Crise já consumiu um décimo da riqueza mundial

Deu no site da Central Única dos Trabalhadores e mostra o quanto essa crise financeira mundial é perigosa para a estabilidade do mundo. O capitalismo está em crise, e esse modelo deve ser reformulado para que no futuro se evite que a maioria pague pelos erros de uma minoria egoísta, que pensa ser o dinheiro a única razão de viver. Veja a matéria: 

Desde abril, os governos já gastaram mais de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) global para irrigar a economia e salvar os bancos desde abril. Da semana retrasada pra cá, valor da ajuda dobrou e chega perto dos 5 trilhões de dólares (R$11 trilhões de reais).

O montante é equivalente a mais de três vezes o tamanho da economia brasileira e 32 vezes maior que o necessário para acabar com a fome no mundo. Há 15 dias essa mesma relação era de 16 vezes. Tirando Estados Unidos, Alemanha, Japão, Itália, Reino Unido e França, a dinheirama é maior que as economias dos demais países do mundo.

A maior ajuda de um governo aos especuladores foi a dos Estados Unidos. Os americanos colocaram 1,6 trilhão de dólares (R$ 3,3 trilhões) apenas em bancos, o dobro do que se imaginava no início da crise. Na Europa, os banqueiros terão 784,6 bilhões de euros (R$ 2,1 trilhões). Vale lembrar que esse dinheiro é público. Ou seja, dinheiro que as pessoas pagam aos governos na forma de impostos.

Mais protegida
Durante muito tempo considerada uma região indisciplinada em termos de endividamento, a América Latina aparece melhor armada contra a crise da agiotagem, depois de ter acertado suas contas e prevenido seus bancos contra os empréstimos de alto risco, que deram origem à crise.

A região é hoje um exemplo ao mundo por não ter cedido à folia dos empréstimos hipotecários (financiamento de imóveis) que limaram o setor bancário nos EUA e na Europa.

“É pouco provável que os países latino-americanos sejam atingidos pela bolha imobiliária”, afirmou Pablo Kornblum, professor de economia da Universidade de Buenos Aires. Segundo ele, as instituições bancárias foram mais prudentes em sua política de crédito e não concederam empréstimos a clientes com pouca capacidade de pagamento, nesta região caracterizada por fortes desigualdades. “Por seu passado desorganizado, a região limitou a aplicação dos seus recursos na ciranda financeira internacional, o que a preservou da contaminação atual”, segundo Kornblum.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.