Ucrânia fecha espaço aéreo e classifica ação da Rússia como “guerra”

ucrania

O presidente interino da Ucrânia Alexander Turchinov anunciou neste domingo que o país fechou seu espaço aéreo aos aviões não comerciais. “Caso ocorra um ataque das forças russas, ele será considerado uma agressão”, disse hoje em entrevista coletiva no Parlamento.

Na mesma entrevista coletiva, o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk classificou a movimentação da Rússia como “uma declaração de guerra”.

Anders Fogh Rasmussen, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), afirmou hoje que a movimentação da Rússia “ameaça a paz e a segurança da Europa” e o país deve “cessar suas atividades e ameaças” na Ucrânia. A declaração foi dada antes dele iniciar uma reunião de embaixadores dos 28 países da organização para debater a situação ucraniana.

Tensão russa

A decisão de fechar o espaço aéreo vem no momento em que caminhões militares russos avançam pela estrada até Simferópol, capital da república autônoma da Crimeia, desde a cidade de Sebastopol, base da Frota do Mar Negro russa.

“O comando russo das tropas na Crimeia lançou um ultimato às forças ucranianas para que antes das 5 horas (meia-noite no Brasil) de hoje entregassem suas armas e abandonassem suas unidades”, afirmou Turchinov. As unidades militares teriam sido bloqueadas pelos russos. Os soldados ucranianos não ofereceram resistência e não houve ataque, disse o presidente interino do país.

O presidente russo Vladimir Putin desafiou pedidos de países ocidentais para recuar da invasão. Segundo ele, a Rússia tem o direito de proteger seus interesses na população de fala russa da Crimeia e de outras partes da Ucrânia.

Ocidente se mobiliza

Há poucas opções para os governos ocidentais para conter os movimentos militares russos. O Conselho do Atlântico Norte da Otan, responsável pelas decisões políticas, deve se reunir neste domingo com a Comissão Otan-Ucrânia.

Os Estados Unidos disseram que, em repúdio à invasão, suspenderão sua participação nos encontros preparatórios da reunião do G-8 marcada para  junho em Sochi, na Rússia. O papa Francisco também se manifestou, pedindo orações pela Ucrânia e instando a comunidade internacional a apoiar o diálogo no país.

A Ucrânia já convocou seus reservistas e despachou o Exército para defender as fronteiras. Na frente diplomática, o ministro das Relações Exteriores foi orientado a denunciar a Rússia por descumprir o Tratado de Amsterdã, que foi assinado em 1994 e garantia a proteção da soberania da Ucrânia.

Não há, porém, sinais de ataques a russos étnicos na Crimeia, onde Moscou mantém uma importante base naval.

Do Valor Econômico.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.