Impeachment dá a largada para as eleições

O pedido de impechment do governador de SC, Carlos Moisés da Silva, protocolado por um defensor público que foi chefe do órgão em que trabalha no governo anterior, dá a largada do que devem ser as eleições de 2020. Uma lástima sob o ponto de vista de evoluirmos enquanto sociedade.

Digo isso porque desde a eleição de 2018, quando uma onda provocada por grandes interesses financeiros mundiais foi impulsionada por intensas atividades da grande mídia, que elegeu Bolsonaro e inúmeros deputados, senadores, alguns governadores conservadores, e de extrema direita, o que se vê não é nada novo. Nova política? Zero.

As práticas continuam as mesmas. Denúncias, ataques, baixarias. Vide deputados do PSL na Assembleia Legislativa despejando ódios e preconceitos, vide governo Bolsonaro e seus “ministros” de baixíssimo nível, citando até Goebbels e trazendo as sombras do nazismo sobre o nosso pobre país.

Esta denúncia contra Moisés é mais do mesmo. Cria embaraços, tenta colar negatividade, eleva o valor envolvido para garantia de maioria para governar, e também para estabelecer estratégias nas eleições municipais. Nada mais que isso. Este processo é mais um ato midiático que prático.

Santa Catarina precisa urgentemente de inovações e investimentos que promovam a geração de empregos. É preciso inovação para gerir o Estado, e dar uma infraestrutura muito melhor que motive turistas a visitarem nosso estado. É preciso mais ação para ampliar a qualidade da educação, e também dar retorno ao cidadão na saúde.

Não se enganem. A nova política não chegou não. Temos muito a trabalhar para que ela realmente aconteça.