PGE pede mandato de 13 deputados por infidelidade

O vice-procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, apresentou nesta quinta-feira (28) 13 petições no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar o mandato de parlamentares porinfidelidade partidária. Do total, oito são titulares, quatro são suplentes no exercício do mandato – podendo retornar à suplência a qualquer momento – e um é substituto afastado da Câmara desde dezembro do ano passado. Os casos não têm prazo para serem julgados pelo TSE.

Veja a lista dos deputados questionados pela PGE

Resolução editada pelo TSE em 2007 – depois referendada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano seguinte – estabeleceu que os mandatos pertencem aos partidos e não mais aos políticos eleitos. Foi a forma encontrada para diminuir o troca-troca partidário. A norma dá o prazo de 30 dias para as legendas questionarem os infiéis na Justiça. Passado esse prazo, os suplentes e o Ministério Público Eleitoral têm o mesmo período.

“O cargo não pode ser objeto de acordos, anuências (expressas ou tácitas) ou qualquer forma de negociação que retire da soberania popular o poder/direito de escolha que lhe é inerente”, afirmou Aragão nas petições. De acordo com o PGE, a infidelidade partidária quebra a relação de confiança a relação de confiança entre eleitores e os partidos políticos durante a campanha eleitoral.

Entre os questionados pelo Ministério Público Eleitoral estão os deputados Alfredo Sirkis (PSB-RJ) e Walter Feldmann (PSB-SP). Ambos participaram ativamente da criação da Rede Sustentabilidade, da ex-senadora Marina Silva. No entanto, como o TSE não autorizou o funcionamento do partido, os três acabaram encontrando guarida no PSB. A filiação ocorreu em 5 de setembro, último dia para quem quiser disputar as eleições de 2014.

Caso curioso envolve Francisco Aragão (PEN-RR). Inicialmente diplomado suplente pelo PSL, o deputado de Roraima assumiu o mandato como titular após a cassação pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RR) de Chico das Verduras (PRP-RR) por compra de votos. Permaneceu no cargo até 13 de dezembro do ano passado, quando o titular do cargo conseguiu reverter a condenação e retomar a posição. Após a eleição pelo PSL, Aragão passou pelo PSD e hoje está no PEN.

Francisco Aragão não é o único suplente questionado. No entanto, os outros – Deley (PRB-RJ), Luiz Nishimori (PP-PR), Paulo Henrique Lustosa (PP-CE) e Feldman – todos estão no exercício do mandato. Eles podem sair do cargo e perder todas as prerrogativas, como o salário de R$ 26,7 mil e as prerrogativas de parlamentar com a volta dos titulares ao cargo.

Fonte: Congresso em Foco.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.