Argentina aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo

Nossos vizinhos argentinos acabaram de aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.Segue a notícia abaixo. Nós gostariamos de saber dos nossos leitores sua opinião. Porque ser contra? ou porque ser a favor? Afinal aqui a palavra é livre, comentem!

A Argentina tornou-se, na madrugada de quinta-feira, o primeiro país da América Latina – e o décimo em todo o mundo – a contar com uma lei que autoriza a união civil entre pessoas do mesmo sexo em todo o território nacional. A legislação, aprovada na Câmara de Deputados em maio, foi confirmada ontem no Senado, depois de 15 horas de duros debates. Do total de parlamentares, 33 votaram a favor da lei. Outros 27 senadores votaram contra. Três senadores abstiveram-se. O resto dos senadores ausentou-se da sessão, entre eles o ex-presidente Carlos Menem, outrora um aliado da Igreja Católica.

A lei provocou profundas divisões nas fileiras do governo e na oposição. Diversos senadores governistas opuseram-se às ordens da presidente Cristina Kirchner de votar a favor da lei. Na contramão, vários senadores de partidos da oposição votaram a favor do casamento homossexual.

Durante os debates, o senador Eduardo Torres, a favor do projeto, destacou com ironia que os setores do clero que realizaram campanha contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo “deveriam recordar que no Vaticano, o centro do catolicismo, os murais que decoram a Capela Sistina, entre elas “A criação de Adão”, foram realizadas pelo pintor Michelangelo ( ..), famoso por ser homossexual!”.

A senadora Sonia Escudero defendeu o rechaço à lei, argumentando que a família, “constituída por um homem e uma mulher” é a “pedra fundamental da sociedade”. No meio da madrugada, sob temperatura de zero grau Celsius, milhares de pessoas vinculadas às ONGs de defesa dos direitos humanos e grupos de militância homossexual celebraram a aprovação segundos após a aprovação da lei no Senado.

A poucos metros dali, três dezenas de integrantes de grupos católicos choravam e xingavam os senadores enquanto seguravam imagens da Virgem Maria e rosários. Várias dessas pessoas profetizaram o “apocalipse iminente”, decorrente do “castigo divino” que cairia sobre a Argentina por causa da aprovação da lei. Dois dias antes da votação, o cardeal Jorge Bergoglio, primaz da Argentina, chamou o projeto de lei de “movimento do diabo” contra o qual era preciso declarar “a guerra de Deus”.

A presidente da Federação de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (LGBT), María Rachid, festejou a aprovação da lei. “É o reconhecimento da igualdade da lei para nossas famílias”, afirmou.

Informações do site:Gazeta Digital

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.