Prá que inimigos com companheiros assim…

carlitoO prefeito de Joinville, Carlito Merss (PT), deve estar se perguntando porque resolveu encarar o desafio de administrar a maior cidade catarinense, deixando para trás um belo currículo como deputado federal atuando em Brasíllia. Além de não conseguir dar ritmo ao seu governo, Carlito conviveu desde o início com problemas políticos, na maioria deles criados exatamente pelo seu partido e assessores mais diretos.

Na eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores, decidiu não intervir e perdeu a maioria, o comando, e agora sente os efeitos diretos de ter projetos engavetados, dormindo nas comissões técnicas, ou mesmo sendo bombardeado pela oposição. Seu Secretário de Finanças, logo em seguida, saiu dando números astronômicos da dívida da Prefeitura com fornecedores – 100 milhões, dizia – e no final até agora não se sabe qual o valor exato. O fato é que há credores em dificuldades, Prefeito dando explicações, e ex-Prefeito passando ao largo.

Seu Secretariado não consegue atender na velocidade exigida, os anseios e reivindicações da comunidade. Sua comunicação com a população falha ao não potencializar ações que, embora pequenas ainda, poderiam deixar uma imagem bem mais positiva. Os regionais também não estão na rua defendendo seu governo. Quer pior que isso?

Sim, pode ser pior. O grupo que faz oposição ao Prefeito Carlito em seu partido conseguiu vencer as eleições para o Sindicato dos Servidores. Novamente o governo não agiu e perdeu, e agora vê seus opositores internos preparar uma greve por aumento salarial, colocando mil servidores nas ruas com palavras de ordem contra seu maior líder. Ou seja, não agrada a quem depositou confiança na mudança da gestão, não agrada seus partidários, um inferno astral.

Dias desses conversamos na mesa da Petisqueira do Evaristo, próximo a sua casa e ele disse que combater os adversários é fácil, já se conhece o estilo. Mas ser acossado por sua gente, de casa, é complicado. Pois é Carlito, com companheiros assim, prá que inimigos?

Ficha Limpa já tem 207 candidatos na mira

A Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10) já poderá tirar da disputa eleitoral de outubro pelo menos 207 candidatos. Entre eles, pesos pesados da política, como Joaquim Roriz (quatro vezes governador do Distrito Federal), Anthony Garotinho (ex-governador do Rio e ex-candidato à Presidência da República) e Jader Barbalho (ex-governador do Pará e ex-presidente do Senado). Levantamento feito pelo Congresso em Foco nos sites das 27 unidades do Ministério Público Federal (MPF) mostra que os procuradores eleitorais procuraram passar um pente fino em todos os registros apresentados à Justiça Eleitoral até a última segunda-feira (5).

Os dados foram recolhidos até as 22h de ontem (12). No entanto, os números devem aumentar, já que o MPE estuda, em vários estados, os registros de candidatura. Além disso, das 27 unidades da federação, somente 11 tinham colocado em suas páginas oficiais as listas com os pedidos de impugnação dos candidatos. Todas as ações devem ser julgadas até 5 de agosto, de acordo com o calendário eleitoral estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Além disso, outro fato que pode fazer o número aumentar e retirar ainda mais pessoas com problemas na Justiça da disputa é a falta de documentação na hora de fazer o registro. Somente em Goiás, de acordo com informações da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE-GO), 74 candidatos não entregaram as certidões criminais e podem sair da disputa eleitoral. Caso não tenham condenações por órgãos colegiados, voltam à corrida.

O estado com o maior número de pedidos, até o momento, é o Ceará, com 41. Ele é seguido do Maranhão (40), Rio de Janeiro (34), Goiás (27), Tocantins (23), Acre (16), Pará (10), Alagoas (6), Distrito Federal (5), Rio Grande do Norte (2) e Sergipe (1). Esses estados divulgaram os motivos das ações. A conta também pode aumentar por outro motivo. Dois estados, Minas Gerais e Rondônia, não discriminaram se pediam a impugnação com base na Lei do Ficha Limpa. Somente em Minas foram 204 pedidos de impugnação até a última quinta-feira (8). Em Rondônia, foram protocoladas 234 representações.

Entre elas, está a do ex-senador Expedito Junior (PSDB). Ele foi cassado pelo TSE por compra de votos nas eleições de 2006. A sentença transitou em julgado, e ele perdeu, na época, os direitos políticos por três anos. Porém, com o ficha limpa, esse período aumenta para oito anos. No entanto, os advogados do tucano acreditam que, pelo fato de não haver mais possibilidade de recurso, e Expedito já ter cumprido a pena, a perda dos direitos políticos dele não pode ser ampliada.

Com informações de sites Terra, Congresso em Foco, Ag. Brasil

Câmara começa a discutir o Projeto “Ficha Limpa”

O plenário da Câmara dos Deputados começa a discutir hoje (7) o Projeto Ficha Limpa, que proíbe a candidatura de pessoas que tenham sido condenadas por decisão de colegiado. Como a proposta não tem pedido de urgência, as emendas apresentadas em plenário farão com que a matéria retorne à Comissão de Constituição e Justiça para análise da constitucionalidade.

Na prática, a matéria só deverá ir a plenário para votação na primeira semana de maio. Segundo o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), seu partido e o PT não quiseram assinar requerimento de urgência para dar agilidade à votação, alegando que a matéria precisa ser mais discutida. Por isso, foi estabelecida a data de 29 de abril para que o requerimento seja assinado – com a garantia das assinaturas dos dois maiores partidos da Casa – e, em seguida, vá para o plenário. “Isso não é um adiamento. Eu preciso cumprir o regimento, mas já avisei aos líderes que vamos votar de qualquer jeito”, afirmou Temer.

Da Ag. Câmara

Lula: novos Ministros terão que trabalhar muito mais que os atuais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta tarde que, na reta final do mandato, quer aproveitar o máximo de sua equipe. Na entrevista concedida após almoço com o rei da Suécia, Carl Gustaf, ele afirmou que os novos ministros que entram no governo no dia 1º de abril terão de trabalhar mais do que os que deixarão o governo para disputar as eleições.

“É quase que natural. Você está no fim da festa e quer sentar numa cadeira e não quer dançar mais. Agora, eu quero que a turma dance”, disse o presidente.

Lula salientou que ainda tem muitas obras para concluir até o final do mandato e quer empenho dos novos ministros. “Esse pessoal que vai entrar vai trabalhar muito mais que o pessoal que sair”. Ele ainda mandou um recado para a secretária executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, que comandará a pasta. “Quem entrar no lugar da Dilma, vai trabalhar muito mais que ela”.

Projeto de lei quer indenizar acidentados em rodovias mal conservadas

Se a idéia pega pelo Brasil afora, quem sabe as rodovias passam a ter a atenção na recuperação? Vejam que notícia chega da Assembleia Legislativa do Mato Grosso (MT):

O deputado Nilson Santos (PMDB) apresentou um projeto de lei que dispõe sobre a indenização às vítimas de acidentes decorrentes da má conservação das vias públicas em Mato Grosso. De acordo com o parlamentar, o cidadão vitimado em acidente provocado pela má conservação das vias públicas e sinalizações estaduais, apresentará ao órgão competente requerimento indicando seus dados pessoais, residência, cópia autentica a do respectivo boletim de ocorrência e/ou médico, acompanhados da relação dos valores dos bens e serviços a serem indenizados.

A indenização será no valor correspondente a reparação dos danos pessoais e/ou do veículo, monetariamente corrigida à data do seu efetivo ressarcimento.“É notável, público e inaceitável que nossas vias detenham condição lastimável de asfalto, acostamentos e sinalizações. Diante disso, o projeto tem por objetivo proporcionar uma melhor qualidade de vida, inclusão social e a liberdade que faz jus a pessoa com necessidades especiais”, explicou o parlamentar.

Santos destacou ainda que o elevado número de acidentes de trânsito é decorrente das péssimas condições em que se encontram as rodovias brasileiras. “Nosso trânsito pesado, formado por caminhões, ônibus, carretas e similares, colabora na deterioração do asfalto, cuja qualidade deveria ser indiscutível. Basta de tantas mortes provocadas por buracos, crateras, péssimo asfalto, falta de acostamento, sinalização encoberta por matos, sinalização inexistente, indiferença das autoridades e desrespeito para com cidadãos e famílias inteiras”, alertou ele.

Dilma encosta em Serra, e nem começou a guerra…

Pesquisa Datafolha publicada na edição deste domingo (28) do jornal Folha de S.Paulo, mostra que a pré-candidata do PT à Presidência, ministra Dilma Rousseff, cresceu cinco pontos nas pesquisas de intenção de voto de dezembro para janeiro, atingindo 28%. No mesmo período, a taxa de intenção de voto no governador de São Paulo, José Serra (PSDB), recuou de 37% para 32%. Com isso, a diferença entre os dois pré-candidatos recuou de 14 pontos para 4 pontos de dezembro para cá.

De acordo com a nova sondagem do Datafolha, o deputado federal Ciro Gomes, pré-candidato do PSB, tem 12% das intenções de voto; e a pré-candidata do PV, senadora Marina Silva, tem 8%. Na pesquisa anterior, Ciro aparecia com 13% e Marina já possuía 8%.

A margem de erro da pesquisa, que foi divulgada neste sábado (27), é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Ela foi realizada entre os dias 24 e 25 de fevereiro. Foram ouvidas 2.623 pessoas com idades maiores de 16 anos. Destas, 9% disseram que vão votar branco, nulo ou em nenhum dos candidatos e 10% informaram que estão indecisos.

A sondagem confirma resultados de pesquisas de outros institutos, que já refletiam uma tendência de crescimento rápido da candidatura Dilma Rousseff e a queda do pré-candidato tucano.

Outros cenários

A pesquisa também apresentou um cenário sem a presença de Ciro Gomes. Nessa simulação, as intenções de voto em Serra ficam em 38% (ante 40% na pesquisa realizada entre 14 e 18 de dezembro); Dilma atinge 31% (ante 26% da pesquisa anterior); e Marina Silva fica com 10% (11% no levantamento de dezembro).

No cenário de um segundo turno, numa eventual disputa entre Serra e Dilma, o tucano aparece com 45% das intenções de voto e a petista com 41%. Ou seja, também em um eventual segunda etapa do pleito, Dilma encosta no tucano, apresentando uma diferença de apenas quatro pontos novamente. O levantamento realizado em dezembro apontava que, nessa situação, Serra teria 49% das intenções de voto e Dilma, 34%. Em outro cenário de segundo turno, Dilma vence com 48%, contra 26% de Aécio.

Aprovação recorde de Lula

A pesquisa avaliou também o índice de aprovação do presidente Lula. Na mostra, a aprovação ficou em 73% (de ótimo e bom). Na pesquisa de dezembro, este índice foi de 72%, o mais alto patamar de popularidade apurado pelo Datafolha.

É, os tucanos achavam que estava tudo dominado….