Alô Prefeitura de Joinville, o bairro Fátima pede socorro!!

Ruas intransitáveis, onde os buracos ocuparam o lugar das pessoas, das bicicletas e dos veículos. Lama quando chove, pó insuportável quando o sol resplandece. Parece o Haiti, a Somália, algum município minúsculo do agreste nordestino, mas não é não. Esse lugar é o bairro Fátima, zona sul de Joinville – a maior cidade de Santa Catarina – que fica a menos de cinco minutos do centro. Os moradores da rua das Acácias e várias outras que ficam localizadas no entorno dela estão indignados.

Há mais de um ano não aparece ninguém da Prefeitura de Joinville, e olha que tem até Secretaria Regional no bairro!, para pelo menos jogar um saibro bom, fechar os buracos. Mas na verdade o que eles querem mesmo é o retorno do seu IPTU, dos impostos que pagam ano após ano. Eles querem o asfalto que foi prometido (tinha até placa lá anunciando gente!) e até hoje ninguém sabe para onde foi parar… A falta de respeito com aqueles cidadãos trabalhadores é uma vergonha. Por favor, alguém da Prefeitura pode se manifestar? Ou vai ter que ter manifestação pública para aparecer alguém?

Vamos fazer fotos das ruas e apresentar aqui no blog. Aguardem…

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Um comentário em “Alô Prefeitura de Joinville, o bairro Fátima pede socorro!!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.