Cuidado com a “síndrome da Liga da Justiça”

homempresoaoposteCuidado com a síndrome da Liga da Justiça, ela pode afetar você!

Desde a divulgação do caso do jovem carioca espancado e preso ao poste por “justiceiros”, em função de pequenos furtos que efetuava, que casos como este não param de aparecer na mídia.

Outro fato que teve grande circulação e apoio nas redes sociais foi a carta destinada a nordestinos residentes no Vale do Itajaí, onde  moradores que se consideravam desrespeitados pelos nordestinos acreditaram estar no direito de ameaçar a vida destes imigrantes através de uma carta pública. Ainda em Itajaí, temos o caso do rapaz que foi pego ao tentar assaltar uma lanchonete, após ser espancado também foi preso ao poste.

Muitos fazem parte do coro que afirma que “bandido bom, é bandido morto”, tomam para si o direito de fazer justiça, decidir o que é justo ou não, tudo isso em uma fração de segundos, inflamados pelo ódio e sede de vingança. Estes encorajam ainda mais os que se acham no direito de punir, criando assim uma situação preocupante, para não falar alarmante.  Será que estamos de volta ao Código de Hamurabi? Olho por olho, dente por dente?

Antes que venham as acusações, não, isso não é uma tentativa de defender bandidos, mas sim de trazer a luz da razão às relações sociais. Obviamente sou a favor de punir quem comete crimes, entretanto, não tomo para mim esse direito. Temos que ter em mente que justiça é diferente de vingança.

A vingança pode até trazer algum sentimento de satisfação pessoal aos que se sentem lesados, mas infelizmente só faz aumentar a violência social e a intolerância. Fico temerosa que a situação se agrave, a “Liga da Justiça” pode se espalhar, podem pensar que têm o direito de educar nossos filhos e simplesmente espanca-los por estarem fazendo qualquer besteira própria de jovens.

Enfim, minha gente, cuidado com a síndrome da Liga da Justiça. Ela pode prejudicar você!

Você tem alguma opinião sobre o tema? Dê sua contribuição e faça um comentário.

Por Rebeka Futuro.

 

 

 

 

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.