Palavra Poesia – “Despidos ou Corrompidos”

Prá não dizer que não falei de arte, cultura e literatura, aqui no Palavra Livre é lugar sim para a divulgação da produção literária de veteranos, aprendizes, jovens autores, quem desejar ver seu texto publicado para compartilhar nas inúmeras redes sociais existentes. Como já expliquei várias vezes, este espaço recebeu o nome Palavra Livre para que não se tenham amarras, e sim, que possamos noticiar, debater, informar, divulgar todos e quaisquer temas.

Esta semana voltamos então a publicar a produção literária fruto da convivência na Confraria do Escritor, projeto nascido e muito vivo na cidade de Joinville (SC) que gerou uma nova leva de autores e inclusive uma Associação, a Associação das Letras da qual este editor foi fundador e depois diretor de comunicação. De lá vem a poesia título deste post de autoria de Edmundo Alberto Steffen. Ele aproveita o momento atual que vivemos de intenso debate político insanidades e alia este seu sentimento e se inspira em letras de grandes músicas brasileiras (descubra quais!) para produzir a provocativa poesia que segue abaixo:

Despidos ou Corrompidos – Autor: Edmundo Alberto Steffen (*)

Não quero lhe falar meu grande amor
Das barbáries que vejo na rua
Quero me despir da impureza do mundo
Conversa contigo completamente nua

Vestidos apenas da arte
Conversando sobre literatura
Pois a realidade não existe mais
Tornou-se muito dura

Cores de roupas simbolizam guerra
Uma polarização não mensurada
Quero me despir das cores do ódio
Estar vestido apenas da minha palavra

Mas a palavra, do que vale?
Não acreditamos mais em fatos
Não são mais belas as verdades
Essas, se tornaram trapos

Bebados vestidos de vermelhos
Equilibristas levando a cor da pátria
Ambos olhando para um espelho
Sem vidro, sem psiquiatra

Paixões pulsantes por um lado
Deixando os sãos encurralados
O bêbado me chama de fascista
Não entendendo o peso do que fala
O equilibrista me chama de comunista
Carregando sangue vermelho em sua mala

O equilibrista luta para apoiar
Tentando de todas as formas mascarar
Chega a dizer “não foi bem isso que ele disse”
Enquanto seu líder aplaudia aquele
Que fez chorar Maria e Clarice

Escolhem lados de uma mesma laranja podre
Que apenas tem seus gomos de cores diferentes
Continuamos nos degladiando em redes sociais
Assistindo a morte de tanta gente

  • Edmundo Alberto Steffen nasceu em Joinville-SC, no dia 13 de outubro de 1997, cursou Ensino Fundamental na rede municipal de ensino da mesma cidade, Ensino Médio no Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari e atualmente é estudante de Filosofia da PUCPR em Curitiba. Autor do livro “Poesias aos Ventos”, escreve poesias, textos e análises sobre cinema e literatura em seu Instagram “ @edmundo.steffen “ .

Que a produção literária e crítica de Edmundo inspire muitos outras pessoas a ler mais e produzir poemas, crônicas, contos, romances, letras de músicas, muita arte para que nosso país evolua. Tá precisando muito. Parabéns Edmundo, siga criando! E você que lê este post, fique à vontade para enviar o seu texto, porque aqui, a Palavra é Livre.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.