Homem mais rico do país diz que contrata quem ‘cria problemas’

Atualmente o homem mais rico do país, Jorge Paulo Lemann, com patrimônio estimado pela Bloomberg em US$ 21,5 bilhões, diz que busca contratar gente “que cria problemas”, e não um “soldado” que obedece o que o superior comanda.

“A gente gosta de pessoas que têm iniciativas próprias, atingem resultados. Tem gente que fala muito, mas não faz, não acontece”, diz Lemann, que é um dos sócios do 3G Capital, que controla a Ambev, o Burger King, as Lojas Americanas e outras grandes empresas.

Ele participou nesta terça-feira (26) de um bate-papo realizado pelo site Na Prática, da Fundação Estudar (que ele também mantém).

Ele afirmou ainda que, hoje, os candidatos a uma vaga já chegam sabendo o que dizer. “Todo mundo que vem para a entrevista é escolado, sabe as respostas, vem preparado. O melhor mesmo é dar uma chance para botar para trabalhar, fazer algo, porque daí rapidamente se descobre quem é bom e quem não é.”

De acordo com o empresário, a cultura organizacional das empresas dele são “cópias” e uma “mistura” de coisas que ele e os sócios foram “vendo de vários lugares e misturando”.

As práticas de meritocracia, a cultura de dar uma parcela da empresa aos funcionários que se destacam para que as pessoas tenham a senso de serem donas, as avaliações constantes e operações com custos muito controlados foram classificados como não muito sofisticadas por Lemann. “São coisas simples”, ele afirmou.

Da Folha de São Paulo.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.