Tijucas (SC) lança a campanha “Quarentena sem Violência”

Diversas autoridades de saúde nacionais e internacionais têm apontado a casa como um dos ambientes mais seguros em tempos de pandemia de Covid-19 e certamente a forma mais eficaz para conter o avanço do vírus. Entretanto, para muitas mulheres, vítimas de violência doméstica, ficar em casa certamente não é sinônimo de estar protegida.

Segundo o Observatório da Mulher contra a Violência (OMV), vinculado à Secretaria de Transparência do Senado, os casos de violência doméstica contra as mulheres têm aumentado significativamente nos últimos meses. Um dos motivos apontados para o uso da violência é a maior permanência das mulheres na convivência com os agressores.

A Administração Municipal de Tijucas, por meio da Secretaria de Ação Social e Direitos Humanos, juntamente com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), lança nesta segunda-feira (13) uma campanha de conscientização, auxílio e incentivo a denúncias de casos como estes: “Quarentena sem Violência”. Uma ação que integra o projeto “CRAS em tempos de Pandemia”, que objetiva dar continuidade às ações do CRAS, considerando as medidas de segurança sanitária e mantendo os acompanhamentos de forma remota.

“Se você estiver vivenciando uma situação de violência doméstica ou sabe de alguém que está enfrentando este tipo de problema, além de ligar para a Central de Atendimento à Mulher através do número 180, procure orientações e auxílio junto a nossa secretaria. A denúncia pode ser feita de forma anônima. Você não está sozinha, estamos juntos nessa causa! Basta de violência contra a mulher”, afirma a secretária de Ação Social e Direitos Humanos de Tijucas, Bianca Machado.

Onde denunciar a violência contra mulher:

Disk Denúncia: 180

Ministério Público (Comarca de Tijucas): (48) 3641 – 3802

CREAS – Tijucas: (48) 3263-5756

Números do Brasil e do Mundo
Pesquisas revelam que a cada 10 mulheres vítimas de feminicídio, sete (07) são mortas dentro dos seus lares. Uma em cada três mulheres em todo o mundo já sofreu violência física e/ou sexual, mas “é provável que esta crise piore como resultado da pandemia” do novo Coronavírus (Sars-CoV-2), aponta um relatório divulgado em abril pela ONU Mulheres, entidade da Organização das Nações Unidas para igualdade de gênero e empoderamento.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos informou que a quarentena gerou um aumento de quase 9% no número de ligações para o canal Ligue 180, que recebe denúncias de violência contra a mulher: entre os dias 1° e 16 de março, foram 3.045 ligações e 829 denúncias; já entre os dias 17 e 25 de março, esses números saltaram para 3.303 e 978, respectivamente.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.