Udo Döhler é reeleito prefeito em Joinville (SC)

Udo Döhler (PMDB) foi reeleito prefeito de Joinville em votação de segundo turno neste domingo (30). A vitória dele foi confirmada por volta das 18h20.

Com a apuração completa às 18h45, Udo teve 171.217 dos votos válidos, o que corresponde a 55,60%. Darci de Matos (PSD) teve 136.702 votos, o que corresponde a 44,40%.

Após o resultado, Udo Döhler afirmou: “Nós, nesse segundo turno, tivemos a oportunidade de mostrar mais de perto para a população e para o eleitor todas as obras que nós realizamos ao longo dos nossos quatro anos de gestão e, sobretudo, detalhar as nossas propostas. Isso vai permitir com que, lá adiante, a cidade de Joinville possa usufruir de dias melhores, mais seguros, mais tranquilos. O nosso compromisso é transformar a cidade de Joinville na melhor cidade para se viver desse país”.

Udo Döhler concorreu pela coligação “Juntos no rumo certo” (PMDB / PV / PC do B / PT do B / PSC / PTC / PROS / PTB) e tem como vice-prefeito Comandante Coelho (PMDB).
Raio-X Joinville (Foto: Arte/G1)


Propostas

Durante a campanha, Udo Döhler afirmou que vai aumentar o atendimento à saúde e educação, com a ampliação de cursos técnicos profissionalizantes, ampliar o saneamento básico e a infraestrutura de ruas.

Histórico
Udo Döhler é o atual prefeito de Joinville. Começou a carreira política em 2011, quando se filiou ao partido. Aos 74 anos, é advogado de formação e empresário do ramo têxtil. É natural de Joinville e foi presidente da Associação Empresarial de Joinville (Acij) por cinco vezes.

Ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Udo Döhler declarou como bens um terreno, ações, fundos, títulos de clube, poupança e aplicações, no valor de R$ 11.375.509,62. O plano de governo do candidato pode ser acessado no site do Tribunal.

Resultado completo das eleições para prefeito em Joinville
Udo Döhler – 171.217 (55,60%)
Darci de Matos – 136.702 (44,40%)
Nulos – 18.113 (5,43%)
Brancos – 7.340 (2,20%)

Darci de Matos agradece os votos
Após o fim da apuração, Darci de Matos afirmou: “Eu aceito o resultado das urnas e eu só tenho a agradecer as pessoas, as mais de 134 mil pessoas que acreditaram no nosso projeto, que votaram em mim. Eu volto para a Assembleia [Legislativa] e vou continuar, como deputado estadual, trabalhando muito por Joinville. E, principalmente, pelas pessoas que acreditaram no meu projeto e principalmente aqueles que têm menos, as pessoas mais simples, as pessoas dos bairros”.

Com informações do G1

Com a Palavra, Salvador Neto – Edição #4 – Notas Políticas

palavralivre-eleicoes-udo-darci-colombo-pmdb-psd-apae-votos-com-a-palavraHá pouco mais de uma semana do segundo turno nas três maiores cidades catarinenses, Joinville, Blumenau e Florianópolis, os cenários mostram grandes incertezas. Pelo andar das carruagens, as melancias do PP, PSD, PSB estão mais próximas, enquanto as do PMDB, PSDB mais alinhadas. Em jogo o comando de Santa Catarina em 2018.

Baixarias
Na campanha de Joinville, onde Darci de Matos (PSD) disputa o segundo turno com o atual prefeito Udo Döhler (PMDB), as baixarias andam a mil nas redes sociais. Fakes, páginas falsas, e até cargos comissionados da prefeitura de Joinville andam a disparar coisas inimagináveis, contra quem é contrário, gente comum, e até contra o governador. Pilantra é a palavra mais leve. Processos à vista.

Confronto aberto
Com a entrada do governador Raimundo Colombo (PSD) na campanha de Darci de Matos, o confronto entre PSD e PMDB se tornou inevitável. Udo Döhler (PMDB) começou a atacar o governo do estado, que segundo a propaganda peemedebista, não manda os remédios de alta complexidade, e também havia ignorado o apelo por verbas para a tão prometida ponte do bairro Adhemar Garcia. O troco veio, e abriu o rombo no casco da “coalizão” que reúne ambos no comando do Governo na Ilha.

Desmentido
Colombo apareceu em propaganda na tv com aquele seu jeito leve, como quem não quer dizer nada, mas disse. Que a Prefeitura de Joinville apresentou apenas uma empresa chinesa com um pré-projeto, e que não havia licitação, nem licença ambiental, tampouco obra em andamento. Por isso não podia ajudar. O PMDB está uma fera com o lageano, e identifica ação total do PSD e governador para vencer na maior cidade catarinense. Vejamos os próximos rounds.

PMDB e sua “Cunha”
A prisão de Eduardo Cunha, deputado do PMDB cassado em setembro, caiu como uma bomba nas campanhas peemedebistas no país, e claro, em Joinville (SC) também. Afinal, Cunha ajudou muita gente boa do PMDB catarinense, era muito bem visto pelos caciques do partido por estas bandas… até que caiu. Ambos começando com “C”, corrupção e cunha são sinônimos em matéria de política, e isso atinge em cheio o discurso anti corrupção, etc. Cunha virou uma bela pedra no sapato do partido na campanha.

Apae de Joinville com eleições
Uma das mais importantes entidades de assistência social, educação e saúde em SC, a Apae de Joinville também terá eleições em novembro próximo. Duas chapas devem se enfrentar, uma sob o comando da Criadora, outra com a Criatura. Heloisa Walter de Oliveira, ex-presidente da instituição deve enfrentar Jailson de Souza, atual presidente pelas mãos de Heloísa, de quem foi vice na gestão anterior.

Dura disputa
A eleição na Apae deve ser duríssima, pelo que já se vê nos bastidores com acusações de ambos os lados. O que se espera é que o processo corra sem maiores riscos para a imagem e atividades da instituição, responsável por atender 420 alunos e suas famílias diariamente com serviços essenciais para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla. Que a política tradicional não contamine um trabalho tão bonito e exemplar.

Por Salvador Neto, jornalista e editor do Palavra Livre

Com a Palavra, Salvador Neto – Edição #3 – PMDB e PSD travam batalha por 2018

palavralivre-com-a-palavra-edicao-3-gean-angela-pmdb-psdHá tempos o casamento entre PSD e PMDB vem fraquejando diante das dúvidas de ambos sobre a lealdade e fidelidade dos enamorados. A desconfiança existiu desde que o então mestre de cerimônias do enlace, o ex-governador LHS, fechou acordo para que Raimundo Colombo fosse o governador da união, e depois quando da renovação das núpcias. Como o mestre se foi para o descanso, o casal que governa SC está em vias do divórcio.

Florianópolis
Na Ilha, onde de fato se decidem as articulações políticas para as maiores cidades catarinenses, a disputa está entre PMDB e PP, Gean Loureiro e Angela Amin. Ao lado de Gean, o PSDB. Ao lado de Angela, o PSD. No segundo turno Gean disparou depois que um magistrado decidiu decidir após 16 anos que Angela estaria inelegível por conta de ação no ano 2000. Daquelas coisas das bruxas que habitam Floripa. Mas, hoje, no STJ, o PP/PSD conseguiu derrubar a inelegibilidade de Angela. É possível que ela reaja, afinal, não se pode subestimar a força dos Amin na grande Florianópolis. Mas a virada é coisa muito difícil de acontecer, não impossível. Já em Joinville…

palavralivre-com-a-palavra-edicao-3-pmdb-psd-darci-udoJoinville
Darci de Matos (PSD) parecia que ficaria fora do segundo turno em dado momento da disputa. Udo Dohler (PMDB) crescia com a força da máquina da Prefeitura, e Tebaldi (PSDB) estava melhor colocado. Ao abrirem as urnas, eis que o deputado estadual do PSD conseguiu ir ao segundo turno contra o empresário poderoso do PMDB. Na primeira pesquisa Ibope, Udo sobre dois pontos apenas, enquanto Darci avança 17 pontos. Soado o alarme nos lados do manda brasa, o segundo turno começou mais duro, e o confronto será inevitável.

2018
Nos dois maiores colégios eleitorais de SC travam-se na verdade as prévias da disputa ao governo do estado em 2018. Se der PSD nos dois, o partido do governador Colombo conquista um poderio imenso para manter o comando administrativo e político do estado encabeçando a chapa com Gelson Merísio, ou indo de vice em composição com o PP, no qual o ex-governador Esperidião Amin, o deputado federal mais votado em 2014, desponta como nome forte novamente. Se der PMDB em ambos, o partido de Mauro Mariani, Pinho Moreira e Dario Berger ganha força, mesmo tendo perdido musculatura no planalto norte, região eleitoral do atual presidente do PMDB.

Temperatura
Pelo tom dos primeiros dias de campanha eleitoral na televisão, rádio e redes sociais no segundo turno em Florianópolis e Joinville, os embates serão da cintura para baixo. Nas redes sociais os posts e vídeos de uns contra outros proliferam com denúncias, números, ataques com presença de assessores, e claro, de fakes contratados para azucrinar a vida e campanha dos candidatos. Neste andar da carruagem, não haverá volta na convivência já turbulenta do casamento PSD-PMDB. O divórcio está decidido, falta apenas sacramentar no cartório das urnas no próximo dia 30 de outubro.

Por Salvador Neto, jornalista e editor do Palavra Livre

Opinião – Impressões de Brasília 2

Educação de Bombinhas (SC) com novidades: Alexandre Santos, do INEP, assume secretaria da Educação dia 6 de março
Educação de Bombinhas (SC) com novidades: Alexandre Santos, do INEP, (camisa azul ao centro) assume secretaria da Educação

Minhas impressões políticas da viagem que fiz à Brasília continuam aqui, agora com novidades na área da educação catarinense. Confiram:

Venderam mas não conseguem entregar
As articulações brasilianas são tantas que dariam um livro a cada mês. No caso de Santa Catarina, onde a alas do PMDB disputam projetos distintos, uma pela candidatura própria, outra por continuar com Raimundo Colombo (PSD), a agitação é grande. De um lado, contam aliados de Mauro Mariani que lidera corrente pela candidatura própria, LHS e Ideli Salvatti, senador e ministra petista, venderam à Dilma que estava tudo certo para um frentão imbatível: PSD na cabeça de chapa, PMDB de vice, PT ao senado, e tudo certo. Mas não conseguiram entregar a encomenda à Presidenta.

Sem entrega do pedido
Acontece que Ideli perdeu o comando do partido em SC para seu desafeto político, o ex-deputado Claudio Vignatti, e LHS não conseguiu segurar o PMDB de Mariani, que fortaleceu e muito a tese de reconquista do governo em chapa peemedebista. E para piorar, a tese de uma chapa entre Mariani e Vignatti ganha corpo e seria uma montanha no sapato de Colombo (PSD), que teria o PSDB, PP e PSB para tentar renovar o seu mandato. Até março quanto o PMDB deverá realizar prévias ou uma pré-convenção, os nervos estarão à flor da pele em Brasília e Florianópolis.

Muda – muda
Nas movimentações feitas pela presidenta Dilma visando às eleições, muita gente já colocou as barbas de molho. Mais que uma mudança pontual de troca do titular pelo segundo nome na hierarquia, já se vê no horizonte que muita coisa vai mudar em eventual novo governo Dilma. É voz corrente que o ministério Dilma é infinitamente inferior em qualidade técnica e força política do que o time do seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. Os atrasos em obras do PAC, a falta de uma boa relação politica com o Congresso e partidos políticos tem irritado demasiadamente a comandante do Planalto. E quem paga a conta são os que tentam falar com miss Dilma. Dureza.

Catarinense deixa o INEP e assume a Educação em Bombinhas
Um catarinense que conquistou Brasília unicamente por seus méritos como pesquisador e intelectual, e que há quase três anos comandava a avaliação da educação básica do Brasil no INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o joinvilense Alexandre André dos Santos, está com mala e cuia prontas para retornar a Santa Catarina, e não é para férias não. Ele foi convidado, aceitou e assume no próximo dia 6 de março a Secretaria da Educação de Bombinhas, município do litoral comandado pela prefeita Ana Paula da Silva.

Currículo invejável
Alexandre é um jovem de 39 anos, servidor público federal concursado no INEP em Brasília. Em seu currículo acumula a responsabilidade da implementação e coordenação do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, Prova e Provinha Brasil, avaliação de alfabetização e coordenador do Programa Internacional de Avaliação de Alunos – Pisa, isso sem contar, a experiência em gestão pública que acumula no Ministério desde o ano de 2004. É graduado e mestre em geografia e doutorando em Planejamento e Integração Econômica e Territorial pela Universidade de Leon na Espanha. Sob sua coordenação, o ENEM sofreu muito menos criticas. Dilma perde um grande quadro, Santa Catarina ganha muito.

Santos quer pólo de inovação na educação
Entusiasta da educação, e ainda mais apaixonado pelo tema no trabalho que fez durante todos esse tempo país afora, conhecendo índices, gestões, e com ligações fortes com organismos de apoio à educação, Alexandre Santos diz o que pretende fazer em Bombinhas. “Meu objetivo é construir uma proposta participativa educacional que possibilite referencial nacional e inovador”, destaca o futuro secretário. Também explicou que os problemas estão nos municípios e são resolvíveis na base, salientou que construir esse projeto do Brasil inovador passa por cada servidor da educação. “Nós queremos garantir o direito da educação de qualidade para todos os estudantes do ensino municipal”, finalizou ele ao portal da Prefeitura de Bombinhas. Boa sorte a ele.

Por Salvador Neto

PMDB faz história, de novo

Cada momento tem seu peso histórico diferente. Mas de vez em quando são possíveis comparações. Daqui a duas semanas, completam-se 40 anos da primeira vitória do MDB em Joinville, com Pedro Ivo derrotando os três candidatos da Arena (à época, os partidos podiam lançar mais de um nome, depois somava tudo).

Quatro décadas depois, Udo Döhler conquistou a Prefeitura de Joinville após ter largado em desvantagem na campanha e, depois, no segundo turno. Convém lembrar outra dificuldade: nas outras duas eleições decididas no segundo turno em Joinville, não houve virada. E enfrentou, além do adversário direto, Kennedy Nunes, os partidos de outros dois candidatos derrotados no segundo turno, PT e PSDB. Udo derrotou os três e leva o PMDB de volta à Prefeitura depois de dez anos.

Em 2002, Luiz Henrique deixou o cargo de prefeito para concorrer a governador. O PMDB participou dos governos seguintes, mas como coadjuvante. Não bastasse, a vitória de ontem ficou ainda mais emblemática porque derrotou as pesquisas. Até os levantamentos internos do partido apontavam, na melhor das hipóteses, empate técnico.

Uma outra comparação com a vitória de 1972: um dos líderes da campanha de Pedro Ivo, um dos mais sorridentes na carreata da vitória pelo Itaum e Boa Vista naquela longínqua década de 70, se chamava Luiz Henrique da Silveira. Depois de quase meio século, Joinville elege um prefeito que disputou sua primeira eleição. Quem veio depois de Harald Karmann, já havia enfrentado as urnas. E a vitória de Udo veio no dia em que fez 70 anos.

Da coluna AN Portal de Jefferson Saavedra em AN

Kennedy ou Udo? Você decide no domingo

Vamos ao que interessa. Domingo, 28 de outubro, vamos eleger o novo Prefeito de Joinville, maior cidade catarinense, maior PIB, maior isso e aquilo, mas ainda menor em representatividade política (onde estão nossos deputados quando o caos na saúde se instala?), em obras e ações fundamentais na infraestrutura, lazer, cultura e por aí afora. Participar desse momento cívico, cidadão, é mais que uma obrigação, uma necessidade porque influi diretamente no que queremos para a nossa vida. Sim, porque vivemos na cidade, com mais 600 mil pessoas que a constroem dia após dia. Como disse, vamos ao que interessa, analisar o momento dos dois nomes postos, Kennedy Nunes (PSD – 55) e Udo Döhler (PMDB – 15).

Kennedy Nunes se notabilizou politicamente como vários outros na política, usando o microfone do rádio, e depois na televisão. Nesta carreira, e com base na oratória e rituais utilizados no segmento evangélico, o jovem ocupou espaços na mídia, e logo foi alçado a um cargo público na administração de Freitag em 1993 como Secretário do Desenvolvimento Comunitário, depois vereador assumindo a cadeira em 1998, se reelegendo em 2000. Concorreu a Prefeito em 2004 e 2008, e entre essas duas eleições, conseguiu ser eleito deputado estadual em 2006, se reelegendo em 2010, cujo mandato cumpre no momento.

Carismático, dominando todos os macetes da comunicação como poucos, sempre teve como objetivo chegar à Prefeitura. Nesta eleição, após passar por PMDB,  PFL, DEM, PP e agora PSD do governador Raimundo Colombo, Kennedy chega ao segundo turno embalado por uma retórica de renovação no atual quadro político. De mudar as coisas como estão. Atacou todos os postulantes ao cargo, como já o fez nas eleições anteriores, mas nesta buscou a estratégia desde o seu desembarque do governo Carlito no início de 2009. Desconstruir a imagem do petista foi sua obsessão. Falando sobre mentiras de Carlito sobre baixar tarifas de água e transporte coletivo, ele se colocou como alternativa inovadora. Os resultados do primeiro turno mostram que conseguiu seu intento. Mas aí veio o segundo turno.

Franco favorito, o deputado pessedista recebeu imediatamente o apoio do ex-prefeito e deputado federal Marco Tebaldi do PSDB, derrotado fragorosamente nas urnas, onde ficou em quarto lugar. E logo em seguida, a cúpula do PT, sob o comando de Carlito Merss, levou o diretório a declarar apoio a Kennedy Nunes, o seu algoz durante quatro anos. O discurso da renovação e mudança empunhados por Kennedy começaram a ser rebatidos, afinal, como pode ser o novo se já está há mais de 20 anos na política, e agregando aos dois prefeitos que já passaram pela administração municipal, e que neste pleito foram reprovados pelas urnas?

Kennedy Nunes chega na reta final já não tão favorito quanto há três semanas, sendo desconstruído naquilo que ele mais domina: a comunicação e sua imagem. E as pesquisas apontam sua queda progressiva, resta saber se a diferença será mantida até às 17 horas de domingo.

Udo Döhler é um empresário reconhecido, com mais de 70 anos de idade, e sempre envolvido na política de forma mais distante, e jamais enfrentou as urnas. Teve o nome várias vezes apontado como possível candidato a Prefeito, mas essa é a primeira vez que disputa uma eleição. Descendente de alemães, dono de uma indústria centenária, se notabilizou comandando a Associação Empresarial de Joinville, a ACIJ, por cinco vezes. Ocupou a presidência da Fundamas, órgão da Prefeitura, há 40 anos. Essa é sua experiência no setor público mais relevante. Sempre foi voz forte comunitariamente, comandando várias campanhas institucionais pela cidade, como a vinda da Ufsc, novas empresas, e sempre foi crítico da lentidão no setor público.

Foi filiado ao PL, que hoje é o PR. Convidado pelo senador Luiz Henrique, acabou filiando-se ao PMDB em 2011 já no projeto do partido de reconquistar a maior Prefeitura do estado. O PMDB compôs o governo Carlito até o início de 2011, quando entregou os cargos e definiu o seu projeto. De lá para cá, Udo foi construindo seu caminho, e também as  coligações possíveis. Como novato na política – apesar da idade – teve dificuldades no primeiro turno, mas com a força partidária e o interesse do eleitor em mudar a administração, acabou surpreendendo Marco Tebaldi e Carlito Merss e chegou ao segundo turno. Mesmo com um também surpreendente ataque petista com o vídeo da mulher amarrada.

No segundo turno, Udo não recebeu o apoio que se previa do PT. Pelo contrário, não só não veio o PT do Governo Carlito Merss, quanto também não veio o PSDB de Tebaldi. Outra dificuldade do peemedebista foi enfrentar um adversário formado na comunicação, mas o que se viu até aqui foi um avanço considerável na performance de Udo Döhler em debates, entrevistas e sabatinas. Administrador, sentiu-se seguro quando os temas chegaram na gestão. E diferente do que se pensava, sua campanha cresceu e as pesquisas mostram que já há empate técnico com Kennedy Nunes.

Enfrentando as urnas pela primeira vez, com um adversário forte e calejado na arena política, acusações de racismo, maus tratos a trabalhadores, de subordinação ao seu padrinho político Luiz Henrique da Silveira, Udo Döhler chega forte na reta final, cujo resultado é imprevisível, e a diferença será muito pequena. Se a subida nas pesquisas se refletirá nas urnas, domingo saberemos.

Dito isso sobre os dois candidatos a Prefeitura de Joinville, é certo que a empreitada das últimas 48 horas será duríssima para os cardíacos de ambos os lados. Eu já decidi meu voto há muito tempo. Você leitor, se ainda não fez a sua, aproveite nossas considerações aqui no Palavra Livre, converse, discuta, veja novamente quem é quem, suas propostas, se factíveis ou não, e decida seu voto com independência e consciência. Você merece, Joinville merece. Boa sorte à Udo Döhler e Kennedy Nunes. Bom voto a todas e todos!

Licitações adiadas? Eu já sabia…

Sob mais uma justificativa, das quantas que o Governo Raimundo Colombo do PSD já deu a Joinville em quase meio governo, as licitações para a duplicação da avenida Santos Dumont foram adiadas. Novidade? Nenhuma. Quando do anúncio feito pelo Governador em 18 de junho, publiquei aqui no Palavra Livre a matéria adicionando – alguém acredita? – (clique aqui e leia) e agora só vejo confirmada o quanto eleitoreiro foi o anúncio, e tanto quanto agora o ainda é…

Enquanto isso, graças a Deus, deve pensar Colombo, a BMW anunciou finalmente que vai construir sua fábrica em Santa Catarina, em Araquari, cidade ligada à Joinville. Assim, um fato se sobrepõe ao outro, e safa-se por enquanto o líder maior do PSD de mais uma saia justa com a maior cidade catarinense. Não esqueçamos que há escolas ainda interditadas, e que não voltam a ser ocupadas porque o governo do PSD não anda aqui, mas somente em Lages e Capital.

Após o domingo de eleições, não teremos grandes surpresas favoráveis não. O secretário da Fazenda, Nelson Serpa, já adiantou que estão “cortando” despesas para dar conta de pagar até o décimo terceiro dos servidores… Enquanto isso tem gente aqui prometendo elevados a três por dois, em seis meses… com dinheiro do Estado. Dá prá fazer? Estão brincando com os joinvilenses….

PT Joinville: do auge ao abismo em quatro anos

Nunca antes na história deste país se fez algo parecido. Lutar durante três décadas para chegar ao poder, e em apenas quatro anos, desabar abismo abaixo. Sim, falo do PT joinvilense, único, da gema, que conseguiu a proeza de conquistar a Prefeitura após várias tentativas, e em apenas um mandato, rasgar a sua estrela relegando milhares de militantes à desgraça (fala deles, não minha, ok?) do apoio fechado e anunciado à Kennedy Nunes, ex-PMDB, ex-PFL, ex-PP, e agora por enquanto do PSD.

Carlito Merss preparou-se durante anos para o momento de assumir o comando da maior cidade catarinense. Ocupou espaços preciosos na Câmara de Vereadores, Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados, atuou com desenvoltura no governo Lula. Ao chegar ao governo em 2009 levou consigo a esperança de tempos diferentes na velha, conservadora e dependente Joinville. Mas aí começa a derrocada. Erros sobre erros de gestão, da comunicação (essa então, mereceria capítulo à parte!), de habilidade política.

Seu grupo de apoio, conhecido como o núcleo “duro”, hoje sabe-se que não tao duro assim ao ponto de capitular para o algoz do governo petista, passou a exigir currículos de companheiros. A enxergar um espião em cada cargo aliado. A calcular números de dívidas que jamais se confirmaram. A virar as costas para amigos, simpatizantes, companheiros de partido. Até conseguirem perder aliados como o PMDB em primeiro lugar, PR mais à frente com a divisão entre grupos, e finalmente com o PDT.

A incompetência na gestão política, e a péssima comunicação institucional do governo, e a falta da mesma comunicação para proteger a sua estrela maior, Carlito Merss, selaram a receita infalível para a derrocada final, que veio com o pedido, aceito, da cassação da candidatura petista por erro crasso de gestão do orçamento em ano eleitoral. A partir daí começam a procurar os culpados. Estariam eles na mídia? Ou talvez nos outros partidos? Ou mesmo no povo, que não compreende nada? Não conseguem enxergar o óbvio.

Se há culpados dessa derrocada histórica para o PT (olhem que Lula e Dilma estão aí para mostrar como se faz…), são os mesmos que rodeiam o atual Prefeito, que agora lastimavelmente se mostra mais uma vez fraco diante do tal “núcleo duro”, agora envolto com fisiologismos de toda ordem, sob o manto de “continuidade” do governo, etc, e tal. Ora bolas gente, o povo negou essa continuidade! O povo negou ficha suja para o comando da Prefeitura! O povo quer algo diferente, mesmo que agora a escolha em segundo turno seja muito dura. Difícil. Imprevisível.

Ao povo joinvilense agora, o que se pede é atenção, muita atenção. Não há nada novo no segundo turno, é verdade, o não é? Kennedy Nunes é o novo velho na política. Vive dela há mais de 20 anos! Udo é o velho novo que busca um lugar na história da cidade onde nasceu. Um político carreirista, carismático, adepto à demagogia, com base no eleitorado suscetível à religiosidade. Outro, empresário com fama de durão, gestor, sem carisma, com um eleitorado forjado à imagem e semelhança do PMDB e seu comandante máximo LHS, e em sua primeira eleição. Vejam o quanto é difícil a decisão no dia 28 de outubro. Mas vote, vote pelo melhor.

E ao PT, o que sobra? Na modesta opinião deste jornalista que atua e cobre política há 20 anos, é preciso renovar radicalmente a condução do partido. Para retirar a estrela do abismo, amassada, rasgada e espicaçada pelo tombo, é preciso mais que lideranças do arco A, ou B. Será preciso um momento com caras novas, com vontade de reconstruir e fazer partido, como no início desse partido popular. Para isso, talvez seja preciso mais uma derrota. Os militantes dos bairros irão dizer se querem salvar sua estrela para defender Dilma em 2014, ou atirá-la nos braços dos mesmos, sob a tutela de outros.

Ah, e antes que me atirem pedras por todos os lados e redes sociais: ouçam com carinho o que as urnas disseram. Elas são extremamente sábias.

PSDB vai apoiar Kennedy Nunes em Joinville no segundo turno

O PSDB de Joinville vai apoiar o deputado estadual Kennedy Nunes (PSD) no segundo turno da eleição à Prefeitura de Joinville. Em entrevista nesta quarta-feira pela manhã, Marco Tebaldi (PSDB) anunciou que o partido seguirá o candidato pesedista.

A decisão, segundo o tucano, foi tomada depois de cinco reuniões, que incluíram os vereadores eleitos, a nominata de candidatos que concorrem à Câmara de Vereadores, a executiva do PSDB e com outros oito partidos que apoiaram Tebaldi no primeiro turno.

— Vamos apoiar a candidatura do Kennedy Nunes. Essa é a decisão do partido. Não precisamos personalizar esse apoio, mas o Kennedy é o meu candidato —, disse Tebaldi.

Ainda nesta manhã, o presidente em exercício do PSDB de Joinville, o vereador Lauro Kalfels, entregou o plano de governo tucano para Kennedy. A ideia é que ele aproveite alguma proposta, como o ensino em tempo integral.

Além disso, Cromácio da Rosa, integrante do diretório tucano, foi indicado para ajudar na campanha do deputado estadual.

Mesmo com a aliança confirmada, Tebaldi não deve participar da campanha de Kennedy. Antes de fechar com o candidato pesedista, Tebaldi chegou a conversar com o senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), mas preferiu fechar com Kennedy porque ele teria o “eleitorado na periferia, onde está o do PSDB”.

Fonte: A Notícia

Darci de Matos desiste da disputa pela Prefeitura de Joinville

Recebo nota da assessoria de imprensa do deputado estadual Darci de Matos (PSD), que acaba de desistir do sonho da disputa pela Prefeitura de Joinville, maior cidade de Santa Catarina. Os últimos movimentos políticos mostravam que ele desistiria, e agora diz que vai apoiar seu correligionário, o também deputado Kennedy Nunes. Se os argumentos utilizados por Darci para, como diz na nota, abdicar da candidatura em favor de Kennedy, este também pode em breve desistir também. Falta de apoio do Governo Colombo, falta de tempo na TV, etc, é o mesmo problema para seu colega. Enfim, menos um na já fraca lista que os joinvilenses tem para votar em outubro. Veja a nota:

“Nota Oficial:

É do conhecimento de todos meu compromisso com Joinville. Na minha trajetória política, toda percorrida em Joinville, duas vezes como vereador e duas vezes como Presidente da Câmara, e agora no segundo mandato de deputado estadual, sempre procurei defender e cuidar de nosso município, seja em ações sociais ou na captação de recursos para o desenvolvimento e bem estar da nossa comunidade.

Nunca escondi meu desejo de estar à frente da Prefeitura de Joinville e poder contribuir ainda mais. Em 2008 fui candidato a prefeito, chegando ao segundo turno com mais de 100 mil votos de confiança e apoio. Preparei-me para as eleições de 2012 com o objetivo de novamente concorrer à prefeitura e ajudar minha cidade, mas devido ao cenário político que se apresenta me faz, neste momento, adiar ao projeto de participar das eleições deste ano.

O tímido apoio do governo do Estado ao nosso projeto político, a saída da Secretaria de Educação do meu fraterno amigo deputado federal Marco Tebaldi, e seu consequente lançamento como pré-candidato à prefeitura, bem como o pouco tempo destinado à propaganda eleitoral, no rádio e na televisão, a nosso partido (PSD), durante o período das eleições, são os principais motivos que me fazem abdicar da candidatura a prefeito. Nosso partido terá candidato à prefeitura, que será o deputado estadual Kennedy Nunes, ao qual destinarei meu apoio.

Continuarei à disposição da cidade de Joinville, como cidadão e deputado estadual, trabalhando para construir uma Joinville Melhor.

DARCI DE MATOS – Deputado estadual
Joinville, 17 de maio de 2012″