Molina corria risco de morte em La Paz, diz Senador

O presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), disse na manhã desta segunda-feira (26) à Rádio Senado que o senador oposicionista boliviano Róger Pinto Molina tem direito a asilo político no Brasil porque estava sendo perseguido pelo governo do seu país e submetido a condições desumanas. O próprio Molina virá ao Senado nesta terça-feira (27) para relatar o drama que viveu durante 465 dias em um quartinho da embaixada brasileira em La Paz, depois de acusações mútuas entre ele e o governo de Evo Morales.

– O senador Molina estará à disposição da imprensa brasileira para responder a quaisquer questionamentos – anunciou Ferraço, ao ser ouvido pelo programa Conexão Senado. A entrevista coletiva do parlamentar boliviano está marcada para esta terça, às 15h, na sala 7 da Ala Alexandre Costa.

O líder da oposição desembarcou à 1h10 deste domingo (25) no aeroporto internacional de Brasília acompanhado por Ferraço. Ele deixou La Paz em um carro da embaixada brasileira e viajou 1.600 quilômetros até Corumbá (MS), por autorização do chefe de chancelaria, ministro Eduardo Saboia, que substitui temporariamente o embaixador Marcel Biato.

Molina denunciou o envolvimento de autoridades bolivianas com o narcotráfico e é por elas acusado de corrupção e crime ambiental. Ele estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia desde 28 de maio de 2012, em condições psicológicas muito ruins.

–  Quando recebi o comunicado do ministro Eduardo Saboia de que Molina corria o risco de vida, não tive efetivamente outra iniciativa, porque não sei ser omisso quando um semelhante passa por uma dificuldade como essa.  Foi um ato de solidariedade humana – contou o parlamentar brasileiro.

Em nota divulgada no domingo, o Ministério das Relações Exteriores informou que abrirá inquérito para apurar a saída de Molina, e tomará as medidas administrativas e disciplinares cabíveis. O governo boliviano também informou que irá apurar o caso.

Crise

Na opinião do senador pelo Espírito Santo, as autoridades diplomáticas bolivianas e brasileiras estão fazendo “tempestade em copo d’água”. Ele lembrou que durante reunião da Cúpula Mercosul realizada em julho, os presidentes dos países membros do bloco regional aprovaram um documento determinando que os estados membros não podem “impedir a implementação” do direito de asilo.

– Asilo político é ato de soberania nacional. O  governo federal concedeu asilo político [a Molina] há mais de um ano. O que é inexplicável é que o governo da Bolívia não tenha concedido salvo-conduto para que ele pudesse deixar o país. Por isso eu não vejo razão para crise. A crise se daria se esse senador, em profunda depressão, pudesse definhar e morrer na embaixada – argumentou o presidente da CRE.

A comissão deverá em breve ouvir o ministro Eduardo Saboia sobre o assunto.

Corinthians

Ferraço já havia visitado Molina em março, quando foi à Bolívia verificar a situação de torcedores do Corinthians presos no país após incidente em jogo da Taça Libertadores da América. Conforme o senador brasileiro afirmou na ocasião, os torcedores – que já retornaram ao Brasil – estavam sendo “objeto de barganha política” por parte do governo da Bolívia, em virtude do asilo concedio a Molina pela Embaixada do Brasil.

Os torcedores corintianos foram presos na cidade de Oruro após a morte do torcedor Kevin Espada, de 14 anos, atingido por um sinalizador durante jogo do Corinthians contra o San José, em 20 de fevereiro.

Do Senado Federal

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.