Novos negócios nascem do lixo tecnológico

lixo tecO crescente volume de lixo tecnológico, como celulares, computadores e televisores descartados pelos consumidores está movimentando um novo negócio: fábricas que desconstroem equipamentos para recolocar as matérias primas no processo industrial, a chamada manufatura reversa. O segmento começa a ser visto como promissor – vários Estados, como São Paulo, estão criando leis que obrigam os fabricantes a darem destino correto aos eletroeletrônicos ao fim de sua vida útil.

Por ser ainda incipiente, não existem estatísticas precisas sobre o quanto essa indústria movimenta. Mas ela difere dos sucateiros de fundo de quintal, que desmontam equipamentos para retirar apenas os metais preciosos, como ouro e prata, presentes nas placas de computadores. “As empresas que estão se estabelecendo nesse mercado oferecem um serviço especializado e em conformidade com leis ambientais. Não competem com os catadores das ruas”, diz Diógenes Del Bel, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tratamento de Resíduos (Abetre), entidade que reúne algumas dessas companhias.

A desmontagem dos equipamentos visa aproveitar as matérias primas. Componentes como metais e plásticos são separados e vendidos à indústria, por preços que variam conforme o vai e vêm das commodities. Mas o Brasil ainda não tem parque tecnológico para recuperar baterias de celulares e placas de computadores, que são enviados para países como China, Japão, Estados Unidos e Alemanha para serem totalmente reaproveitados.
Este ano, o País deve vender 12 milhões de computadores, 47 milhões de celulares e 9 milhões de televisores, segundo estimativas da indústria. É difícil calcular o tempo de obsolescência dos equipamentos, mas a iminência de uma lei nacional que obrigue os fabricantes a dar destino à sucata já traz boas perspectivas para as empresas.
A Oxil, empresa de manufatura reversa com sede em Paulínia (SP) e filial em Salvador já sente o aumento da demanda. “O número de equipamentos recolhidos mais que dobrou do ano passado para cá”, diz Akiko Ribeiro, diretora executiva da Oxil. São recolhidos por mês 40 toneladas de equipamentos eletrônicos e 4 mil geladeiras. Para dar conta da demanda, a empresa precisou ampliar em seis vezes o quadro de funcionários: passou de 10 empregados, há um ano, para cerca de 60.

Fabricantes de informática, como a Itautec, também estão de olho nesse mercado. Segundo João Carlos Redondo, gerente de sustentabilidade da Itautec, este ano a demanda por reciclagem tem sido maior que em 2008. No ano passado, a empresa destinou 469,97 toneladas de equipamentos para a reciclagem, o que corresponde a menos de 10% da renovação de equipamentos pelos clientes da Itautec.

A empresa conta com uma área de gestão ambiental de 715 metros quadrados em Jundiaí, onde chegam os equipamentos para a separação do material, que é enviado a terceiros. “Nesse lugar, separamos plástico, cabeamento, placas e metais”.

A venda de material cobre somente 72% do custo da reciclagem. Um dos itens mais caros para a reciclagem são os tubos dos monitores, a um custo de R$ 500 por tonelada. “Se fôssemos mandar o material para o aterro, esse custo seria de R$ 90”, disse o executivo. O vidro dos cinescópios é descontaminado e reaproveitado para produção de cerâmica.

A maior parte do material é reciclado no Brasil. A exceção são as placas, que são enviadas para a Bélgica e para Cingapura. “O investimento em uma planta local, com capacidade de 25 mil toneladas/ano, ficaria em cerca de US$ 5 milhões”, afirma Redondo. “O Brasil já comportaria uma instalação dessas, mas ainda ninguém se interessou em investir”.

Reciclavéis

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.