Protestos no Rio – ABI condena agressões a repórteres

palavralivre-reporteres-agressoes-rio-de-janeiroA Associação Brasileira de Imprensa (ABI) divulgou uma nota ontem (16) condenando as agressões cometidas por manifestantes contra repórteres, durante protesto de servidores públicos em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo a ABI, as agressões representam uma “grave ameaça à liberdade de imprensa e ao livre acesso à informação, assegurados pela legislação em vigor. Atos dessa natureza são inaceitáveis em um Estado Democrático de Direito”.

De acordo com a nota, o repórter da TV Globo, Caco Barcellos, foi perseguido por algumas pessoas e chegou a ser atingido na cabeça por uma garrafa de água e um cone de trânsito.

Antes disso, outro repórter havia sido agredido com um pontapé e perdeu os óculos ao escapar do grupo que o perseguia.

“A ABI espera que esses episódios de violência não se repitam diante da péssima repercussão que sempre produzem na imagem do país, onde o jornalismo no Brasil é visto, no exterior, como uma atividade de risco. A história tem mostrado como manifestações de intolerância política contra órgãos de imprensa costumam sempre terminar”, encerra a nota.

Com informações da Ag. Brasil

Jornalistas catarinenses vão à dissídio coletivo por aumento de salários

palavralivre-jornalistas-justica-trabalho-dissidioApós a quinta audiência mediada pelo Ministério Público do Trabalho, realizada nesta terça-feira (18/10), em Florianópolis, a intransigência do Sindicato das Empresas de Jornais e Revistas levou a Negociação Coletiva 2016 ao impasse. A solução do conflito será encaminhada ao Tribunal Regional do Trabalho, mediante ajuizamento de Dissídio Coletivo.

O Sindicato dos Jornalistas realizou duas assembleias antecedendo a audiência: uma no Grupo RBS; outra no jornal Notícias do Dia e TV Record News, do Grupo RIC Record. Em ambas, a categoria saiu das redações e manifestou sua indignação em frente ao prédio das empresas, em duas das maiores assembleias dos últimos tempos. Na RBS, os jornalistas voluntariamente usaram roupas pretas para marcar seu protesto.

A decisão unânime foi de rechaçar a proposta patronal de reajustar os salários em apenas 5%, frente a uma inflação de 9,83%. O Sindicato foi autorizado a fazer uma última proposta de conciliação e, caso não houvesse acordo, a encaminhar o dissídio.

Foi aprovada, também, uma agenda de mobilizações nas ruas e nas redes sociais para denunciar a postura patronal de desvalorização dos jornalistas.

Ouvidos de mercador
Na audiência no MPT, o SJSC fez nova proposta de reajuste salarial pela inflação, sem aumento real. Diante do fato novo, o procurador Alexandre Freitas apelou para a sensibilidade patronal, considerando a proposta bastante razoável diante da realidade.

O presidente do Sindicato das empresas, Ronaldo Roratto, e os advogados Carlos Motta e Aglaé de Oliveira, no entanto, sequer se dispuseram em abrir a possibilidade para uma nova consulta ao segmento empresarial.

“Não estamos autorizados, a assembleia das empresas aprovou 5%”, disse Motta, manifestando ao procurador que estava posto o impasse e encaminhando o conflito para dissídio coletivo.

O presidente do SJSC, Aderbal Filho, reconheceu que o dissídio não é bom para os jornalistas, que sofrerão com a defasagem salarial. Mas alertou ao presidente do Sindicato patronal que é pior ainda para os pequenos veículos.

“Uma coisa é a RBS ou a RIC terem que pagar as diferenças salariais de um longo período quando sair a decisão judicial, outra coisa são os jornais regionais que vão ter que pagar a conta por irmos ao dissídio”, disse.

Após a audiência, a assessoria jurídica do SJSC foi orientada a preparar o processo de dissídio, arrolando também o Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de Santa Catarina, que mais uma vez não compareceu na audiência.

Com informações do Sindicato dos Jornalistas de SC

Abraji denuncia 19 agressões a jornalistas em manifestação contra a Copa

violencia-jornalistas

Levantamento feito pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), divulgado hoje (26), apontou que 19 jornalistas foram detidos ou agredidos durante o protesto Não Vai Ter Copa, realizado no último sábado (22), na capital paulista. Em todos os  casos, os jornalistas apontaram a Polícia Militar como agressora.

O número de jornalistas agredidos ou detidos, durante a manifestação, foi corrigido hoje pela Abraji, que acrescentou à lista cinco novos casos. Segundo a Abraji, nos cinco casos, os jornalistas disseram ter se identificado como profissional de imprensa a serviço.

Desde junho do ano passado, a Abraji já contabilizou 68 casos de agressões a jornalistas em coberturas de manifestações na capital paulista. Do total, 62 foram praticadas por policiais. Entre as agressões a jornalistas, praticadas por policiais, 36 ocorreram apesar de os profissionais terem se identificado como imprensa, informou a associação.

Em todo o país, desde junho, foram relatados 138 casos de agressão, hostilidade ou detenção de jornalistas, durante a cobertura dos protestos. Do total, 109 casos (79%) foram praticados por policiais, 26 agressões (18,8%) por manifestantes e os três casos restante, por guardas municipais ou seguranças privados.

No protesto Não Vai Ter Copa, 262 manifestantes foram detidos, segundo a Secretaria de Segurança Pública. O protesto reuniu aproximadamente mil pessoas. Os detidos foram encaminhados para sete distritos policiais da região central da capital paulista. Todos foram liberados, após prestarem depoimento. Durante o ato, agências bancárias foram depredadas e houve confronto entre manifestantes e a PM, que escalou 2,3 mil homens para a operação, sendo 200 com treinamento em artes marciais.

Um dia depois do protesto, o coronel Celso Luiz Pinheiro, comandante do policiamento da região central da capital paulista, lamentou as agressões sofridas por jornalistas e pediu desculpas por eventuais condutas inadequadas, ou excessos cometidos por policiais militares. Segundo ele, o uso de equipamentos de proteção, por parte dos jornalistas, como máscaras, capacetes e óculos tornou difícil a distinção dos profissionais da imprensa em relação aos black blocs.

Fonte: EBC.

Jornalistas: 35o. Congresso Nacional definirá lutas prioritárias da categoria

O Condomínio Fecomércio, em Rio Branco (AC), abrigará, de 7 a 10 de novembro, as atividades do 35º Congresso Nacional dos Jornalistas, que terá como tema central “Os desafios do Jornalismo e sua contribuição para o desenvolvimento sustentável”. Além do intensa programação, no evento serão definidos posicionamentos e estratégias das lutas centrais dos jornalistas brasileiros para os próximos dois anos. Entre elas a retomada da exigência do diploma para o exercício da profissão, a federalização de crimes contra jornalistas e a instituição de um piso salarial nacional para a categoria.

Antecedendo a abertura do 35º CNJ, haverá, no dia 7 de novembro, também no Condomínio Fecomércio, o V Encontro Nacional de Jornalistas de Imagem. A atividade começa às 10h, com a abertura da Mostra Nacional de Cartuns e Fotografias sobre Meio Ambiente, organizada pelo Departamento de Imagem da FENAJ com contribuições de profissionais de todos os estados da federação, que depois ficará aberta ao público no Memorial dos Autonomistas, no Centro de Rio Branco. No V ENJI Milton Guran, fotógrafo e antropólogo da Universidade Federal Fluminense (UFF), e Orlando Pedroso, da Associação dos Cartunistas do Brasil, debaterão o tema” Imagem como Fonte de Informação na Era Digital”. Posteriormente, os delegados definirão os caminhos para uma maior organização deste segmento da categoria, bem como suas lutas prioritárias.

Espera-se mais de 300 participantes no 35º CNJ, entre delegados, observadores e convidados. A programação conta com cinco painéis, seis oficinas e plenárias diárias, além de atividades culturais e rodas de conversas. Nos painéis, que ocorrerão no período das manhãs, o objetivo é aprofundar o debate sobre as políticas públicas na área ambiental. O primeiro deles, às 8h30 do dia 8 de novembro, com as participações da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e do governador do Acre, Tião Viana, abordará “Políticas de Proteção das Florestas para o Equilíbrio Ambiental do Planeta”. Já as oficinas visam proporcionar atividades de atualização profissional e as rodas de conversas proporcionarão debates mais descontraídos sobre temas da atualidade.

Discussões mais intensas sobre as lutas centrais dos jornalistas brasileiros serão travadas em três plenárias. Nelas os delegados do 35º CNJ se posicionarão sobre 17 eixos temáticos. Entre eles a conjuntura nacional, democratização da comunicação, jornalismo e meio ambiente, formação acadêmica, regulamentação da profissão e Conselho Federal dos Jornalistas, piso salarial e condições de trabalho, saúde e segurança dos jornalistas, direito autoral e ética profissional. Entre teses e emendas apresentadas pela diretoria da FENAJ e Sindicatos de Jornalistas, serão submetidas à deliberação mais de 50 propostas.

Em comunicado aos Sindicatos dos Jornalistas, a Comissão Organizadora do 35º CNJ encaminhou orientações estruturais e organizativas como a confirmação das delegações, hospedagem, esclarecimento sobre o fuso horário (com o Horário de Verão, Rio Branco está 2 horas a menos em relação ao horário de Brasília) e medidas preventivas como atualização de vacinação.

Da Fenaj

Advogado se retrata diante dos jornalistas brasileiros

Em mensagem encaminhada nesta terça-feira (9/10) ao presidente da FENAJ, Celso Schröder, o advogado Sebastião Ferreira Leite pediu desculpas públicas aos jornalistas brasileiros. No mesmo dia ele procurou o Sindicato dos Jornalistas de Goiás para se retratar. No último final de semana, em encontro com jornalistas em Goiânia (GO), Ferreira declarou que “jornalista bom é jornalista morto”. Acompanhe, também, a manifestação do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte aos profissionais do Diário de Natal, que teve sua edição impressa encerrada no dia 2 de outubro.

Na mensagem à FENAJ e aos jornalistas brasileiros pelo uso da frase “jornalista bom é jornalista morto”, Sebastião Ferreira Leite pede desculpas pela expressão infeliz. “O fiz não por acreditar em tal dito, mas sim em tom de pilhéria, num encontro informal com conhecidos meus na imprensa local e dentro de uma conjuntura muito específica no dia do citado episódio”, diz. Para acessar a íntegra do pedido de desculpas públicas, clique aqui.

Sindicato do Rio Grande do Norte se solidariza com profissionais do DN
Em nota emitida no dia 2 de outubro, o Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte lamentou o fim da edição impressa do Diário de Natal, anunciada no mesmo dia, se solidarizou com os trabalhadores do jornal e repudiou o comportamento desrespeitoso da empresa, que comunicou os trabalhadores de sua decisão pelo próprio jornal.

“A notícia da versão impressa do Diário de Natal lembra o que vivemos há pouco com o Jornal do Brasil. Os dois casos são exemplos de empresas que quebraram pela incompetência de administrações conservadoras que usaram o jornalismo em benefício próprio”, afirmou o Sindicato, que protocolou um pedido de mediação de urgência no Ministério do Trabalho para rever a posição do jornal, de demissão coletiva de um grande número de profissionais.

Da Fenaj

Alberto Dines: “É criminoso desconsiderar o jornalismo como profissão”

O jornalista e escritor Alberto Dines foi o entrevistado da madrugada desta segunda-feira, 9, do programa ‘É Notícia’, apresentado por Kennedy Alencar na Rede TV. Durante o encontro, Dines falou sobre a relação entre jornalismo e política, o uso das novas tecnologias e defendeu o diploma para exercer a profissão.

Com mais de 60 anos de atuação nos principais veículos do país e de estudo sobre a imprensa, Dines avalia a decisão de não exigir o diploma para a classe, tomada em 2009, como “um voto infelicíssimo de Gilmar Mendes”. Para ele, a saída primária do relator do caso foi argumentar que o jornalismo não é profissão, e sendo assim não precisaria de diploma.

Segundo Dines, afirmar que o jornalismo é um “ofício eventual” é criminoso, pois tira o caráter institucional da imprensa num processo político. Ele diz que quando a profissão voltar a ser regulamentável seria válido debater o melhor tipo de formação, e cita a Universidade Columbia, onde o curso de jornalismo é ministrado em nível de pós-graduação e tem a duração de dois semestres com atividades práticas.

Do Comunique-se

Dia do Jornalista – Mensagem do Sindicato dos Jornalistas de SC

O Blog Palavra Livre parabeniza a todos os colegas e futuros profissionais, a mais apaixonante de todas as profissões, como disse Gabriel Garcia Márquez

O SJSC saúda os jornalistas catarinenses – profissionais e professores – e os estudantes de jornalismo pela passagem do “Dia do Jornalista”, em 7 de abril. Uma data para comemorar, mas principalmente para reafirmarmos o compromisso com a defesa do Jornalismo como um bem público essencial à democracia; do Jornalismo exercido com ética, responsabilidade, qualidade, para que a sociedade efetivamente seja atendida no seu direito à informação e à liberdade de expressão. Uma data para relembrarmos que não há Jornalismo sem jornalista.

O Dia do Jornalista foi instituído em homenagem à data da fundação da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), em 1908, e ao médico e jornalista João Batista Líbero Badaró, assassinado no dia 7 de abril de 1830, em São Paulo, durante uma passeata de estudantes em comemoração aos ideais libertários da Revolução Francesa.

Consciente do relevante papel social desempenhado pelo jornalista, ao mesmo tempo em que celebra o 7 de abril, o SJSC conclama a categoria para participar cada vez mais das lutas nacionais, regionais e estaduais para a valorização do Jornalismo e da nossa profissão, destacando-se as por melhores condições de trabalho e salariais, por verdadeira liberdade de imprensa, por respeito aos direitos humanos e combate a todo tipo de preconceito, exploração e opressão. Vamos juntos fortalecer todas as batalhas e ações que compõem nossa luta maior pela democracia na comunicação do país.

Em Santa Catarina, chamamos a todos a fortalecer a campanha salarial dos jornalistas, trabalhadores atualmente submetidos a vulnerabilidades. No que se refere à remuneração, estes profissionais não obtêm o merecido retorno, a contrapartida por prestarem um trabalho imprescindível ao País em diversos campos. Apesar de todas as dificuldades impostas pelos donos da mídia, no entanto, os jornalistas têm cumprido o papel de investigar, de buscar a pluralidade de opiniões, a fim de garantir com o resultado do seu trabalho a expressão dos indivíduos e dos grupos sociais.

Nacionalmente, precisamos intensificar nossa participação nas campanhas pela reconquista da plena regulamentação profissional com a aprovação das PECs que restituem a necessidade da formação superior específica para o exercício do Jornalismo, do PL que estabelece um piso nacional para os jornalistas, de combate à precarização das relações trabalhistas, do projeto de federalização da apuração de crimes cometidos contra jornalistas e de denúncia à crescente onda de agressões aos profissionais de comunicação e cobrança de ações dos governos e das empresas para proteção aos jornalistas, por uma nova e democrática Lei de Imprensa, que regule não só o direito de resposta, mas também as relações entre sociedade, veículos e profissionais de imprensa e, mais fundamentalmente, por um novo marco regulatório das comunicações no Brasil, orientado nas resoluções da I Confecom.

Neste 7 de abril, reafirmamos nossa pauta: celebrar as conquistas e continuar firmes na luta pelo Jornalismo e pelos jornalistas!

Diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina

Falta de sabedoria: Serra não sabe que o Brasil é uma República

O jornalista Gianni Carta da Revista Carta Capital divulgou na sua coluna semanal a “falta de sabedoria” e não “gafe” do ex-governador tucano, José Serra. O tucano, que sonha com a Presidência da República, afirmou que desconhecia o fato de que o Brasil é uma República Federativa. No último domingo, dia 4, o ex-governador e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo explicou no Jornal da Noite, da TV Bandeirantes: “O Brasil chama Estados Unidos do Brasil. Os Estados Unidos chamam Estados Unidos da América”.  “Boris Casoy, o entrevistador, teve o bom senso de corrigir o tucano. “Não, o Brasil chama República Federativa do Brasil”, disse Gianni.
Serra cogitou a possibilidade de o nome de seu País ter mudado. Finalmente, reconheceu o erro. “Mas, tentou consertar ao dizer que os nomes são “parecidos”. Ou seja, para ele dá na mesma”, disse Gianni.

Jornalões
Segundo ainda Gianni Carta, para a Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo, que há dez anos pintam Serra como um político “preparado”, Serra cometeu uma “gafe”. “Os jornalões dedicaram escassas linhas à “gafe” para poupar o político que consideram o bastião do republicanismo. Mas não se tratou de “gafe”. Revelou isso sim, a falta de sabedoria do ex-governador de direita. Seria o caso de Serra ler um pouco mais sobre a História de seu País? E para conhecer melhor o PSDB sugerimos a leitura da Privataria Tucana, de Amaury Jr”, finaliza o jornalista da Carta Capital.

Agência FEM

Jornalista é condenado por denunciar grileiro de terras públicas – Uma vergonha

Começou essa semana na internet um movimento em solidariedade ao jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto, condenado por “ofender moralmente” o falecido empresário Cecílio do Rego Almeida, dono da Construtora C. R. Almeida e responsável por grave tentativa de apropriação ilegal de terras públicas na Amazônia.

O jornalista, que é editor do jornal independente Pessoal, teria ofendido o empresário por “pirata fundiário” ao denunciar a tentativa de posse de quase cinco milhões de hectares na região paraense do vale do rio Xingu a partir de registros imobiliários falsos, posteriormente anulados pela justiça federal por se tratar de patrimônio público. Outras duas pessoas também foram denunciadas por Cecílio do Rego Almeida, mas absolvidas pela justiça paulistana que reconheceu a ilegitimidade da acusação, considerando a importância da denúncia para a revelação desse esquema de “grilagem de terras”.

Expedida em 2006 pelo Tribunal de Justiça do Estado do Pará, a sentença que condena Lúcio Flávio Pinto a pagar indenização à família do grileiro poderia ter sido reavaliada caso o recurso especial submetido junto ao Supremo Tribunal de Justiça não tivesse sido negado pela ausência de documentos exigidos pela burocracia do órgão – “cópia do inteiro teor do acórdão recorrido, do inteiro teor do acórdão proferido nos embargos de declaração e do comprovante de pagamento das custas do recurso especial e do porte de remessa e retorno dos autos”.

O valor a ser pago pelo jornalista à família do grileiro será bastante superior aos R$ 8 mil estipulados pela justiça paraense à época da condenação, em virtude da correção monetária necessário para os últimos seis anos. Além da indenização, Lúcio Flávio Pinto também perde a condição de réu primário, o que o expõe à execução de outras ações, entre as 33 que lhe foram impostas nos últimos 20 anos por grupos políticos e econômicos locais, incomodados com as informações e denúncias veiculadas em seu Jornal Pessoal.

“Não pretendo o papel de herói (pobre do país que precisa dele, disse Bertolt Brecht pela boca de Galileu Galilei). Sou apenas um jornalista. Por isso, preciso, mais do que nunca, do apoio das pessoas de bem. Primeiro para divulgar essas iniqüidades, que cerceiam o livre direito de informar e ser informado, facilitando o trabalho dos que manipulam a opinião pública conforme seus interesses escusos. Em segundo lugar, para arcar com o custo da indenização. Infelizmente, no Pará, chamar o grileiro de grileiro é crime, passível de punição”, afirmou o jornalista em nota divulgada em busca de apoio dos leitores.

Cliqueaqui e leia a nota pública escrita pelo jornalista Lúcio Flávio Pinto.

Da CUT Nacional

Violência contra jornalistas – Sindicato faz levantamento em Santa Catarina

Para contribuir na elaboração do Relatório Anual da Violência contra os Jornalistas de 2011, organizado pela Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina está fazendo o levantamento dos casos registrados no estado durante do ano passado.

De acordo com o presidente da Fenaj, Celso Schröder, além dos casos de violência explícita e de cerceamento à liberdade de expressão por meio da Justiça ou de ação governamental, é importantíssimo registrar os casos de violência simbólica (ameaças veladas etc.) e também os casos de censura interna dos veículos de comunicação, que vão da orientação editorial ao impedimento de realização do trabalho independente do jornalista.

“Os meios de comunicação tradicionais tentam apropriar-se dos conceitos de liberdade de expressão e de imprensa e colocarem-se como seus guardiães”, observa Schröder. “Nossa tarefa, portanto, mostra-se cada dia mais grandiosa e mais difícil: temos de esclarecer à sociedade que somos os verdadeiros defensores da liberdade de expressão, como direito individual de cada cidadão, e da liberdade de imprensa, como direito coletivo que tem por finalidade garantir o direito dos cidadãos de se expressarem livremente”.

No entendimento da entidade, um dos instrumentos de que os jornalistas dispõem nessa disputa é o Relatório da Violência, elaborado com a colaboração de todos os sindicatos de jornalistas do país. Para tanto, o SJSC solicita aos jornalistas de todo o estado que enviem, até o dia 29 de fevereiro, informações sobre os casos de violência e de desrespeito aos princípios da liberdade de expressão, que tenham ocorrido na jurisdição do sindicato. Os relatos podem ser enviados por email diretoria@sjsc.org.br ou por telefone (48 – 3228-2500).

“Precisamos contar com o empenho de todos para que tenhamos um relatório expressivo e elucidador da situação da liberdade de expressão e de imprensa no Brasil”, conclui a diretora da Fenaj, Sheila Cristina Faro Reis, coordenadora do Relatório.

Do Sindicato dos Jornalistas de SC