Debate final do julgamento do Carandiru fica para amanhã

mulherarrastadaNesta fase, 12 policiais do Grupo de Operações Táticas Especiais da Polícia Militar são acusados pela morte de dez detentos e pela tentativa de homicídio de três presos que ocupavam o quinto pavimento do Carandiru. Dois políciais envolvidos  morreram antes do julgamento. O massacre ocorreu no dia 2 de outubro de 1992, quando 111 detentos foram mortos durante uma ação policial destinada a conter uma rebelião.

Durante o debate, o promotor Eduardo Olavo Canto usou as duras horas e meia a que teve direito para atacar o argumento utilizado pela defesa de que os policiais não estiveram no quinto pavimento e que, portanto, não poderiam responder pelas mortes dos dez detentos que ali estavam. Para demonstar o contrário, o promotor leu trechos de depoimentos anteriores dados pelos policiais à Justiça Militar e à Polícia Civil, em que eles confirmaram ter estado no local.

O promotor admitiu um erro na denúncia feita pela Promotoria, e pediu que duas mortes de detentos, que foram imputadas aos policiais, fossem retiradas da denúncia porque uma delas foi provocada por arma branca e, a outra, ocorreu em outro pavimento. “Houve um erro da promotoria quando foi feita a denúncia”, admitiu o promotor. Com isso, os dez policiais passaram a responder por oito mortes e três tentativas de homicídio.

O advogado dos policiais Celso Vendramini disse que os militares não poderiam responder pelas mortes porque não estiveram no quinto pavimento e também porque não era possível individualizar as condutas, ou seja, dizer qual policial atirou e qual detento ele matou. Ele considerou a denúncia feita pelo Ministério Público contra os policiais “infundada e sem provas”.

O advogado defendeu a atuação dos policiais no Carandiru, dizendo, por diversas vezes, que lá só havia bandidos. Segundo ele, pode ter ocorrido excessos, mas seria difícil dizer qual policial teria se excedido na ocasião. “Organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas não deixam os policiais entrarem em confronto com os bandidos. Mas, e nós, população, como ficamos?”, disse ele, acrescentando: “Prefiro bandido morto que policial ferido”.

Depois dos debates, a defesa e a acusação terão mais duas horas para réplica e tréplica, que ocorrerão amanhã. Após isso, o conselho de sentença se reunirá para decidir se condena ou não os réus.

Do EBC,

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.