Os vencedores

Muita gente já vai dizer: foi LHS. Não dá para negar que o senador, ex-deputado estadual e federal, ex-ministro, ex-governador, ex-prefeito por três vezes da maior cidade catarinense é um grande vencedor. Articulador exímio, faz política como poucos neste país no que tange a vencer eleições. Enxerga muito mais longe que todos os da cena política conseguem enxergar. Faz movimentos e toma decisões que deixa muitos atônitos, para ali na frente vencer. É o mestre da política catarinense, inegável, e não precisa de muitos comentários aqui. Quem não acredita na sua força política, está perdendo tempo. Além de LHS, o PMDB, o PDT, Mauro Mariani, são os vencedores deste pleito em Joinville e região.

Mas o grande vencedor foi Udo Döhler. O empresário vencedor é agora o político vencedor, e isso em sua primeira eleição. No dia em que completou 70 anos, comemorou a passagem da idade e a vitória retumbante sobre um político experiente, apesar de jovem, comunicador exposto na mídia há anos, e com base forte nas igrejas evangélicas, com mandatos de vereador e deputado, e mais, com duas disputas à Prefeitura!

Udo sempre esteve na política, mas nos bastidores. A passagem pela Fundamas foi há tanto tempo que não se pode contar como atividade em gestão pública. Forte mesmo ele agiu em grandes temas institucionais para a cidade, em vários momentos que nem é preciso citar aqui.  Suas aparições sempre foram moderadas, tipo eu falo, vocês escutam. Jamais participou de enfrentamentos diretos, debatendo frente à frente em rádios, tvs, sendo sabatinado em reuniões de bairros, nas ruas. Era perceptível seu desconforto em frente às câmeras no início da campanha. Mas com o trabalho competente do jornalista Marco Aurélio Braga, o amigo Marcão, e uma equipe competente de marketing, Udo Döhler foi rapidamente melhorando, se adaptando ao meio, e ao final, estava encarando Kennedy Nunes sem rodeios.

Além disto tudo, o peemedebista enfrentou novamente o que já tinha enfrentado há alguns anos: as denúncias de preconceito, assédio moral, maus tratos em sua empresa. Nos bairros foi utilizada à exaustão a sua origem alemã, que era nazista, grosseiro, e que não gosta de negros, e até vídeo feito pelo PT mostrando uma suposta mulher que teria sofrido os maus tratos foi utilizada na última semana da propaganda eleitoral. Ao que se vê, o efeito foi contrário,  e Udo chegou ao segundo turno. Apresentado como gestor desde o o início, e não como político profissional, ele conseguiu mostrar as diferenças entre ele e Kennedy, colando a sua fama de bom gestor, comandante de uma empresa e de um hospital de sucesso.

Com a estratégia de expor o seu adversário em suas contradições, Udo foi aos bairros com a militância peemedebista, e pela internet os discursos de Kennedy foram mostrados em profusão com as idas e vindas da opinião do deputado pessedista. Os vereadores eleitos agarraram sua candidatura e foram à luta, um deles, João Carlos Gonçalves, chegou a virar um dos âncoras dos programas. Vencendo a timidez, as dificuldades com o sotaque carregado, a tensão dos debates, Döhler foi construindo uma virada histórica, que se consolidou no domingo.  E a Udo Döhler, o Blog Palavra Livre dá os parabéns ao Prefeito eleito, desejando uma ótima gestão, para o bem da nossa cidade.

Outro vencedor destas eleições é o deputado federal Mauro Mariani. Derrotado em 2008 quando foi desconstruído como candidato por sua origem política de Rio Negrinho, Mariani calçou as sandálias da humildade e foi à luta, se elegendo o federal mais votado da história de Santa Catarina em 2010 superando o ex-governador Esperidião Amin. Ainda com essas sandálias, abriu mão de ser o candidato do PMDB em Joinville este ano, abrindo caminho para a estratégia que LHS e o partido desenharam.

Assim, o deputado percorreu novamente o estado e ajudou o partido a conquistar 107 prefeituras. O seu futuro agora poderá ser o Senado Federal ou até mesmo o Governo do Estado em 2014. Isso se o partido em nível estadual permitir, já que hoje o presidente é Eduardo Moreira, atual vice-governador com Colombo. Mauro mostra assim que às vezes é melhor dar dois passos atrás, para poder dar um salto mais à frente. Política é isso.

Quanto ao PMDB e o PDT, são os partidos que representam a aliança de forma mais clara, e que agora tomam rumos com um novo fôlego. O PDT, que fez parte do governo Carlito até abril deste ano, decidiu ser participante da chapa com Udo Döhler em uma disputa dura no diretório. Lançou o jovem advogado Rodrigo Coelho à Prefeitura, mas depois mudou a rota e apostou como vice do empresário. Deu certo, e certamente agora vai crescer com a presença nos escalões de governo.

O PMDB mostrou mais uma vez que é a maior força política da cidade. Fez história novamente partindo do zero, construindo um nome mês a mês, utilizando de inteligência e estratégia, mobilizações, reuniões, e na hora H, partindo para as ruas e bairros. Assim como foi com Pedro Ivo, Luiz Henrique, Wittich Freitag, LHS mais duas vezes, agora volta ao comando da Prefeitura de Joinville com a fama de desenvolvimentistas, das grandes obras. Udo é um novato no partido, e tem fama de não dobrar à pedidos e apelos que não sejam com base técnica e em razões de gestão produtiva. Vamos ver logo à frente como será esse casamento novo, e a amostra virá pela disputa na mesa diretora da Câmara de Vereadores.

Que esses vencedores façam bom uso da confiança dos eleitores joinvilenses, que apostaram no retorno de um gestor comprovado, um empresário bem sucedido, para comandar a Prefeitura. A cidade espera por mais saúde – maior promessa de Udo – mais infraestrutura em todos os aspectos (pontes, elevados, pavimentação, etc), mais presença da administração nos bairros. Este Blog vai estar atento. Aos vencedores, nossos parabéns.

Do Blog Chuva Ácida por José Antonio Baço – “Rodrigo Coelho, o novo velho político”

Não podia deixar de publicar aqui no Blog um texto interessantíssimo de José António Baço sobre política, uma comparação inteligente e aguda sobre um personagem que entrou na política joinvilense pela via do novo, e que…. leiam e saibam detalhes:

“O meu texto hoje é sobre o político Rodrigo Coelho. Mas em vez de ser eu a falar, deixo que seja ele próprio a se apresentar ao leitor-eleitor, através de statements ao longo dos últimos meses. O meu trabalho será apenas de “costurar” as fases da sua trajetória política mais recente.

O COMEÇO – É o momento em que Rodrigo Coelho insiste no slogan “Renova Joinville”. Já escrevi aqui que, de fato, não estaríamos a tratar de uma renovação, mas de um remoçamento. Parece que a diferença era apenas na idade das pessoas, porque em termos de ideias houve pouco em termos de novidade. Mas ele insistia em vender a imagem do novo, do diferente, do determinado. Seria candidato a prefeito, contra tudo e contra todos.


A TRANSIÇÃO –
Há uma coisa sintomática na velha política joinvilense. Qualquer observador mais atento percebe que quando um candidato começa a ir demasiadas vezes a certos programas de rádio, então o caldo está entornado. E Rodrigo Coelho foi tanto a um certo programa que mais parecia comentarista residente. Era apenas um sinal de que já se tinha rendido à velha forma (e põe velha nisso) de fazer política na cidade. Todos sabemos o que isso significa.

E chega o momento em que ele claudica. O chamado do poder parece falar mais alto. Há uma espécie de pré-aviso: vai haver uma mudança “estratégica”. Um sacrifício em nome de… sabe-se lá o quê. É o que poderíamos chamar de avanço para trás. Parece uma tentativa de convencer os seus apoiantes de que ele ia se render aos velhos poderes, mas tudo de uma forma calculada e em nome de valores mais elevados. Acredite…


NOVO VELHO –
E finalmente um tiro a queima-roupa na coerência. Rodrigo Coelho anuncia que vai ser o vice de Udo Dohler. Ou seja, um feito grandioso que conduziu o seu partido a um novo patamar da política:  deixou de ser um puxadinho do PT para ser um puxadinho do PMDB. E de puxadinho em puxadinho, um dia a casa cai. Aliás, parece que tem gente do PDT preferindo ficar no puxadinho do PT.


PARA PENSAR –
E, para terminar, alguns depoimentos do próprio Rodrigo Coelho sobre o que ele pensa da política. Para ler e refletir.

Por José António Baço, Blog Chuva Ácida – www.chuvaacida.info

Eleições 2012: política joinvilense não se renova e não empolga eleitores

Há menos de cinco meses das eleições municipais em todo o país, o atual cenário político novamente tomado por denúncias de corrupção, Cachoeiras, propinas, prisões preventivas, CPIs, cansam a sociedade brasileira. Some-se a esses fatos os aumentos auto-concedidos aos políticos, com supersalários e superestruturas de assessoria e manutenção pagas com dinheiro público, o que se vê é um marasmo total, um desencanto cada vez maior com a classe que deveria ser o esteio do progresso, do desenvolvimento e da moralidade. E isso, esse quadro atual, não é bom para a democracia. Tem gente até que chega a ter saudosismo dos tempos militares…

Em Joinville (SC), cidade natal e de moradia deste jornalista, de onde disparamos nossas ideias e críticas, o quadro não é diferente. Observando as últimas pesquisas  – diga-se de passagem, sem muito crédito e com base de amostra muito pequena – já dá para perceber que os candidatos a Prefeito terão muito trabalho para convencer os eleitores de que são merecedores do voto. Até porque não há renovação real no quadro político da maior cidade catarinense! Não há nada que empolgue o eleitor, nenhum projeto e líder capaz de catalisar as esperanças do povo.

Carlito Merss, atual Prefeito; Marco Tebaldi, ex-prefeito; Udo Döhler, eterno candidato; Kennedy Nunes ou Darci de Matos, também velhos na área; Doutor Xuxo, outro antigo no meio; Sandro Silva, ex-vereador que renunciou mandato; Rodrigo Coelho e Leonel Camasão, jovens mas com a mesma batida de bumbo de outras eleições, e outros menos votados. As opções do eleitorado joinvilense se esgotam rapidamente, porque tudo é mais do mesmo. Carlito Merss foi eleito com toda a esperança quatro anos atrás, mas deixou ela se esvair por entre os erros administrativos, a lentidão nas decisões e ações, e a falta de uma articulação política eficiente. Seu possível maior adversário, o ex-prefeito Marco Tebaldi, tenta voltar com roupa nova, mas ninguém esquece tão rápido do seu governo com tintas quase autoritárias, muitos erros e escândalos também.

Do PMDB surge o “novo” Udo Döhler. O empresário tem um histórico de ameaças de disputas, nunca concretizadas. Mas de novidade ele não tem nada também, até porque sempre esteve agindo na Acij e nos bastidores políticos, ao lado de LHS. Kennedy Nunes e Darci de Matos também são figuras carimbadas, o primeiro com a marca da demagogia, e o segundo por estar na cena há décadas, sempre no poder, e com uma tentativa frustrada a Prefeito em 2008. Ambos deputados, não se tem notícia de algo concreto na luta pela cidade, que ainda espera do atual governo estadual as obras que merece por ser o motor de SC. Já o doutor Xuxo é da família Vieira, famosa na política que já teve seu irmão como deputado federal, José Carlos Vieira, que sempre estão no meio tentando manter espaços importantes para negociação. Rodrigo Coelho, advogado, Leonel Camasão, jornalista, e Sandro Silva, esse ex-vereador após renunciar – isso mesmo, renunciar! – ao mandato de vereador para ser diretor do Deter em Florianópolis, carecem de juventude também nas suas propostas. Não adianta ser jovem, em idade apenas, têm de ser novidade, jovem também nas ideias.

O fato é que uma cidade com características industriais como Joinville não consegue revelar um novo jeito de fazer política, porque os partidos políticos mantém comandos antigos, atrelados a líderes também antigos, que se perpetuam no comando e tem dificuldades em aceitar e promover as renovações necessárias para a política. A forma de cooptar lideranças comunitárias, religiosas, trazê-las para os partidos, e depois as deixarem reféns de cargos, das listas de candidatos, e sem atividades partidárias de verdade – partidos atuam quase sempre e somente em vésperas de eleições – mata o novo, o possível, o mágico que poderia vir de cada cidadão que se propõe a viver a militância política.

Essa espécie de “controle” político da cidade empobrece o debate, e empobrece também a massa crítica que deveria estar mais presente na política, causando assim um sub-desenvolvimento da cidade, que ao não renovar de fato os seus quadros, não cresce, não tem força para reivindicar como acontece hoje, em que parece que todos são governo e não conseguem, nem podem criticar e cobrar. A quem interessa manter Joinville assim tão fraca politicamente? A quem interessa o discurso que fazem de “a maior”, “a melhor”, “maior PIB”, maior isso e aquilo, quando na verdade isso não faz concretizar obras de grande porte para a mobilidade, a infraestrutura, saúde, educação?

Infelizmente, o quadro político atual não empolga o eleitorado. Veremos o que acontecerá nos próximos meses. Enquanto isso, muitos dos atuais postulantes vão fazer os seus discursos do tipo “sou o novo”, “é a minha vez”, etc. O eleitor tem de estar mais atento e pensante, porque senão teremos mais quatro anos, e mais décadas de atraso político.