Gripe: Santa Catarina registra 418 casos de gripe e 32 mortes por Influenza, segundo Governo

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) da Secretaria de Estado da Saúde registrou, até o último sábado, 31 de agosto, 418 casos confirmados de gripe pelo vírus Influenza em Santa Catarina. Do total, 185 são casos de Influenza A (H1N1), 107 de Influenza A (H3N2), 112 de Influenza B e um pelo vírus Influenza A (não subtipado). Treze casos confirmados por Influenza A estão aguardando subtipagem pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen).

Segundo o diretor da Dive, Fábio Gaudenzi, há uma tendência de queda no número de casos confirmados de gripe por Influenza nas últimas quatro semanas. “O maior número de casos confirmados ocorreu no período de 20 a 27 de julho, com 49 casos, e desde então vem diminuindo gradativamente”, destaca Gaudenzi.

Os dados da Dive mostram que as regiões de Jaraguá do Sul, Grande Florianópolis, Itajaí e Joinville concentram o maior número de casos confirmados por Influenza no Estado até o momento. O município de Jaraguá do Sul apresenta o maior número, com 67 casos confirmados de gripe por Influenza, seguidos por Florianópolis com 36, Joinville com 35, Criciúma com 18, Guaramirim com 17 e São José com 16 casos.

Nas últimas duas semanas foram confirmados dois casos de gripe por Influenza em residentes de Jaraguá do Sul e Joinville, reforçando a tendência de diminuição de casos hospitalizados na região. Em Florianópolis, neste mesmo período foram confirmados 10 casos de Influenza, sendo cinco pelo vírus A (H1N1), três pelo A (H3N2) e dois pelo Influenza B.

De acordo com informações da Dive, a faixa etária com maior número de casos de gripe por Influenza confirmados é a de 40 a 49 anos.

O gerente de imunização da Dive, Eduardo Macário, explica que 225 casos tinham algum fator de risco associado. Destes, 92 eram doentes crônicos, 67 eram idosos, 32 eram crianças menores de dois anos de idade, 18 eram gestantes e 16 eram obesos. Os 225 casos com fatores de risco fizeram parte do grupo prioritário para vacinação contra influenza em 2013, mas somente 77 se vacinaram.

Trezentos e quarenta e dois casos de gripe por Influenza evoluíram para cura e foram medicados com tamiflu. “Sendo que 221 pessoas fizeram uso em até três dias após o início dos sintomas”, lembra Macário, acrescentando que o prazo para início do tratamento é essencial para o bom resultado do medicamento.

Óbitos por Influenza no Estado

Até sábado, 31 de agosto, foram notificados 159 óbitos por gripe em Santa Catarina. Do total, 126 foram casos de gripe não especificada, 32 foram confirmados por influenza e um caso por outros vírus respiratórios. Dos 32 óbitos por Influenza, 28 foram pelo vírus Influenza A (H1N1), três pelo Influenza A (H3N2) e um pelo Influenza B.

Os municípios da região de Jaraguá do Sul concentram o maior número de óbitos do Estado, totalizando 10, seguidos pelos municípios da Grande Florianópolis com seis óbitos. Vinte e dois municípios de SC registraram óbitos por Influenza, sendo que os municípios de Jaraguá do Sul, Joinville e Guaramirim tiveram três óbitos cada um, e São José, Florianópolis, Chapecó e Corupá tiveram dois cada.

Segundo dados da Dive, os óbitos por influenza se concentraram na faixa etária de 40 a 49 anos e maior de 60 anos, cada um com 10 óbitos.

Dentre os óbitos por Influenza, 23 tinham algum fator de risco associado e as pessoas pertenciam a grupos prioritários para vacinação. Destes, 11 eram portadores de doenças crônicas ou fatores associados a agravamento (pneumopatas, cardiopatas, imunodeprimidos, diabéticos, doentes renais crônicos), 10 eram idosos com idade superior a 60 anos e dois eram obesos. No entanto, apenas seis idosos e um portador de doença crônica tinham sido vacinados neste ano contra a influenza.

A Dive observou que 20 óbitos por Influenza iniciaram o tratamento somente após o quarto dia do início dos sintomas, com um tempo mediano de 5 dias após o início dos sintomas. Eduardo Macário orienta que o tratamento seja iniciado preferencialmente nas primeiras 48 horas, tendo em vista que o antiviral (Oseltamivir) é mais eficaz neste período.

Situação da Gripe em SC

De acordo com os dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, foi identificada uma tendência de diminuição de casos de influenza nas últimas três semanas. Mas também há um pequeno aumento no número de casos de gripe pelo vírus Influenza A (H3N2) acometendo principalmente idosos. Dos três óbitos por Influenza A (H3N2), todos foram em idosos.

O número de casos de gripe por Influenza – 418 casos e 32 óbitos -, até o momento, está abaixo do registrado no mesmo período de 2012 – 974 casos e 80 óbitos.

Mesmo com a tendência de diminuição da circulação do vírus Influenza em todo o estado, a orientação da DIVE é manter o nível de alerta para todas as unidades de saúde, principalmente em relação aos idosos. “É importante que as pessoas mantenham os hábitos de higiene pessoal e a etiqueta da tosse”, lembra Gaudenzi.

O gerente de Imunização da DIVE, Eduardo Macário, destaca ser fundamental que a gripe tenha um diagnóstico rápido e tratamento adequado. “Aos primeiros sinais de gripe, principalmente nesta época do ano, as pessoas devem procurar as unidades de saúde. Os profissionais estão alertados sobre o perigo da gripe e todas as unidades de saúde estão abastecidas com o antiviral Fosfato de Oseltamivir (Tamiflu), que deve ser dispensado gratuitamente mediante receita médica”, complementa Macário.

Da Secretaria de Saúde de SC