Fim da crise: pesquisa mostra otimismo das empresas de SC com 2010

Da colega Joana Carla Felício do Dieese recebo resultado de pesquisa e texto sobre ela que penso ser interessante repartir com os leitores do Palavra Livre. Como sempre, nossos empreendedores enxergam além da muralha e da cortina de fumaça. Leiam que vale a pena:

“Os reflexos da crise mundial já foram absorvidos pela maioria das empresas catarinenses, que estão priorizando investimentos em tecnologia e se mostram altamente otimistas em relação ao próximo ano. Esses são alguns dos resultados de uma pesquisa corporativa realizada pela Sociesc (Sociedade Educacional de Santa Catarina), junto a 332 empresários, executivos e profissionais liberais que frequentam cursos de pós-graduação da Sociesc/FGV em Santa Catarina. “Os entrevistados se mostraram otimistas para 2010. Isso mostra que a economia catarinense conseguiu superar as adversidades. Temos um modelo empresarial sólido, preparado para superar desafios ao longo de sua história”, destaca Fábio Alcântara, diretor de Novos Negócios da Sociesc e coordenador da pesquisa.

Comparações
Para 44% dos entrevistados, o ano de 2009 está sendo melhor que 2008, enquanto que 19% consideram que a situação permanece igual. O ano foi considerado pior por 37%, principalmente por causa da crise internacional.

Em relação a 2010, a situação deverá melhorar na avaliação de 73% dos entrevistados. 14% acham que a situação permanecerá a mesma, enquanto que 13% preveem um ano ainda com dificuldades.

Reflexos da Crise
A pesquisa mediu também os reflexos da crise internacional sobre o desempenho das empresas. 52% dos entrevistados julgam que a recessão internacional afetou os negócios de forma moderada, enquanto que 32% acham que ela atingiu a empresa mais intensamente. Um total de 4% afirma que a situação chegou a melhorar em relação a 2008.

Tecnologia é prioridade
Um total de 203 entrevistados afirmou que suas empresas não deixaram de investir em 2009, número que corresponde a 61% do total de respondentes. Entre eles, 25% informaram que os investimentos em tecnologia são os mais prioritários, enquanto que 21% disseram que a prioridade está no investimento em instalações. A área de recursos humanos foi apontada como prioritária por 20%. Marketing propaganda vem a seguir, com 17%. A lista de prioridades é completada com a aquisição de equipamentos, também com 17% das citações.

Entraves do Desenvolvimento
A Sociesc perguntou aos entrevistados quais os maiores obstáculos ao crescimento de suas empresas. A crise internacional foi apontada como a principal causa por 33%. Os demais 77% apontaram outras causas: impostos e burocracia (32%), falta de qualificação profissional (24%) e juros altos (13%).

Perfil do Público
Os 332 entrevistados integram o corpo de alunos dos pos-graducação da Sociesc/FGV nas cidades de Joinville, Blumenau, Itajaí, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul e Florianópolis. O grupo é formado por empresários, executivos, analistas, e profissionais liberais ligados aos setores de comércio (13%), serviços (40%) e indústria (47%). A pesquisa aconteceu durante as duas primeiras semanas de setembro.”

Fonte: Dieese

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.