Perfis: Elpídio e Leontina, 69 anos de amor e união

Elpidio Borba era grande violeiro, e sendo assim, tocava por toda parte. Certo dia saiu para o Terno de Reis na localidade de São João do Itaperiú em Barra Velha. A caminhada com o grupo encerrou ao se deparar com uma bela ruiva que lhe encantou. Seu nome? Leontina Gonçalves. Foi amor à primeira vista. O Terno de Reis perdia um músico e um casal apaixonado se formava a partir daquele encontro. “Eu tinha 16 anos, ele 24. Ele ficou amoitado por ali”, conta dona Leontina, 87 anos comemorados no dia da entrevista (22/6) olhando carinhosamente para seu marido Elpidio, prestes a completar 94 anos em setembro.

Dessa união que chega há quase sete décadas, nasceram 15 filhos, dos quais 11 estão vivos: Juca, Irineu, Mario, Maria, Marli, Nair, Naza, Nice, Josué, Elias e Miriam, a caçula do casal com quem eles moram no bairro Santa Catarina. Dessa família gigante Elpidio e Leontina ganharam 33 netos, 12 bisnetos e até uma tataraneta de três meses que nasceu na Espanha, Annabely, de apenas três meses que eles ainda não conhecem. Como fizeram para criar todos os filhos? “Nós se unia bem (sic). No sítio a gente tinha lavoura, criação de gado, fazia farinha, goma para rosca. Vinha gente de longe buscar farinha e a rosca”, fala orgulhosa do trabalho e da forma com que manteve a família ao lado do esposo. “Ele era muito trabalhador. Não parava”, conta.

Elpidio só ouve a conversa. Está debilitado pela idade, a audição anda fraca. Mas ao ver os violinos que as filhas Miriam e Maria apresentam na mesa ele participa. “Fiz um prá cada filho”, fala sorridente. Leontina e as filhas destacam o trabalho artístico do marido e pai. E ele completou: “Um homem derrubou um sombreiro, aí peguei a madeira, que é boa e forte, e fiz. É mais firme”. A saúde que os preserva bem até hoje eles creditam à alimentação no sítio e ao trabalho, duro. Um ajudava o outro. Leontina costurava, fazia goma e ajudava Elpidio a fazer farinha, muito requisitada pelo sabor e cheiro inconfundíveis. A filha Maria lembra que o pai acordava pelas quatro da manha para trabalhar na produção. “O engenho era movido pelos bois. Eu o acompanhava. Gostava. Tenho saudades daquele tempo”, diz.

Maria, que tem 60 anos, afirma que nunca viu o pai e a mãe brigarem em todos esses anos. Questionada, dona Leontina comenta que o diálogo era presente. “Sempre tem uma discussãozinha né, mas não é nada que não tenha jeito”, explica. Religiosos ligados à Assembleia de Deus há 55 anos, e morando em Joinville desde o final da década de 1960, o casal é aposentado. Ele como agricultor, ela como costureira. Não gostam de sair de casa, somente para ir à casa dos filhos. Um álbum mostra várias fotos, entre as quais das festas de 50 e 60 anos de casamento. As filhas avisam que já pensam na festa dos 70 anos em 2012, as bodas de vinho.

Hoje, 27 de julho, o casal completa 69 anos de um enlace cheio de amor em cada história e gestos de um para o outro. Quando Elpidio fez 60 anos, Leontina fez 60 bolos para a festa. “Eles gostavam muito de bolo. Era tanto que enfeitava a parede da casa. E tinha mais uma vara cheia de rosca, e mais beijú, cuscús”, relembra. A receita dessa longevidade e uniao contém muito trabalho, conversa, diversão, alegria, respeito com um toque final que dona Leontina resume em uma frase. “O amor. Só se vive assim, com amor um do outro né”, ensina sob o olhar do velho amado Elpidio. Que venham as bodas de vinho!

* Publicado na seção Perfil do Jornal Notícias do Dia em julho de 2011

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.