Comunidades indígenas do sul e sudeste ganham curso de licenciatura

Cento e vinte calouros das etnias guarani, caingangue e xoclengue, oriundos de territórios de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Espírito Santo acabam de ser recebidos na Universidade Federal de Santa Catarina — até então, o Sul e o Sudeste eram as duas regiões do País sem cursos de licenciatura específicos para povos indígenas. Atualmente, três mil professores indígenas estão em formação em 21 instituições públicas de educação superior no Brasil.

A maior parte desses calouros já ministra aulas nas comunidades. Há 12 mil professores indígenas em todo País, desses, três mil em formação e outros dois mil já formados. A formação específica prevê avanços, como a alfabetização bilíngue — inicialmente, no idioma indígena e depois, em português.

A criação dos cursos específicos é uma das diretrizes do Programa de Formação Superior e Licenciatura Indígena (Prolind) do Ministério da Educação. O curso dura quatro anos e o custo individual por aluno é de R$ 4 mil ao ano. A meta é formar sete mil professores nos próximos seis anos.

Pelo Prolind, as universidades oferecem a infra-estrutura e ao MEC cabe garantir o acesso dos estudantes às salas de aula, além das acomodações. Outro benefício direto é a produção de material didático pelos próprios indígenas. Já foram publicados 88 títulos e outros 85 estão prontos para a impressão. A formação ocorre em períodos alternados. Os indígenas vão à universidade para o período letivo e retornam às comunidades, onde realizam estudos orientados, estágios e projetos de pesquisa, entre outras atividades.

Fonte: Em Questão

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.