Outro escândalo: Audi admite que 2,1 milhões de veículos estão com emissão de poluentes adulteradas

A Audi adiantou hoje (28) que 2,1 milhões dos seus veículos a diesel em todo o mundo estão equipados com o software que falsifica os resultados dos testes anti-emissões, concebido pela empresa-mãe Volkswagen.

Só na Alemanha, 577 mil veículos foram afetados e nos Estados Unidos 13 mil carros, adiantou um porta-voz da Audi à agência de notícias France Presse.

A Volkswagen provocou na semana passada indignação mundial quando admitiu que 11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com os chamados dispositivos de descativação, que ativam controles de poluição durante os testes, mas automaticamente os desligam quando o carro está em condução.

O escândalo manchou o nome da Volkswagen, deixando-a exposta a bilhões de dólares em multas nos Estados Unidos, com investigações ocorrendo desde a Noruega até a Índia, e que desvalorizou a empresa em um terço do seu valor na bolsa, em uma semana.

Na última sexta-feira (25), após uma maratona de reuniões de crise, o Conselho de Supervisão da líder de mercado mundial de automóveis designou o presidente da Porsche, Matthias Mueller, para substituir Martin Winterkorn como presidente executivo do grupo alemão.

As autoridades alemãs estabeleceram um cronograma até 7 de outubro para que o grupo Volkswagen garanta que todos os seus carros a diesel cumpram as normas nacionais de emissões, sem usar a tecnologia que fraudou os resultados.

Na sessão da bolsa de valores da Alemanha de hoje, as ações da gigante do ramo automobilístico continuavam a deslizar quase 7%.

Com informações da Ag. Brasil e Ag. de Notícias

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.