Trabalhadores rejeitam proposta patronal para o reajuste do Piso Salarial Estadual

A Comissão que representa os trabalhadores na negociação pelo reajuste do Piso Salarial Estadual rejeitou a contraproposta da classe patronal, que ofereceu apenas a inflação do período, ou seja, 5,72%. A pauta de reivindicação dos trabalhadores foi entregue aos patrões no dia 22 de outubro, com a proposta de equiparar o nosso Piso com o praticado no vizinho estado do Paraná. O encontro entre as partes aconteceu na tarde do dia 5 de novembro, na Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina) e foi a primeira rodada da negociação. A próxima rodada está marcada para 2 de dezembro, também na Fiesc.

O impasse no acordo não surpreendeu a Comissão dos Trabalhadores. Segundo o diretor sindical do Dieese e principal articulador nas negociações, Ivo Castanheira, era esperada uma contraproposta inviável por parte da classe patronal. “Vamos continuar negociando até chegarmos a um índice favorável”, afirma Castanheira. Ele também assegura a continuidade da coleta de assinaturas para o abaixo assinado de 60 mil adesões necessárias a um projeto de lei que tornaria o reajuste automático, sem necessidade de negociar todos os anos. “Queremos dialogar com as entidades patronais no sentido de construir uma política de reajuste automático”, enfatiza Ivo Castanheira. Além do Dieese, a Comissão de trabalhadores é formada pelos representantes das centrais sindicais CUT, Força Sindical, NCST, UGT e CTB, além da Fetiesc, Fecesc e Fetiaesc.

 

Fonte: Portal Economia SC.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.