Comunicação Pública: Propaganda enganosa não é comunicação de interesse público

Propaganda enganosa, para não dizer mentirosa, quem paga a conta? Quem devolve o dinheiro público gasto? Temos visto todos os dias nas emissoras de televisão, jornais impressos e digitais, campanhas publicitárias do Governo Colombo e Governo Udo!

Seria cômico, se não fosse trágico. Cômico porque anuncia coisas que não são realidades. Por exemplo: das 180 e poucas escolas estaduais do “norte”, dizem os colombistas, 80 e poucas estariam recuperadas! Mentira grossa, informação vaga, imprecisa.

No caso dos Udonistas, vendem a mensagem que a cidade está ficando melhor. Onde seria senhores? Que Joinville está melhor? Exemplos: ruas esburacadas, obras que não andam, ou nem existem, licitações de estacionamento rotativo que não saem, bairros abandonados, praças abandonadas, e por aí vai.

Porque é trágico? Por que gastam-se milhares de reais para produzir fantasia de algo que não existe de fato, e ninguém cobra isso, nem para que devolvam a grana pública que divulga as miragens que tentam incutir na cabeça dos cidadãos! Cadê a Câmara de Vereadores? Os deputados estaduais, federais, senadores? Onde está a oposição? O Ministério Público que não cobra providências? E a sociedade organizada?

Deveria haver uma lei que inibisse tais usos indevidos de dinheiro público em campanhas publicitárias como essas. E não é a primeira vez que se usa a comunicação de massa para ganhos eleitoreiros sem qualquer base real. A população tem de dar a resposta nas urnas, e diariamente cobrando isso dos governantes de plantão! É uma vergonha usar o nosso dinheiro para inventar miragens e informações sem qualquer base real!

* Por Salvador Neto 

 

Celesc: trabalhadores paralisam serviços por 24 horas nesta quarta-feira (6/3)

Nesta quarta-feira (6/3) os trabalhadores da Celesc estarão paralisando as atividades em defesa da Celesc pública e do bom serviço prestado à sociedade. Segundo o sindicato da categoria, a paralisação será de um dia, e em paralelo haverá uma manifestação na Assembleia Legislativa na capital Florianópolis.
O representante dos empregados no Conselho de Administração da Celesc fará um pronunciamento na tribuna da Alesc. Problemas com terceirizações em excesso, concurso público feito para não ter aprovados suficientes, falta de trabalhadores acarretando problemas, enfim, o processo de “desmonte” da Celesc volta a pauta na ótica dos trabalhadores. 

Mais um pepino para o Governo Colombo em meio a crise na segurança pública, saúde, educação e outras. A paralisação em Joinville acontece em frente a empresa, a partir das 6 horas na rua Timbó.

Segue abaixo uma nota enviada pelos sindicatos e representantes dos trabalhadores da Celesc: 

NOTA AOS CATARINENSES

Os trabalhadores da Celesc estarão paralisados nesta quarta-feira em defesa da qualidade dos serviços prestados à população catarinense.

As sucessivas reclamações dos consumidores, motivadas pela falta de pessoal e investimentos, não nos deixaram outra alternativa, que não seja a mobilização como forma de dar um basta neste processo de desmonte da empresa.

O Governador Raimundo Colombo tem se manifestado favorável á manutenção da Celesc como empresa pública, como também desejam seus empregados. Sabemos porém, que uma empresa pública só é viável quando conta com o respaldo da sociedade. A Celesc já foi referência nacional em relação ao atendimento de seus  clientes. Hoje enfrenta dificuldades em função da redução de seu quadro de empregados.

O ultimo concurso público  nos dá a impressão de ter sido feito sob encomenda para não contratar nenhum empregado.  Até junho do presente ano deverão  deixar a empresa aproximadamente setecentos empregados inscritos em programa de demissão voluntária. Está evidente a situação de precarização que enfrentaremos  se não houver celeridade na contratação de pessoal.

Desta vez não estamos reivindicando  nenhuma melhora no contrato de trabalho, e sim que nos devolvam o orgulho de pertencer a uma empresa que era reconhecida publicamente pela qualidade de seus serviços prestados à população.

Apesar das dificuldades presentes continuaremos na luta, sempre acreditando no nosso lema que já nos acompanha por mais de duas décadas:  “CELESC PÚBLICA, BOM PARA TODO MUNDO”.

Governo do Estado responde a nota do Palavra Livre

Por intermédio da competente jornalista e assessora de comunicação da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Joinville (SDR), Glaene Vargas, recebo nota oficial do Governo do Estado de Santa Catarina redigida e assinada pela Secretaria de Estado da Comunicação (SECOM), rebatendo post publicado ontem – 26/11 – sob o título: “Colombo: governador ou vendedor de pacotes?”

Como aqui a Palavra é Livre, publico a mesma na íntegra, mesmo porque o próprio texto reitera aspectos da minha nota. Fica a critério dos leitores do Blog os comentários a respeito. E agradeço a atenção e acompanhamento da SECOM ao Blog. Segue a nota:

1. O Pacto por Santa Catarina deixou o papel para se transformar em realidade. No final da tarde de quarta-feira, o governador Raimundo Colombo e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, assinaram o primeiro contrato, no valor de R$ 611 milhões, que vai permitir o início de obras em escolas, sistema prisional, rodovias e cultura, entre outros. SC foi o primeiro Estado a assinar o financiamento do Proinveste, criado em julho deste ano pelo governo federal. Outros R$ 5 bilhões serão aplicados em obras a partir de 2013, no maior investimento da história de Santa Catarina.

2. Nos próximos dias, o governo do Estado inaugura cinco obras em rodovias: São Francisco a Costa do Encanto, com 6,3 quilômetros; Lindóia do Sul a Irani, com 26 quilômetros; SC-302 até Chapadão do Lageado, com 8 quilômetros e mais uma ponte de 200 metros; Urupema a Rio Rufino, com 19 quilômetros, São R$ 60,7 milhões em investimentos com um total de 55,9 quilòmetros.

3. Na área da educação, desde o início do governo, os professores tiveram reajustes. No caso dos vencimentos iniciais, o reajuste foi de 138%. E dos com curso superior, o aumento chega a 45%. Santa Catarina cumpre o piso salarial do magistério.

4. Na área da saúde, o governo do Estado lançou recentemente o Pacto por SC pela Saúde, com investimentos superiores a R$ 500 milhões na construção de 21 policlínicas e na ampliação dos hospitais públicos. Também foram chamados mais de 500 funcionários concursos para o Hospital Regional de São José. A Secretaria da Saúde vai manter a hora plantão, mesmo com a ampliação do quadro de servidores. No caso da gratificação reivindicada pelo SindSaúde, o governo já reiterou que não existe como atender ao pedido.

5. Na área da segurança, o governo do Estado chamou mais de 2 mil policiais militares aprovados em concurso público, adquiriu o kit segurança, composto por colete, arma e outros equipamentos. Também adquiriu mais de 800 veículos para as polícias civil e militar.

6. Na área da Justiça e Cidadania, o quadro de agentes prisionais está abaixo do ideal para atender às 49 unidades no Estado. As obras da Penitenciária de Imaruí devem sair do papel até o início do ano. Outro detalhe importante. Mais de 4,5 mil presos trabalham hoje nas unidades prisionais, produzindo artigos para empresas como Malwee, de Jaraguá, Hering, de Blumenau, Fischer, de Brusque, entre outras. Poucos Estados brasileiros contam com um programa de ressocialização tão forte quanto o de SC.

Portanto, o governo não está parado e sim muito atuante. Obrigado,

Secretaria de Estado da Comunicação (Secom)”

Colombo: governador ou vendedor de pacotes?

O governador Raimundo Colombo, ex-DEM, agora PSD, acaba de lança mais uma pacote, agora contra a pobreza em Santa Catarina. Já lançou outros, sobre infraestrutura, obras por todo o estado. Tem se revelado um ótimo vendedor de pacotes, mas a maioria deles vazios. Afinal de contas, já se passaram dois anos de seu governo, e nada se viu de prático. E aliás, ele é governador ou vendedor de pacotes?

Colombo enfrenta uma greve na saúde e faz que não vê. Escolas estão ruindo pelos municípios, inclusive na maior cidade catarinense, que também espera por algo de prático do nosso vendedor de pacotes. Opa, governador. Factóides são lançados a cada problema que aparece na mídia catarina, e que aparecem por descuido da comunicação do Governo, caso contrário, nos veríamos o tempo todo envoltos em pacotes salvadores, que nada acrescentam à vida dos catarinenses.

Governador, está na hora de trabalhar. Com todo o respeito, parece mesmo que o único feudo que recebe algo do Governo do Estado é a região lageana, pobre região diga-se de passagem, com altos índices de pobreza. Quem sabe a inspiração desse novo “pacote” tenha vindo da sua experiência de três vezes Prefeito de Lages. Pelo jeito, os pacotes por lá não deram muito certo. Será que essa pacotada vai dar algo para todos os catarinenses?

A saúde está paralisada, governador! Vamos trabalhar?

Deputado contesta informação do Governo de SC, de que a arrecadação caiu

O líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, deputado Dirceu Dresch, contestou informações da Secretaria da Fazenda de que a arrecadação do Estado está diminuindo. Na tribuna o parlamentar apresentou dados que mostram crescimento no último triênio. “Quem acompanha as informações noticiadas, acredita que esta receita está caindo, o que não é verdade. Pelo contrário, segundo os números da própria Secretaria, a arrecadação vem crescendo cerca de R$ 1 bilhão ao ano”, disse Dresch.

De acordo com ele, o Estado recolheu R$ 6,5 bilhões em 2009, R$ 7,8 bilhões em 2010 e R$ 8,9 bilhões em 2011. O saldo positivo nesses três anos levou as equipes técnicas da administração estadual a superestimar a meta para o exercício financeiro de 2012, elevando o valor a R$ 10,3 bilhões. Para o líder do PT, a manobra foi equívoco, principalmente se considerados os impactos da crise internacional e da estiagem sobre a economia catarinense. “Agora, por não alcançar esta meta, o Governo diz que a arrecadação está caindo e tenta convencer os prefeitos de que é necessário suspender convênios”, rebate.

Ainda, complementa o deputado, entre janeiro e setembro de 2012, a arrecadação aumentou R$ 653,3 milhões em relação ao mesmo período de 2011, o que destoa da medida de contingenciamento de R$ 92 milhões de recursos que deveriam ser repassados aos municípios. “A pergunta que fica é para onde está indo o dinheiro vindo da arrecadação de impostos, onde está sendo aplicado?”, questionou Dresch.

Udo Döhler não teve tréguas após a vitória no domingo (28/10)

Prefeito eleito, Udo já mostra qual o ritmo que deverá imprimir no dia a dia da futura administração - Foto Jacson Zanco

Mais de 161 mil joinvilenses elegeram para prefeito de Joinville o empresário Udo Döhler. Com apenas duas horas de sono, depois de uma grande festa que invadiu a madrugada, o agora prefeito eleito começou cedo esta segunda-feira (29). Entre muitas entrevistas para emissoras de rádio e TV, Udo também esteve em Florianópolis reunido com o governador Raimundo Colombo. “Já conversamos sobre Joinville, investimentos e parcerias. O governador é parceiro de Joinville”, diz.

Udo Döhler não para de trabalhar. Já no seu primeiro dia pós-campanha eleitoral, a agenda foi repleta de atividades. O dia começou cedo, logo às 6 horas, quando concedeu uma entrevista para a RBSTV. Depois, o peemedebista esteve na rádio Jovem Pan e na RIC/Record. Falou ainda para a rádio Clube AM, jornais, sites e rádios de outras regiões do Estado.

Ao meio-dia mais uma rodada de entrevistas para o Jornal do Almoço (RBSTV) e Jornal do Meio-dia (RIC/Record). Entre uma entrevista e outra, Udo Döhler ainda participou de uma homenagem na empresa Döhler, onde foi recepcionado com festa por funcionários. “Foi uma grande surpresa e uma grande alegria voltar para a empresa depois deste período de campanha de forma vitoriosa”, exaltou.

Conversa com o governador
O primeiro ato oficial como prefeito eleito de Joinville foi uma conversa com o governador Raimundo Colombo em Florianópolis. Udo fez o primeiro grande encontro onde recebeu os cumprimentos pela eleição no Centro Administrativo do Governo do Estado. Em seguida, Colombo e Udo conversaram sobre a saúde pública e investimentos para a cidade. “Voltei a conversar com o governador sobre a gestão unificada dos hospitais públicos. O governador deu sinal verde”, anunciou.

O governador também garantiu a continuação das obras da duplicação da avenida Santos Dumont, além de grandes investimentos para atrair empresas para a região.

Governo de transição
Udo Dölher já começou a pensar no governo de transição junto ao governo do petista de Carlito Merss. A primeira reunião irá acontecer na quarta-feira (31) na Prefeitura somente com equipe técnica da Fundação Ulysses Guimarães e secretários municipais. Conversa pessoal com o prefeito Carlito Merss deve acontecer na próxima semana.

Licitações adiadas? Eu já sabia…

Sob mais uma justificativa, das quantas que o Governo Raimundo Colombo do PSD já deu a Joinville em quase meio governo, as licitações para a duplicação da avenida Santos Dumont foram adiadas. Novidade? Nenhuma. Quando do anúncio feito pelo Governador em 18 de junho, publiquei aqui no Palavra Livre a matéria adicionando – alguém acredita? – (clique aqui e leia) e agora só vejo confirmada o quanto eleitoreiro foi o anúncio, e tanto quanto agora o ainda é…

Enquanto isso, graças a Deus, deve pensar Colombo, a BMW anunciou finalmente que vai construir sua fábrica em Santa Catarina, em Araquari, cidade ligada à Joinville. Assim, um fato se sobrepõe ao outro, e safa-se por enquanto o líder maior do PSD de mais uma saia justa com a maior cidade catarinense. Não esqueçamos que há escolas ainda interditadas, e que não voltam a ser ocupadas porque o governo do PSD não anda aqui, mas somente em Lages e Capital.

Após o domingo de eleições, não teremos grandes surpresas favoráveis não. O secretário da Fazenda, Nelson Serpa, já adiantou que estão “cortando” despesas para dar conta de pagar até o décimo terceiro dos servidores… Enquanto isso tem gente aqui prometendo elevados a três por dois, em seis meses… com dinheiro do Estado. Dá prá fazer? Estão brincando com os joinvilenses….

Canga Blog: Tio Bruda e a reunião do Governo em Lages

– Alô!! Alô tio Canga!!!!! Tem linha aí tio Canga???
– Oi tio Bruda, tá meio ruim a ligação, vai pra perto da janela!
– Tio Canga do céu, to com as bota branca de geada em cima de um cupinzeiro e não tem jeito, vamos ter que falar assim mesmo!
– Tá bom tio Bruda, diga lá!
– Tio Canga, disculpe a ausência, mas fui acometido da tal de pedra nos rim e andei meio adoentado, tava só na base do chá de Carqueja e Quebra-pedra.
– Tá, mas melhorou tio Bruda?
– Olha, se melhorou não sei, mas botei tanta pedra pra fora que dá pra faze uma taipa!
– Me conta as novidades daí de Lages tio Bruda.
– Novidade aqui em Lages é a Festa do Pinhão.
– E como está a festa tio Bruda?
–  Olha tio Canga, tem gente e pinhão a reviria! Mas o que tá chamando a minha atenção é que a cada passo que eu dou encontro um tal de secretários desse do Raimundo Colombo festiando por aqui. Essa gente não trabaia tio Canga?
– Não tio Bruda, eles estão trabalhando. O Raimundo convocou uma reunião grande aí em Lages. Tá todo o governo aí. Por coincidência está sendo nos dias da Festa do Pinhão!
– Mas a reunião é aqui mesno no parque Conta Dinheiro? Eu só vejo eles aqui!
– Essa reunião o Raimundo convocou para o secretário Derly apresentar  o resultado daquele plano de enxugamento pra economizar dinheiro, lembra tio Bruda?
– Pois eu to lembrado, mas vem cá, esse Derly não é aquele peão do Luiz Henrique que também já foi meio capataz dos gaúcho lá da RBS?
– É esse mesmo tioBruda. Hoje o homem está meio de patrão do governo.
– Mas como é que pode um home que fica dizendo um monte de besteira nas tal de rede social ser home forte do governo, tio Canga? Me dá até pena do Raimundo, com semelhante candieiro mil vezes no escuro!!!!
– É tio Bruda, agente tem visto coisa, mas agora parece que o Derly  vai dar jeito no governo. Agora apresentou um novo plano, parece que é o Plano D (de Derly).
– Mas vão economizá o que tio Canga? Tão tudo aqui com diária do governo, queimando gasolina pelas estrada e fazendo festa com hospedagem paga nos hotéis.
– Tio Bruda, eu estou esperançoso que o Derly de jeito no governo. Ele, em fevereiro,  se deu um prazo de seis meses para resolver os problemas, senão ele ia embora.
– A não tio Canga, pelos meus conhecimentos ele já está de mala e cuia pra saltá fora. Tá faltando menos de 60 dias pra ele sair. Esse Derly tá se metendo a jacú sem rabo. Acho que vai dá com os corpo no arame. Tá mais atrapalhando que ajudando. Cada dia tem uma novidade e um choro diferente e o governo não sai do chão, não melhora.

– Isso tio Canga, é a herança maldita daquele maledeto do Luiz Henrique que deixou um monte de pinduricalho no governo do Colombo e engessou o home! Isso é caso pensado pro PMDB voltá pro governo. Eles continuam tudo aboletado pelas tal de regionais e pelas secretarias de verdade també. O Raimundo não consegue fazê nada com essa gente. Ficam mamando direto no nosso dinheiro e fazendo política. Administrar que é bom, neca!

Do Blog Canga Blog do jornalista Sergio Rubim

Darci de Matos desiste da disputa pela Prefeitura de Joinville

Recebo nota da assessoria de imprensa do deputado estadual Darci de Matos (PSD), que acaba de desistir do sonho da disputa pela Prefeitura de Joinville, maior cidade de Santa Catarina. Os últimos movimentos políticos mostravam que ele desistiria, e agora diz que vai apoiar seu correligionário, o também deputado Kennedy Nunes. Se os argumentos utilizados por Darci para, como diz na nota, abdicar da candidatura em favor de Kennedy, este também pode em breve desistir também. Falta de apoio do Governo Colombo, falta de tempo na TV, etc, é o mesmo problema para seu colega. Enfim, menos um na já fraca lista que os joinvilenses tem para votar em outubro. Veja a nota:

“Nota Oficial:

É do conhecimento de todos meu compromisso com Joinville. Na minha trajetória política, toda percorrida em Joinville, duas vezes como vereador e duas vezes como Presidente da Câmara, e agora no segundo mandato de deputado estadual, sempre procurei defender e cuidar de nosso município, seja em ações sociais ou na captação de recursos para o desenvolvimento e bem estar da nossa comunidade.

Nunca escondi meu desejo de estar à frente da Prefeitura de Joinville e poder contribuir ainda mais. Em 2008 fui candidato a prefeito, chegando ao segundo turno com mais de 100 mil votos de confiança e apoio. Preparei-me para as eleições de 2012 com o objetivo de novamente concorrer à prefeitura e ajudar minha cidade, mas devido ao cenário político que se apresenta me faz, neste momento, adiar ao projeto de participar das eleições deste ano.

O tímido apoio do governo do Estado ao nosso projeto político, a saída da Secretaria de Educação do meu fraterno amigo deputado federal Marco Tebaldi, e seu consequente lançamento como pré-candidato à prefeitura, bem como o pouco tempo destinado à propaganda eleitoral, no rádio e na televisão, a nosso partido (PSD), durante o período das eleições, são os principais motivos que me fazem abdicar da candidatura a prefeito. Nosso partido terá candidato à prefeitura, que será o deputado estadual Kennedy Nunes, ao qual destinarei meu apoio.

Continuarei à disposição da cidade de Joinville, como cidadão e deputado estadual, trabalhando para construir uma Joinville Melhor.

DARCI DE MATOS – Deputado estadual
Joinville, 17 de maio de 2012″

Organizações Sociais são proibidas em SC, diz SindSaúde!!

E o povo óooo....

Dia 21 de setembro de 2011 o Tribunal Superior do Trabalho negou o pedido do Estado de Santa Catarina de anular a decisão da ação civil pública n. 5772/05, que proíbe o Estado de Santa Catarina de realizar contrato com Organizações Sociais. Essa decisão já estava transitado em julgado desde 2007, mas o estado conseguiu recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho, mas sem sucesso.

Isso quer dizer que o plano de Raimundo Colombo de passar os 11 hospitais públicos do nosso estado para as OS’s  esbarra nessa decisão jurídica e todas as unidades que já estão sob domínio das OS´s, como o caso do Hemosc, Cepon, Hospitais Infantil de Joinville devem retornar para a administração direta da SES.

No estado do Mato Grosso uma decisão semelhante obrigou o estado a reassumir a gestão do Hospital Metropolitano do Cristo Rei, na cidade de Várzea Grande. Em São Paulo o Ministério Público entrou com ação civil pública contra a venda de leitos do SUS nos hospitais gerenciados por OS´s.

Ou seja, em todo o país se discute a ilegalidade da transferência da saúde para as empresas privadas.As Lei do SUS, n. 8080/90 estabelece que a iniciativa privada pode participar do Sistema Único de Saúde de forma complementar, e não de modo substitutivo como ocorre com as OS´s.

No regime das Organizações Sociais, o governo entrega toda a administração, gestão de pessoal e compra de materiais para empresas de direito privado qualificadas como OS e o estado passa a ser apenas fiscalizador. A OS recebe financiamento público e ganha autonomia completa na gestão dos serviços. O mais grave é que a unidade que é transferida torna-se extinta.

As contratações pelas OS´s são sem concurso público e as compras sem licitação. Até dos servidores estaduais podem ser cedidos para a empresa privada. E o atendimento dos pacientes fica a critério da OS, podendo atender convênios privados e particulares. Isso tudo infringe uma série de leis, por isso é que em todos os estados, várias OS´s estão sendo proibidas.

Em Santa Catarina o Conselho Estadual de Saúde possui uma resolução contrária ao regime das OS´s. O Conselho Estadual de Saúde também deve realizar um seminário ampliado para discutir a forma de gestão do SUS em Santa Catarina.

Fonte: SindSaúde