Saúde mental do trabalhador precisa de mais atenção

Outra notícia importante vem do ABC paulista. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC está divulgando pesquisa que investiga o afastamento dos trabalhadores por conta de sérios problemas com a saúde mental dos seus companheiros. Depressão, hipertensão e outros transtornos estão na lista. Leia e conheça mais o assunto:

“Pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública preparam pesquisa entre os trabalhadores do País para entender a relação entre o trabalho e doenças crônicas como depressão, hipertensão e transtornos mentais.Levantamento nacional do Sesi, com 355 mil trabalhadores, mostrou que 40% apresentavam problemas de saúde, com um aumento considerável nesses tipos de doenças.

Para a medicina, tradicionalmente, doenças como hipertensão arterial estão ligadas aos hábitos desenvolvidos conforme o estilo de vida de cada um e resultam em formas diferentes de alimentação, falta de atividade física e consumo de tabaco e álcool, entre outras.

“Eles são importantes e influenciam. Mas, depois da reestruturação produtiva, não tivemos estudos sobre saúde do trabalhador, apenas pesquisas econômicas e sociológicas”, disse Eduardo Stotzos, pesquisador da Escola Nacional, vinculada à Fundação Oswaldo Cruz, no Rio.

Ele comentou que a pesquisa mostrará, por exemplo, a relação do estresse no trabalho com a hipertensão arterial. “Nas últimas décadas aconteceram várias inovações organizacionais na produção, introduzidas inclusive na indústria, com a redução de estoque e número mínimo de trabalhadores, que tornaram o processo produtivo mais tenso”, comentou o pesquisador.

O trabalhador agregou mais tarefas e hoje cuida da qualidade, manutenção e limpeza. A pausa encurtou, a carga de trabalho aumentou, o tempo ficou menor e a tensão cresceu. Antes, o trabalhador ocupava um posto físico, hoje ele é responsável por três ou quatro máquinas.

“O estresse depende das pressões psicológicas dentro da empresa e também do nível de autonomia que o trabalhador tem sobre a organização do trabalho, que é mínimo”, afirmou Stotzos.A pesquisa vai mostrar o quanto as mudanças nos processos de trabalho contribuem para o processo de adoecimento do trabalhador.

“Temos duas constatações. Uma, que o trabalhador está muito doente e, outra, que a competição entre os trabalhadores faz mal à saúde”, resume o pesquisador.”

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

2 comentários em “Saúde mental do trabalhador precisa de mais atenção”

  1. Os políticos não olham para essas barbaridades… acho que todo trabalhador passa por isso. É preciso denunciar, parabéns ao blog

  2. No Brasil isso é pouco olhado… a exploração continua, e nós pagamos a conta com a nossa saúde… parabéns por trazer a matéria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.