Incontinência urinária atinge pessoas de todas as idades

Quando se fala em incontinência urinária, ainda existe o mito de que o problema afeta somente as pessoas que chegam à faixa etária da terceira idade. De acordo com a Sociedade Internacional de Continência, a incontinência urinária, definida como qualquer perda involuntária de urina, atinge pessoas de todas as idades, com maior incidência após os 60 anos de idade e, normalmente, afeta mais mulheres do que homens.

Muitas mulheres têm a doença e não sabem. Acham natural a perda de urina no seu dia a dia e só procuram um especialista quando não conseguem realizar suas atividades normalmente.

Profissionais alertam que 26% das mulheres no período reprodutivo sofrem do problema, que exerce perda involuntária de urina da bexiga. O número se eleva para 30 a 40% no período pós-menopáusico. A doença traz sérias consequências à saúde física e psicológica.

Há inúmeras causas e fatores de risco que acarretam a doença, entre elas a genética, esporte de auto-impacto, constipação, obesidade, menopausa, traumas pós-partos vaginais e pós-operatórios, além do tabagismo.

Outras causas são cirurgias abdominais ou pélvicas, como, por exemplo, histerectomias e cirurgias de tumores do colón e reto. Algumas doenças neurológicas como AVC, traumas e tumores medulares também podem afetar o controle do sistema nervoso sobre a micção. No caso da obesidade, pode provocar aumento da pressão intra-abdominal, que é transmitida para a bexiga.

Durante muitos anos a cirurgia foi a única opção de cura. Hoje, o tratamento conservador – fisioterapia e terapia comportamental – tem assumido um importante papel na reabilitação destes pacientes.

Estudos mostram que o que mais afeta as mulheres com a incontinência urinária é o convívio social, causando o desconforto, o que interfere negativamente na qualidade de vida, podendo levar à diminuição da frequência de atividade sexual, depressão e neurose.

O paciente incontinente não tem que aceitar a incontinência como um modo de vida, e nem aprender a conviver com ela. O primeiro passo que as pessoas incontinentes devem dar é admitir que o problema existe e, em seguida, procurar ajuda médica para solucioná-lo.

Portal Terceira Idade

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.