Agressões nas escolas é resultado de descaso geral

Está estampado hoje nos principais jornais de Santa Catarina e inúmeros blogs e sites noticiosos a agressão covarde a uma estudante dentro da sala de aula em Joinville. A violência foi tamanha que a garota teve traumatismo craniano, e isso que foram meninas, isso mesmo, mulheres que a agrediram e a mais uma colega. Não foi a primeira vez, nem será a última, em que estudantes brigam por qualquer coisa. A adolescência é uma fase difícil, complicada, onde a autoafirmação perante os demais é latente. Mas o que não se pode admitir é a omissão da direção escolar e das autoridades responsáveis pela educação, neste caso, do estado.

Após ser agredida, a menina procurou ajuda, mas pouco ou quase nada foi feito. Pior, ela teve de ser hospitalizada, enquanto suas agressoras retornaram à sala de aula tranquilamente. Ou seja, o crime compensa. Um empurrou para o outro a responsabilidade, e ninguém age para que essas situações não aconteçam mais, pelo menos na frequência em que ocorrem. Outra coisa que está faltando é o comando dos pais sobre seus filhos. Há um permissividade enorme aos costumes e ações dos filhos. Eles podem tudo em nome da nova forma de educar. Um erro grave que implica em uma sociedade em que o respeito é lixo, e onde a violência é a ferramenta para se resolver diferenças pessoais ou profissionais.

Está na hora de se rediscutir a forma como a sociedade deve tratar a sua juventude. Senão veremos mais violência, mortes e tristezas. É isso que queremos? 

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.