Grupos de agricultoras catarinenses tem até dia 1/12 para inscrever projetos no Incra

Grupos de mulheres assentadas em oito municípios catarinenses já inscreveram pré-projetos na seleção pública do programa Terra Sol Mulheres do Incra, que visa apoiar a agroindustrialização e comercialização em assentamentos da Reforma Agrária. As inscrições tinham data final na última sexta-feira (31), mas foram prorrogadas até o próximo dia 01 de dezembro.

Exclusiva para projetos de agricultoras assentadas beneficiárias do Programa Nacional de Reforma Agrária, a seleção busca fortalecer a organização em grupos produtivos por meio do incentivo à produção, beneficiamento, industrialização e comercialização de seus produtos. No caso de sete dos oito pré-projetos catarinenses, as mulheres buscam recursos para a estruturação ou implementação de panificações nos assentamentos.

É o caso do grupo de mulheres do assentamento Dom José Gomes, em Chapecó, que já tem estrutura de panificação montada com recursos do Crédito Apoio Mulher, do Incra, e agora busca ampliar as atividades. Neste mesmo assentamento e também no projeto Olívio Albani, em Campo Erê, as assentadas pretendem também trabalhar com plantas medicinais.

Além de Chapecó e Campo Erê, os projetos contemplam assentamentos dos municípios de Água Doce, Passos Maia, Santa Cecília, Irineópolis, Caçador e Rio Negrinho.

Avaliação
Os pré-projetos catarinenses, assim como todos aqueles enviados pelos demais estados brasileiros, passarão por classificação a ser realizada pela Comissão de Seleção, que confere pontuação a itens como inserção do projeto em Territórios da Cidadania, abordagens agroecológicas, envolvimento de organizações de mulheres, etc.

Os projetos passam ainda por qualificação nas Superintendências Regionais do Incra e por análise e aprovação no Incra/Sede e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) antes de receberem o aval para serem financiados.

Podem inscrever projetos entidades e instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos e grupos produtivos informais. As propostas devem ser enviadas para o e-mail agroindustria@incra.gov.br até o prazo de 01/12/2014. Formulários e informações disponíveis no endereço www.incra.gov.br.

Estudantes realizam projeto de acessibilidade para escola pública

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) aprovou um projeto da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), em Joinville, para o estudo das instalações físicas da Escola de Educação Básica Dr. Jorge Lacerda. A intenção é promover a acessibilidade, mobilidade e conforto ambiental na instituição, localizada no bairro Guanabara e que possui 33 anos de existência.

O projeto elaborado pela professora de Engenharia Civil, Nilzete F. Hoenicke, com apoio da professora Ivani Teresinha Lawal, do departamento de física, recebeu cerca de R$ 26 mil. Os recursos serão utilizados para o pagamento de bolsas para um professor e mais quatro alunos da Escola Jorge Lacerda, além de bolsa para um estudante da Udesc. A universidade receberá também material gráfico, de expediente e todos os equipamentos necessários à pesquisa como computador, máquina fotográfica com filmadora, tablets, termômetros, trenas manuais e eletrônicas.

Conforme a diretora da escola, Maria Sueli da Rosa, o edifício, que abriga atualmente 1.100 alunos, necessita da instalação de rampas, adequação de sanitários e mobiliários, entre outras melhorias. “A acessibilidade é uma reivindicação antiga da comunidade. Hoje, temos uma professora e cerca de dez alunos com necessidades especiais. Acolhemos com muita alegria essa parceria com a universidade, que chegou na hora certa”, afirmou.

A Udesc conheceu as necessidades da Escola Jorge Lacerda após realizar projeto de reforço escolar, por meio dos acadêmicos dos cursos de licenciatura em Matemática, Física e Química. Desta vez, a iniciativa envolve os alunos de Engenharia Civil e visa colocar o universitário em contato com a prática da profissão já no início de carreira. “Ele preconiza que o estudante de Engenharia Civil envolva-se na solução de problemas oriundos da utilização de um edifício construído, com a ajuda dos estudantes do 2º grau, que podem assim ser despertados a prosseguir na área de Engenharia”, ressalta Nilzete.

A Udesc Joinville será a instituição executora do projeto e terá a Escola Jorge Lacerda como co-executora. As primeiras reuniões entre as duas instituições já foram realizadas e, após concluído, o projeto será encaminhado para a Secretaria de Desenvolvimento Regional de Joinville, que deverá executar as obras propostas, ainda sem previsão para início.

Jogo incentiva aprendizado de história

Wellington Rutes, Éwerton Cercal e Matheus Ramos da Silva - Foto de Carlos Marciano

O ano é 1986, o solo é seco, os aliados de Euclides da Cunha foram derrotados e o protagonista é um historiador do futuro. Um personagem fora dos livros didáticos da  História do Brasil, mas fundamental no jogo que está em desenvolvimento pelo Núcleo de Aplicações Visuais (Navi) da Udesc Joinville. O projeto será apresentado nesta terça-feira, 27, no I Simpósio de Pesquisa em Games da UFSC, em Florianópolis.

Como o próprio nome diz, “Historiador do futuro: missão Canudos”, irá retratar o conflito (1896 a 1897) entre o Exército Brasileiro e os integrantes de um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro. Porém, o protagonista não é um combatente, mas sim um pesquisador vindo do futuro, que se vê dentro do campo de batalha a fim de registrar o acontecimento. Curioso e sem compromisso com nenhum dos lados, ele resgatará aspectos tanto do lado militar quanto dos opositores, reescrevendo a história.

Embasado pelo conceito dos Jogos Sérios (formatos que trazem à tona assuntos de interesse amplo, podendo até ser de cunho social), a proposta do grupo é fazer um jogo que ensine de forma lúdica o fato histórico. “O nosso diferencial será permitir a interatividade e imersão. No comando do Historiador, o aluno irá coletar informações, escutar conversas, interagir com objetos, enfim, vivenciar o conflito”, ressaltou Éwerton Cercal, estudante de Ciência da Computação, que faz parte do grupo de desenvolvedores.

A base histórica que permeará o roteiro do jogo virá do livro “Os Sertões”, do jornalista Euclides da Cunha, além de seus escritos divulgados no jornal O Estado de São Paulo, quando na época o escritor presenciou parte desta guerra como correspondente do veículo. Neste sentido o projeto desenvolvido pelo Navi também trata-se de um Newsgame, ou seja, jogo que retrata acontecimentos, atuais ou não, difundidos na mídia jornalística.

Embora migre para o cenário e interaja com o ambiente, o personagem principal é um pesquisador que volta no tempo com a tarefa de compreender a história humana, porém sem alterar os acontecimentos propostos em “Os Sertões”. No entanto, o jogador poderá tirar suas próprias conclusões sobre o conflito, por conhecer os dois lados combatentes.

Para progredir no jogo o usuário terá que coletar informações dos exércitos, preencher formulários com os achados além de receber recompensas por tarefas bem sucedidas. “Isto fará com que o aluno assimile o conteúdo ali retratado, e somente passará de fase e receberá recompensas se responder corretamente aos questionamentos”, destacou Éwerton.

Programadores, game designers, modeladores e roteirista integram a equipe, formada por estudantes de três instituições e apoiada também por profissionais de outras áreas como professores de história que auxiliam para que o desenvolvimento do enredo esteja de acordo com os registros históricos do conflito. Ao todo, 12 pessoas trabalham diretamente com o projeto.

Por ser um projeto extracurricular o jogo ainda está em início de desenvolvimento, porém já tem a parte conceitual estruturada além dos avanços no roteiro, modelagens e personagens. A mecânica e ferramentas técnicas também estão definidas: a modelagem, texturização e animação 3D será feita na plataforma Blender. Já o motor que rodará o jogo nos computadores será desenvolvido no Unreal Development Kit (UDK).

“A princípio queríamos fazer um jogo on-line, com acesso pelo navegador. Mas devido a questões de segurança e outros problemas que poderiam surgir optamos por criar o jogo nessa plataforma e instalá-lo posteriormente nos computadores”, explicou Éwerton.
Ele destacou que a meta é finalizar o tutorial do jogo até a segunda quinzena de dezembro e desta forma testar as configurações de movimento e mecânica. Feito isso e já com a programação traçada, o próximo passo será criar a versão beta com a primeira fase do jogo. Esta deverá ficar pronta no início de 2013 e será testada com as turmas do ensino fundamental da Escola Celso Ramos.

“O início é a parte mais complicada, após os primeiros testes práticos na escola teremos um feedback do projeto e saberemos onde aprimorar. Com a parte técnica estruturada o trabalho tende a ficar mais rápido”, espera Éwerton  ressaltando que a partir de então o foco será na construção do enredo das próximas fases, até o conflito ser totalmente retratado no jogo.

Projetos inovadores serão premiados na Udesc Joinville

Casa controlada por Iphone, leitura em Braille com auxílio de Bluetooth e acionamento de aparelhos domésticos via internet. Estes são os três projetos finalistas do Prêmio Universitário Inovador, uma competição interna promovida pela Udesc Joinville para incentivar a inovação entre os estudantes.

Os projetos estarão em exposição, nesta quinta-feira (25) das 15h às 17h no hall do bloco E do campus da universidade. Eles serão avaliados por uma comissão técnica e a premiação acontecerá às 18h no auditório do mesmo bloco. O primeiro lugar receberá R$ 4 mil, o segundo, R$ 2 mil, e o terceiro colocado, R$ 1 mil.

O Prêmio integra a Semana da Inovação Tecnológica que prossegue até esta sexta-feira (26) com a realização de palestras e minicursos gratuitos sobre empreendedorismo e inovação. O evento é uma realização do Núcleo Estudantil de Inovação Tecnológica com o patrocínio das empresas Embraco, Whirpool e Bühler e apoio da Aiesec e Grupo PET / Udesc.

“É uma competição motivadora, pois nos incentiva a colocar em prática as nossas ideias e dar visibilidade a elas”, ressaltou Ronny Knock, estudante de engenharia elétrica que participa do projeto “Domótica: Controle sua casa”. O estudante de Engenharia Elétrica, Dimas Rafael Broering, compartilha da mesma ideia. “É uma excelente iniciativa da universidade pois fomenta a inovação e o espírito empreendedor”, ressaltou. Conheça os projetos que concorrem ao Prêmio Universitário Inovador:

Conversor texto/Braille para dispositivo móveis via Bluetooth
A proposta é auxiliar os deficientes visuais na leitura por meio do método Braille. Uma das grandes dificuldades deste público é o alto custo dos equipamentos, como impressoras que imprimem na linguagem. O projeto dos estudantes de Engenharia Elétrica, Guilherme Michels e Lucas Vinícius Souza, visa suprir exatamente esta carência.

Em uma espécie de caixa, seis pequenos eixos demarcam os pontos padrões da linguagem Braille. O deficiente posiciona o dedo sobre esses eixos e, pela conexão Bluetooth, podem ser enviados para este equipamento textos digitalizados. Em uma distância de até 30 metros, o sistema fará a leitura do material enviado e converterá as letras em sinais Braille, dessa forma o usuário irá, literalmente, sentir na pele o que está escrito.

De acordo com os estudantes, o preço de custo do equipamento deve sair em média R$ 200,00. “Há uma grande aplicabilidade. Ele pode auxiliar, por exemplo, professores que dão aulas para deficientes”, explicou Guilherme.

Domotic Center: sua casa inteligente
Eletrodomésticos, interruptores e até sistema de alarmes controlados pelo celular. Esta é a proposta do protótipo construído pelos estudantes Elias Mazzocio (Ciência da Computação), Dimas Rafael Broering (Engenharia Elétrica) e Giorgio Grotto (Administração – Esag). Dentro dos pilares de conforto, segurança e sustentabilidade o equipamento consiste em um módulo principal (que armazena as programações) um servidor (para onde as programações são enviadas via rádio frequência – Wireless e 3G) e um dispositivo móvel (celular com sistema Android, por exemplo).

Após tudo programado, apenas com o celular, o usuário poderá controlar vários equipamentos da casa como lâmpadas, eletrônicos e até sistemas de alarme, investindo cerca de R$ 500,00 por ambiente. “Nossa ideia é fornecer uma automação residencial com custos bem abaixo do mercado, além de que nosso sistema não comprometerá as instalações já existentes”, explicou Elias ressaltando que mesmo uma casa já construída poderá aderir à novidade, visto que o sistema não requer instalações complexas.

No âmbito da sustentabilidade, o projeto visa reduzir os gastos com energia elétrica, de forma que sensores ligarão os equipamentos apenas quando pessoas estiverem no local. “Colocando todos os controles da casa em um único aparelho, eliminaremos a necessidade do stand-by nos equipamentos eletrônicos, reduzindo as despesas”, reforçou Dimas.

Os garotos já instalaram o protótipo em alguns locais e até o fim do ano pretendem testá-lo em dez residências, de forma a terem um feedback e prosseguir avançando no projeto.

Domótica: Controle sua casa
Semelhante ao projeto anterior, a invenção dos estudantes de Engenharia Elétrica, Ronny Knoch, Adriano Pires e Emiliano Veiga (mestrando), possibilitará que o usuário controle os equipamentos da casa on-line com o diferencial do sistema “plug an play”. A base também é um servidor, um módulo de rádio frequência e um dispositivo móvel para acionar. No entanto, com uma simples programação, a pessoa poderá reorganizar o ambiente e, automaticamente, o sistema irá identificar essa alteração.

“Com nosso sistema o usuário terá visão de toda planta baixa da casa, podendo inserir ou deslocar seus equipamentos e instalá-los facilmente em outro local, sem prejudicar o acionamento por dispositivo remoto”, explicou Ronny. Como se tratam de projetos em amadurecimento não existe ainda uma projeção exata em relação aos valores. Estima-se que com investimento de aproximadamente R$1000,00, os estudantes possam oferecer aos interessados os equipamentos básicos e a manutenção. À medida que o usuário veja uma nova necessidade e queira criar novos sensores, por exemplo, eles também disponibilizarão estes serviços.