Vergonha no Paraná! Repressão policial contra professores deixa mais de 100 feridos

Ação da polícia de Beto Richa, governador do PR, relembra tempos da ditadura
Ação da polícia de Beto Richa, governador do PR, relembra tempos da ditadura

Cerca de 2 mil policiais estão no local, tendo utilizado bombas de efeito moral, jatos de água e balas de borracha contra os manifestantes que estavam no entorno da Assembleia. Governador Beto Richa (PSDB) quer alterar a previdência do funcionalismo público.

Às 16h45 desta quarta-feira (29), a Guarda Municipal de Curitiba informou que há mais de 100 feridos em função da atuação da Polícia Militar no Centro Cívico da capital paranaense, onde manifestantes protestam contra a votação de um projeto de lei do governador Beto Richa (PSDB) que altera a previdência dos funcionários públicos do Paraná – a ParanaPrevidência.

Quarenta e duas pessoas teriam sido encaminhadas para o hospital Cajuru e o prédio da prefeitura, que fica em frente à Assembleia Legislativa, foi transformado em enfermagem para atender feridos.

Cerca de 2 mil policiais estão no local, e utilizaram bombas de efeito moral, jatos de água e balas de borracha contra os manifestantes que estavam no entorno da Assembleia. Em seuperfil no Facebook, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) fez um apelo a Richa.

“Estamos fazendo o possível para atender os feridos na Prefeitura, mas nossa capacidade é limitada. Faço um apelo ao governador, Secretaria de Estado da Segurança Pública e Assembleia. Por favor. Momento é de pacificar. Já temos muitos feridos aqui.”

O projeto de lei em discussão na Assembleia muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil do fundo previdenciário, impondo custos à previdência dos servidores para que o governo do estado possa deixar de gastar R$ 125 milhões mensais. Segundo os funcionários, a medida inviabilizaria o fundo, que hoje é superavitário, no futuro.

Com informações da Revista Fórum

Comissão da Verdade fará capítulo sobre repressão e morte de trabalhadores

Todas as violações aos trabalhadores brasileiros praticadas entre os anos de 1964 e 1985, período do golpe e da ditadura militar brasileira, constarão do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV) que será entregue à presidenta Dilma Rousseff em maio de 2014.

A reivindicação para que a CNV tivesse um capítulo sobre os trabalhadores perseguidos, torturados, desaparecidos e mortos pelo regime militar foi feita pelo secretário Nacional de Políticas Sociais da CUT, Expedito Solaney, à presidenta Dilma Rousseff durante audiência realizada nesta terça-feira (5), em Brasília, com parte da Executiva Nacional da Central.

Segundo Solaney, a presidenta atendeu de pronto a reivindicação por entender que esse é um capítulo fundamental da história do Brasil e que deve constar do relatório final. “Ela fez, inclusive, uma breve consideração sobre o golpe, dizendo que a ditadura não distinguiu quem era trabalhador, se era preto, branco, estudante etc. Quem combateu o regime, disse a presidenta, sofreu as barbáries da ditadura, foi torturado, morto, perseguido”, contou o secretário.

Solaney explicou que um grupo de trabalho será criado para fazer o levantamento sobre as violações praticadas contra trabalhadores e líderes sindicais e que estes dados constarão do relatório final da CNV. “Isso”, disse o dirigente, “vai contribuir para o resgate, a memória da luta desses trabalhadores durante um dos períodos mais conturbados, violentos e tristes que o país viveu”.

Ainda durante a audiência com a CUT, a presidenta determinou ao ministro do Trabalho e Emprego (MTE), Brizola Neto, que estava presente, que marcasse uma reunião com Rosa Cardoso, integrante da CNV, para que seja instalado o grupo de trabalho.

Para Solaney este resgate é fundamental: “O golpe foi especialmente antioperário, anticamponês. E a CUT, que combateu a ditadura e lutou pela redemocratização do país quer que o relatório seja o mais completo possível”.

Também participaram da audiência com a presidenta Dilma o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República e seu assessor especial José Lopez Feijó.

Da CUT Nacional