transtusa e Gidion com R$ 7,5 milhões para “ajudar” ambas a enfrentar a crise foi a gota d’água em um copo que transborda há bastante tempo. Apenas a Ajorpeme lançou nota contra a última decisão do prefeito Udo Döhler (MDB) em dar subsídios para as empresas de ônibus. Após intensa repercussão negativa na população, o projeto de lei foi retirado, não sem colocar a culpa no “não entendimento do projeto por parte da sociedade”.

Até comunicados em nome das entidades empresariais a favor de decretos de combate à pandemia – considerados ineficazes e tímidos por parte deste movimento empresarial descontente – são duramente criticados. Eles não se consideram ouvidos, sentem-se abandonados por este grupo que está sempre alinhado ao prefeito Udo, sem contestações. O que já era uma epidemia no associativismo de Joinville (SC) deve passar ao estágio de pandemia, causando mudanças drásticas e importantes nestas asssociações empresariais como ACIJ, CDL, Convention Bureau e outros. “Novos tempos virão”, avisam os empresários.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

2 comentários em “Alinhamento incondicional de entidades ao Governo Udo pode provocar racha em Joinville (SC)”

  1. Aurea, obrigado pela mensagem. É uma situação muito delicada e que merece prioridade dos poderes públicos, todos precisam sobreviver. Grato pela deferência ao Palavra Livre com sua leitura!

  2. Brilhante a sua observação e consequente narração do tema !
    Uma maioria de pequenos empreendedores e também os que se reservam de jogos políticos para seu próprio benefício, encontram-se totalmente desprotegidos de quaisquer recursos legais e nenhum apoio para enfrentar tamanha situação. Onerados com a falta de comprometimento dos governos, penam com a falta de transporte para seus funcionários que restaram, nenhum refresco nos impostos, onerados pelos processos decorrentes das inúmeras restrições, se arrastam na incerteza desta tentativa de meramente sobreviver !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.