Livro “Na teia da mídia” – Lançamento dia 15/12 às 19 horas na Midas!

Livro fala sobre jornalismo, direito e comunicação e será lançado dia 15 de dezembro na Midas

Finalmente chega a hora do lançamento do livro “Na teia da mídia”, de autoria deste jornalista e blogueiro em co-autoria com o também jornalista e advogado, Marco Schettert. Na próxima quinta-feira, dia 15 de dezembro, às 19 horas na Livraria Midas, ou Armazém Cultural Midas, haverá o evento com noite de autógrafos e, se Deus quiser, e eles também quiserem, a presença de muitos amigos, colegas de profissão, advogados, familiares, enfim, todos que se interessam por uma boa história.

O livro trata sobre jornalismo, direito, comunicação social, e conta a história da família Plocharski que foi envolvida no famoso caso do Maníaco da Bicicleta que aconteceu no ano 2000. Para quem não lembra, um estuprador atacava mulheres em Joinville (SC), e para se locomover usava uma bicicleta. O terror se espalhou na cidade, já que a polícia não conseguia prender o criminoso. Nesse cenário, um trabalhador braçal, Aluísio Plocharski, foi detido pela polícia, não reconhecido pelas mulheres vítimas, mas teve sua foto indevidamente divulgada em jornais, panfletos espalhados pela cidade, na televisão, e a polícia chegou a invadir sua casa buscando provas, causando um mal que reflete até hoje na vida da família.

É essa história danosa, o processo que moveram contra os órgãos de comunicação e estado pelo dano moral, e o estudo dos efeitos da comunicação na vida das pessoas que você vai encontrar neste livro. A intenção minha e de Marco Schettert é fazer um debate sobre nossas ações e atitudes diante dos desafios da profissão de jornalista, sobre o jornalismo, perpassando também pelo direito. Para que cada vez menos aconteçam erros na imprensa, e também da polícia, que podem afetar para toda a vida,  a vida de inocentes.

Contamos então com a presença dos amigos, leitores, escritores, comunidade em geral para o lançamento. Receberemos a todos e todas com muita satisfação. Quem quiser garantir seu exemplar antecipadamente pode mandar um email para gislene_rabello@hotmail.com, ou ainda para imprensa@salvadorneto.com.br, com nome, fone e todos os contatos. O valor de venda é de R$ 30,00.

Desde já agradecemos a atenção dos amigos. E para o amigo Marco Schettert, que foi o motivador da realização desse sonho, o meu abraço fraternal e desejo de sucesso sempre! Porque sonho que se sonha só, é apenas um sonho. Mas sonho que se sonha junto, é realidade! Aguardamos todos vocês no dia 15 de dezembro, 19 horas lá na Midas. Abraços!!

Livro pode ter dois prefaciadores, bacana!

Gente, este blogueiro, Marco Schettert e Rubenson, conseguimos que dois grandes nomes topassem ler nossos originais com o intuito de que prefaciem a obra, que está aguardando somente isso para ir à gráfica. Para quem não lembra, nosso livro trata da famosa história ocorrida no ano 2000, quando um estuprador atacava mulheres em Joinville (SC), sempre acompanhado da sua bicicleta, daí a marca de maníaco da bicicleta.

Nós contamos o que aconteceu com um trabalhador braçal, Aluísio Plocharski e sua família, que tiveram suas imagens utilizadas indevidamente pelo programa Fantástico, jornal A Notícia, liberadas que foram pela Polícia Civil. Não darei os nomes ainda, até porque eles estão lendo a obra, e ainda não nos responderam. Breve novidades!

Livro sobre caso Maníaco da Bicicleta e suas implicações em fase final

Um sonho de três jornalistas vai sair do papel em breve: o livro que conta a história do caso Maníaco da Bicicleta em relação ao personagem que foi vítima da mídia, e não o verdadeiro maníaco que foi preso tempos depois. Este blogueiro e jornalista, o advogado, historiador e também jornalista, Marco Schettert, e Rubenson Gonçalves, jornalista e servidor público do judiciário, abordam o tema contando a história, falando sobre dano moral e também a ética jornalística.

Hoje, sexta-feira (8/4/2011), estivemos em visita à uma gráfica em Jaraguá do Sul acertando detalhes para a impressão do livro. Agora vamos finalizar a diagramação e arte final, dar uma última revisada e mandar para o prelo. Estamos definindo ainda o nome do livro, e buscando uma ideia boa para a capa. Queremos que as pessoas leiam e acessem essa história de erros policiais e da imprensa que provocaram a derrocada de uma família, a sua busca por justiça, dano moral, e por que não, falar sobre ética jornalística. Jornalismo e direito andando juntos, lado a lado nas mesmas páginas.

Ele está quase nascendo. Precisamos buscar financiamento, e principalmente ideias para a capa, lançamento e distribuição. A primeira edição terá mil exemplares. Vocês não perdem por esperar!

Justiça condena TV Globo, RBS TV e Estado de SC a indenizar Aluísio Plocharski

Umas das histórias mais tristes para o jornalismo, polícia, e claro, especialmente para Aluísio Plocharski e sua família começa a ter fim: a Justiça acaba de condenar a TV Globo, RBS TV e Estado de Santa Catarina a pagarem indenização de R$ 270 mil ao trabalhador braçal que teve sua imagem difundida indevidamente nos meios de comunicação como sendo o Maníaco da Bicicleta. O caso ocorreu em 2000, quando um criminoso, preso dois anos depois, atacou várias mulheres cometendo estupros, e aterrorizando a cidade por vários meses. A notícia está publicada na edição de hoje do jornal Notícias do Dia que circula em Joinville (SC).

Aluísio Plocharski foi detido para averiguações e acareação com as vítimas, e nunca foi reconhecido como o Maníaco. No entanto, as investigações policiais em seu emprego – logo depois foi demitido – e a divulgação de sua foto como sendo o criminoso, levou a família ao desespero, desintegração e humilhação. Até hoje eles sentem os efeitos da exposição do filho na televisão e jornais. Após longos 10 anos finalmente a Justiça dá sua primeira sentença. Essa decisão deve servir especialmente ao jornalismo, para que cheque sempre à exaustão as informações que são repassadas, sob pena de atingir duramente a honra das pessoas.

Eu conheci a família pela mãe de Aluísio, dona Marli Plocharski, que me procurou para conseguir apoio ao início de seu trabalho como confeiteira para manter a família. Isso aconteceu por volta de 2001, e de lá para cá se formou uma amizade forte, e da sua história nasceu um trabalho de monografia que em breve se transformará em livro, coisa que me comprometi há bastante tempo, mas nunca consegui realizar por motivos profissionais.

Meus parabéns à família Plocharski pela luta em busca de justiça a esses erros. Que seja pelo menos um alento para que retomem suas vidas de forma normal, já que até hoje vivem nessa gangorra, à espera de uma decisão. Certamente a Justiça receberá recursos sobre a sentença, mas o primeiro passo após anos de espera, foi dado. Felicidades dona Marli, a senhora precisa voltar a viver com alegria.