Justiça sueca arquiva parte do caso contra o fundador do Wikileaks

O Ministério Público da Suécia anunciou hoje (13) que arquivou o processo em que o fundador do Wikileaks, Julian Assange, era acusado de agressão sexual por duas cidadãs suecas. O motivo do arquivamento foi a prescrição dos crimes alegados. Um outro processo, no qual Assange é acusado de violação, ainda está aberto e só prescreve em agosto de 2020.

“Julian Assange manteve-se voluntariamente longe da Justiça e se refugiou na embaixada equatoriana em Londres. Passado o prazo de prescrição de algumas das acusações, vejo-me obrigada a suspender a investigação”, afirmou a procuradora Marianne Ny, em comunicado divulgado em Estocolmo. Sobre a acusação de violação, “o inquérito preliminar prossegue”, acrescentou.

Assange está refugiado na embaixada do Equador no Reino Unido desde junho de 2012, depois de esgotados todos os recursos que apresentou contra o mandado de detenção da Suécia emitido em novembro de 2010.

O australiano, de 44 anos, nega as acusações e se recusa a ir para Estocolmo, por temer ser extraditado para os Estados Unidos, onde querem julgá-lo pela divulgação de milhares de documentos diplomáticos e militares confidenciais.

Assange e a procuradora Ny acusam-se mutuamente por não ter havido, até o momento, nenhuma audiência. “Desde o início, eu propus soluções simples: venha à embaixada e recolha o meu depoimento ou prometa não me extraditar para os Estados Unidos. Essa funcionária sueca recusou as duas. Recusou inclusive um depoimento por escrito”, afirmou Assange em comunicado.

O australiano disse-se “extremamente desiludido” por não poder dar a sua versão dos fatos e reiterou que as relações sexuais com as suecas que o acusaram foram consentidas.

A procuradora afirmou, no entanto, que Assange tem se recusado a responder às convocações da Justiça sueca. “Desde o outono de 2010 que tento obter uma audiência com Julian Assange, mas ele sempre se esquivou.”

Com informações da Ag. Brasil

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.