Coronavírus em SC – Florianópolis volta a restringir atividades

A Prefeitura de Florianópolis, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informa que novas medidas restritivas serão aplicadas na cidade após o aumento de casos de COVID-19. As medidas foram publicadas no Diário Oficial do município no dia de ontem (22) e começarão a valer a partir de quarta-feira, 24.

“Estamos apertando agora enquanto temos controle. Se esperarmos mais algumas semanas, vamos ter que fechar por ter perdido o controle e a batalha contra a doença na nossa cidade”, disse o prefeito Gean Loureiro.

Nos últimos dias, a cidade está monitorando um aumento de casos confirmados por COVID-19, o que tem refletido um aumento de ocupação em UTI e de mortes pela doença. Técnicos da secretaria de saúde acreditam em uma segunda onda de contágio e que precisa ser duramente combatida já no início.

Novas medidas do dia 24 de junho de 2020

Restaurantes: somente das 11h às 15h e durante dias de semana. Período noturno e finais de semana, somente por delivery e busca no balcão.

Bares e lanchonetes: somente até às 18h. Período noturno e finais de semana, autorizado apenas delivery e busca no balcão.

Padarias: somente serviço de balcão, sem consumo no local

Supermercados: capacidade máxima reduzida para 30% de ocupação. Proibição de promotores de produtos.

Academias comerciais e não comerciais: fechadas

Shopping Center: fechado

Galerias: fechadas

Áreas de lazer/Beira-Mar Norte/Beira-Mar Continental/Ponte Hercílio Luz: somente dias de semana.

Serviço público não essencial: apenas teletrabalho no âmbito municipal, estadual e federal.

Arenas de esportes e quadras esportivas comerciais e não comerciais: fechadas.

Praias: somente para esporte aquático e pesca. Proibida a permanência na areia.

O uso de máscaras se torna obrigatório em toda cidade, passível de multa mínima de R$ 1.250, 10x mais que o valor anterior de multa, para pessoa física, e a reincidência para o não uso de máscaras poderá chegar ao valor de multa de R$ 2.500.

Para pessoa jurídica a multa mínima é de R$ 2.500 por descumprimento do regramento sanitário. A população poderá fazer denúncias de pessoas que não estão respeitando o isolamento social e o não uso de máscaras. As denuncias podem ser feitas no site https://covidometrofloripa.com.br/, na aba “denúncias Vigilância Sanitária”.

Em 14 dias, a administração municipal irá avaliar o comportamento epidemiológico do município, podendo restringir mais ou fazer novas flexibilizações.

Volta do transporte coletivo em Floripa tem tecnologia como aliada contra o Covid-19

Em Florianópolis, o transporte coletivo acaba de retornar à operação em fase de testes com uma série de medidas contra a disseminação do Coronavírus. Entretanto, outras ferramentas tecnológicas são aliadas da administração municipal nesta retomada.

Cada veículo da frota municipal é monitorado por três câmeras internas e uma externa por onde as equipes que coordenam o transporte acompanham as viagens por videomonitoramento.

Os veículos também contam com GPS. Além do acompanhamento em tempo real, esse item permite que os usuários utilizem o aplicativo Floripa no Ponto, que mostra onde determinada linha está durante o deslocamento em seu itinerário. Dessa forma, a população pode planejar seus horários e não corre o risco de ficar fora de casa por mais tempo, se expondo de forma desnecessária ao risco do contágio pelo Coronavírus.

Equipes acompanhando o transporte coletivo pelo Centro de Controle e Operações (CCO). Créditos: Leonardo Sousa/PMF

Essas ferramentas são utilizadas pela Prefeitura de Florianópolis que, em caso de descumprimento do protocolo sanitário, pode se comunicar imediatamente com os colaboradores do transporte presentes em cada veículo e prestar a orientação necessária e acionar ônibus extras quando determinada linha atingir a lotação máxima permitida. O aparato também serve como apoio para acionar a Guarda Municipal ou Polícia Militar em caso de ocorrências.

Guarda Municipal também monitora em tempo real

O protocolo sanitário inclui medição de temperatura de todos os colaboradores do transporte coletivo, lotação máxima de 40% do espaço total dos veículos, uso obrigatório da máscara e dispenser de álcool gel nos terminais e ônibus. Janelas devem estar sempre abertas e o
pagamento do passe deve ser feito apenas com cartões pré-pagos. A administração municipal também orienta os passageiros a optarem pelos assentos próximos às janelas, deixando assim, os corredores livres e sem contatos desnecessários com outras pessoas.

Caso o descumprimento de alguma medida obrigatória seja constatada, a Guarda Municipal pode ser acionada pelo 153 ou Polícia Militar pelo 190.

Florianópolis retoma transporte coletivo nesta quarta-feira (17)

Após quase três meses de circulação interrompida como medida de segurança contra o avanço da pandemia do Coronavírus, o transporte coletivo de Florianópolis volta a operar nesta quarta-feira, 17. Uma série de normas de biossegurança foram exigidas para garantir a segurança dos usuários que necessitarem do serviço. A preparação para o retorno do transporte público contou com a testagem para a Covid-19 de todos os colaboradores que vão trabalhar na operação. 

O retorno da operação do serviço de transporte será em fase de teste para que o município vai avaliar o avanço do contágio e a capacidade de atendimento do sistema de saúde. Caso sejam constatados riscos à saúde pública, uma nova suspensão do serviço poderá ocorrer. “Nosso planejamento prevê uma frota extra de veículos que vai operar de acordo com a demanda e caso seja necessário, esses veículos serão alocados de forma estratégica para atender a população”, explica o Secretário de Mobilidade e Planejamento Urbano, Michel Mittmann.

O transporte coletivo não vai funcionar durante os finais de semana. O objetivo da medida é evitar deslocamentos desnecessários. O retorno da operação visa atender, principalmente, trabalhadores do comércio, da área da saúde, que até o momento vinham contando com linhas especiais, e a população que necessita de um meio de transporte para atividades essenciais como: consultas médicas, supermercado, farmácia e atendimento bancário.

Quem estiver com algum sintoma ou suspeita de Covid-19 não deve sair de casa e nem utilizar o transporte coletivo. A Prefeitura de Florianópolis orienta que o Alô Saúde seja acionado pelo 0800.333.3233 para mais informações e sobre como proceder.

“Estamos cientes de que qualquer flexibilização tem reflexo de duas a três semanas nos números do contágio. Com o retorno em uma quarta-feira,vamos avaliar esses três dias de retorno durante o final de semana, além de analisar os dados do contágio posteriormente em diversos períodos de tempo. Dessa forma, vamos entender se o nosso sistema de saúde está comportando o resultado da flexibilização”, explica o Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro.

Check in do transporte

Uma importante ferramenta de controle da pandemia do Coronavírus durante o retorno do transporte coletivo é o check in online que servirá para identificar, contatar e monitorar a saúde de todos os usuários que possam ter tido contato com algum caso positivo para a Covid-19 no ônibus em determinada linha, horário e veículo. É necessário realizar um breve cadastro apenas uma vez. São duas formas: pelo site www.covidometrofloripa.com.br ou no próprio ônibus, por meio de um QR Code em um painel que estará próximo do validador de cartões. Basta apontar a câmera para o código, aguardar o reconhecimento, passar a catraca e concluir o cadastro. Feito isso, basta apontar a cãmera no QR code sempre que utilizar o transporte coletivo. É opcional e é garantido o sigilo e anonimato dos dados.

Normas de biossegurança

Quem vai utilizar o transporte coletivo deve se atentar às normas de biossegurança antes mesmo do embarque, durante a viagem, e também nos terminais. A máscara deve ser utilizada em cada uma dessas situações. A administração municipal orienta os usuários a evitarem aglomerações nos pontos de paradas e se possível, a organizarem filas nesses locais. O contato com outras pessoas deve ser evitado, bem como conversar estando próximo à outra pessoa, já que o vírus circula facilmente pelo ar.

O ideal é que o usuário higienize suas mãos antes e depois de entrar no ônibus e deve evitar qualquer tipo de contato com as estruturas dos veículos. Já no interior do ônibus, recomenda-se que o usuário dê preferência aos locais próximos das janelas, deixando livre os corredores para passagem dos próximos usuários. Todas as janelas devem ser mantidas abertas mesmo em dias frios ou de chuva. Não é permitido se alimentar nos ônibus e nos terminais.

A etiqueta da tosse deve ser seguida. Ao tossir, mesmo de máscara, o usuário deve cobrir a boca e nariz com o antebraço, evitando usar as mãos. Se usar, deve se lembrar de higienizar em seguida. Caso lenços sejam utilizados, devem ser descartados imediatamente após o uso.

Lotação máxima é de 40%

A lotação máxima permitida, que é de 40% do espaço total de cada veículo, não deve ser excedido. O usuário não deve forçar a entrada caso seja informado sobre a lotação máxima atingida. Em casos extremos, a Polícia Militar pode ser acionada pelo 190, ou a Guarda Municipal pode ser chamada pelo 153.

Como adquirir créditos ou cartão pré-pago


Já está disponível

Quem utiliza o Cartão Cidadão e Cartão do Vale Transporte convencional já pode realizar a compra de novos créditos de forma online pelo www.consorciofenix/passerapido. O pagamento é via boleto e os créditos são disponibilizados em dois dias úteis devido à compensação do boleto.

A partir de hoje, segunda-feira, 15

A partir de segunda-feira, 15, o serviço de delivery de novos cartões pode ser solicitado. Basta acessar o site www.consorciofenix.com.br, seguir o passo a passo, gerar o boleto e realizar o pagamento. A entrega é feita em 48h após a confirmação do pagamento.

Na próxima segunda-feira, todos os serviços de Passe Rápido como emissão de novos cartões, novos créditos, segunda via, por exemplo, estarão disponíveis nos terminais de ônibus das 9h às 17h.

O guichê de atendimento da Secretaria de Mobilidade e Planejamento Urbano também retorna aos atendimentos presenciais no TICEN, das 7h às 19h. O atendimento também pode ser por telefone pelo número 3324.1517. 

A partir de quarta-feira, 17

Na quarta-feira, 17, dia em que o transporte coletivo volta a operar na Capital, reabrem também, todas as bilheterias dos terminais de ônibus. Quem quiser adquirir o Cartão Cidadão já poderá realizar a solicitação nesses locais, das 11h às 17h. No Terminal de Integração do Centro (Ticen), esse tipo de serviço também estará disponível das 11h às 17h.

Estudantes que realizam estágio obrigatório e residentes de áreas da saúde

Conforme já informado anteriormente, os cartões estudantis estão bloqueados em virtude da proibição de funcionamento das unidades de ensino como medida de controle da pandemia do Coronavírus. Entretanto, os estudantes que realizam algum tipo de estágio obrigatório e residentes da área da saúde, por exemplo, deverão fazer a troca por um outro cartão pré-pago específico. Essa solicitação pode ser presencial ou online. Para mais informações, acesse https://bit.ly/cartaoestudantecovid19 e clique em Cartão Estudante Covid-19.

Novo quadro de horários

O novo quadro de horários do transporte coletivo pode ser acessado no site da Prefeitura de Florianópolis pelo link www.pmf.sc.gov.br/servicos/index.php?pagina=onibus ou pelo site do Consórcio Fênix www.consorciofenix.com.br.

Justiça nega pedido de indenização de empresas de ônibus em Florianópolis

A Justiça da Capital negou liminarmente pedido de indenização no valor de R$ 7,9 milhões, formulado pelo Sindicato das Empresas de Transporte Urbano da Grande Florianópolis (Setuf), por conta dos prejuízos que sofreu ao longo dos últimos dois meses pela suspensão dos serviços decretada pelo Estado em decorrência da pandemia do coronavírus.

A entidade patronal pleiteia esse valor do Governo do Estado como forma de manter as condições mínimas para a retomada dos serviços, que pode ser decretada a qualquer tempo pelas autoridades, de forma a quitar suas despesas com pessoal e garantir a continuidade da prestação do serviço público essencial.

Para a juíza Ana Luisa Schmidt Ramos, da 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital, não há como admitir o pedido. A opção do Poder Executivo em evitar a locomoção de passageiros de transporte público durante a pandemia, assinala a magistrada, está em conformidade com o Estado Democrático de Direito, ao buscar a garantia dos direitos fundamentais à vida e à saúde. “Sendo assim, […] não há como falar em ato ilegal a ensejar indenização”, afirmou.

A magistrada destacou ainda, em sua decisão, que as empresas de transporte coletivo da região poderiam se precaver contra esse impacto mediante adesão à medida provisória do Governo Federal que admitiu a possibilidade de redução proporcional da jornada de trabalho e dos salários de seus empregados em até 70%, e a suspensão temporária dos contratos de trabalho por até 60 dias.  “No entanto, o que se observa – e bem ponderou o Estado de Santa Catarina – é que essas empresas pretendem transferir o ônus econômico do caso fortuito, na sua totalidade, aos cofres públicos”, finalizou a juíza. A ação seguirá seu trâmite até julgamento final do mérito (Autos n. 5034846-45.2020.8.24.0023).

Violência Doméstica – Medidas de Proteção a mulheres durante a pandemia é cobrada em Floripa

Como consequência da política de isolamento social em combate à Covid-19, tem se observado em todo o mundo o agravamento da violência doméstica e sexual. Para a ONU Mulheres, “O risco de violência tende a aumentar quando famílias em contextos de violência familiar são colocadas sob tensão, auto-isolamento e quarentena (…)”, expondo as mulheres a uma situação de maior vulnerabilidade e dificultando sua proteção frente a ação de seus agressores. Com essa preocupação, o vereador Afrânio Boppré (PSOL) apresentou projeto de lei com a intenção de criar um mecanismo emergencial para acolhida de mulheres em situação de violência, garantindo o cumprimento das determinações previstas na Lei Maria da Penha.

“É necessário enfrentar a violência, por meio de uma ação articulada do poder público com a adoção de medidas que tenham como centro a proteção à mulher”, afirma o vereador.

A medida é inspirada em projeto semelhante da bancada do partido na Câmara Federal. O Projeto define como essencial os serviços de ONGs que atuem com o abrigamento e incumbe o poder público de assegurar maior número de vagas para atender ao aumento de demanda.

Na falta de vagas em abrigos temporários para o isolamento, o projeto prevê a requisição de vagas em hotéis e pousadas, mediante a indenização. Tal medida visa não somente atender as recomendações de contenção do Covid-19 como, também, não expor ao contágio mulheres e crianças.

A iniciativa também facilita o acesso das mulheres à rede de enfrentamento à violência contra a mulher, que poderá se dar por demanda dos órgãos e instituições que compõem a rede, independente de registro de Boletim de Ocorrência ou deferimento de medida protetiva judicial.

Coronavírus – Prefeito da Capital libera hotéis e comércio a partir de segunda-feira (20)

O prefeito de Florianópolis (SC), Gean Loureiro acaba de anunciar em live no facebook que o comércio de rua está liberado para abrir a partir de segunda-feira (20). A medida vai ao encontro ao decreto do Governo do Estado que já liberou o comércio no Estado inteiro a partir da última segunda (13). O prefeito também liberou os hotéis e pousadas (também já liberadas pelo Estado) a partir de quarta-feira (22). As atividades terão que obedecer a regramento sanitário que será estabelecido em uma portaria nas próximas horas, visando atender medidas de combate ao Covid-19.

Exigências
Entre as regras que o comércio de rua terá que atender, além do uso de equipamentos como máscaras de proteção para atendentes e clientes, disponibilizar álcool em gel, também terá que seguir exigências de distanciamento como permitir a entrada em lojas do número de clientes igual ao número de atendentes ou de um cliente a cada quatro metros quadrado. Quanto ao serviço público, o prefeito ainda liberou além dos serviços essenciais, também serviços não essenciais que possam atender individualmente com agendamento. Isso vale para a prefeitura, Governo do Estado e órgãos Federais.

Outra definição divulgada pelo prefeito é que para os hotéis só será permitida a estadia de uma única pessoa por quarto. E a hospedagem somente quando “for necessário”, isto é, viagens a trabalho são permitidas e de turismo, não. Esses locais também não poderão permitir a entrada de pessoas que apresentarem algum sintoma da Covid-19, orientar e controlar o distanciamento nesses locais, adotar medidas de higienização conforme determinação da Vigilância Sanitária, além da utilização de máscaras. Espaços dos hotéis como academias, piscinas, salas de reuniões e de convivência dos hotéis, e outros locais de convivência não poderão ser abertos aos hóspedes.

Controle de temperatura
A partir do dia 27 de abril, todos os estabelecimentos de supermercados terão que ter controle de temperatura em todos os clientes que entram no estabelecimento. “Se aumentar o número de casos, as medidas poderão ser endurecidas. Hoje temos dados confiáveis para poder agir de forma técnica e flexibilizar, como estamos fazendo neste momento. Independente das pressões externas, continuaremos a gerir essa crise sempre resguardados pelos dados científicos e avaliação criteriosa de todo o panorama. A responsabilidade é de todos nós e é o nosso comprometimento com as determinações de saúde que vai garantir o sucesso de cada etapa”, afirmou o Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro.

O Prefeito da Capital ressaltou que liberou apenas as atividades econômicas já permitidas pelo Governo do Estado. Quanto a outras atividades ainda não liberadas pelo Estado, continuam proibidas, como transporte público, academias, shoppings, galerias e centros comerciais. Já atividades que resultem em aglomeração como eventos religiosas, esportivos ou culturais, bem como aglomeração em praças públicas ou praia, também seguem proibidas por decreto estadual até dia 30 de maio. Bares e restaurantes, ainda conforme o decreto estadual, apenas podem vender alimentos com balcão na entrada do estabelecimento ou delivery.

Segurança dos números
O prefeito afirmou que só tomou a medida de afrouxar as restrições a essas atividades econômicas porque os números de acompanhamento do avanço da doença apontaram segurança para isso. Ele lembra que Florianópolis é a cidade que mais testa para detectar casos suspeitos. De acordo com o prefeito, a Capital tem 2.100 casos suspeitos, sendo que destes 1.457 foram testados e 273 restaram positivos. Outros 646 aguardam resultados por serem testes de laboratórios. Os testes estão acontecendo no terminal da Trindade, em postos de saúde e no aeroporto.

Quanto a taxa de letalidade é uma das mais baixas. Enquanto no Brasil é de 6%, em média, no Estado é de 3% em Florianópolis é de 1.1% com apenas três mortes confirmadas por Covid-19. O prefeito também buscou saber sobre a quantidade de leitos de UTI separados exclusivamente para pacientes com Covid-19 na Capital: são 73, sendo que até esta quinta-feira (16) apenas 13 estavam sendo ocupados, ou cerca de 20%. Gean Loureiro ainda informou que todas as três UPAs estão equipadas com respiradores e equipes de servidores treinados. Ele detalhou que esses números positivos são resultado da quarentena com isolamento social realizada até agora, que achatou a curva de crescimento do contágio.

O prefeito ainda reforçou a obrigatoriedade do uso de máscaras na cidade a partir desta sexta-feira (17) e reforçou a necessidade de todos continuarem se cuidando e só saírem de casa em necessidade extrema. Também grifou que caso os cuidados definidos pela prefeitura não sejam atendidos, o comércio e atividades poderão ser fechadas novamente.

Floripa lança Juro Zero Especial para MEIs e Microempresas

Visando fomentar a manutenção e  reestruturação do negócios dos Microempreendedores Individuais (MEI) e Microempreendedores (ME), que estão sendo afetados devido às medidas de distanciamento social, a Prefeitura de Florianópolis acaba de oficializar uma nova versão do programa Juro Zero Floripa. O agora, Juro Zero Especial, traz uma série de mudanças nas condições de tomada de crédito. O objetivo é desburocratizar e flexibilizar o acesso a esse crédito.

“Nosso objetivo com essa medida, é facilitar a reestruturação dos negócios locais que foram impactados negativamente pela pandemia. Esse crédito a mais é basicamente, um impulso a mais para os nossos empreendedores se reerguerem”, afirma o Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro.

Por meio do Juro Zero Especial, o valor do empréstimo para MEIs foi ampliado para R$ 3 mil. ME podem solicitar o empréstimo de R$ 5 mil. O prazo do parcelamento de cada tomada de empréstimo será de 12 meses, para que o valor da parcela seja menor.

Essa tomada de crédito especial também será liberada para aqueles que já atingiram o limite de créditos previstos pelo programa. O requisito de ter pelo menos um funcionário registrado não será exigido das Microempresas que desejarem tomar o crédito pela segunda vez. O requisito da empresa estar associada a uma entidade de classe também não será obrigatória.

O empreendedor terá carência de 90 dias para o pagamento da primeira parcela para os novos créditos. Como já vinha sendo praticado, caso as parcelas sejam pagas em dia, os juros do empréstimo serão pagos pela Prefeitura de Florianópolis, que a partir de agora, também arcará com os juros dessa carência de 90 dias para o primeiro pagamento.

A empresas que possuem operações ativa de empréstimo pelo programa Juro Zero Floripa e que tiverem dificuldades de pagar as parcelas à vencer, poderão refinanciar o saldo devedor, sem prejuízo dos juros subsidiados pela Prefeitura. 

Os empreendedores que tomaram crédito e que estiverem com suas parcelas em dia até Fevereiro/2020, mesmo que a operação ainda não esteja quitada, poderão solicitar o crédito pelo Juro Zero Especial.

Áreas de Risco na Capital – Vem aí reportagem especial

Em todo o mundo existem áreas de risco onde vivem milhares de pessoas em situações logicamente de risco. Todos vemos todos os dias desastres que levam sonhos e vidas por água abaixo, ou terra e pedras abaixo. Recentemente vimos na Baixada Santista a desgraça que se abateu sobre a população que vive nas encostas. Belo Horizonte também já sentiu os efeitos das chuvas em excesso, Rio de Janeiro, e por aí vai. Falamos de desastres naturais, e logicamente aliados a ocupações que não deveriam ter ocorrido nestas áreas, conhecidas como de risco.

O fato é que as pessoas buscam um lugar para fixar seu lar, sua vida. Um processo histórico de falta de moradias, e pouca ou quase nenhuma ação por parte dos poderes públicos para oferecer moradia digna a milhões de brasileiros, levaram ao longo de décadas que pessoas com baixa renda a moradias em áreas de risco, não porque desejam correr riscos, mas sim porque precisam de um teto para viver, criar seus filhos, e ainda sobrar algum dinheiro para comprar alimentos…

Florianópolis já passou por vários desastres em áreas de risco. Alagamentos são frequentes em várias áreas da ilha e também do continente. Mas o que preocupa muito são os deslizamentos nos morros e encostas, cujo marco foi a morte de uma moradora do Morro da Mariquinha no final de 2011. De lá para cá pouco foi feito para mudar a situação das áreas de risco. Isso vamos mostrar em reportagem especial que publicaremos aqui no Palavra Livre a partir da semana que vem, em partes. Contamos com a sua audiência, é um registro para que as autoridades façam alguma coisa antes que uma tragédia maior, e anunciada há muito tempo, ocorra. Até breve!

Crônica – Com os pés na Hercílio Luz

Florianópolis é linda, inclusive a noite. Caminhei pela Alameda Adolfo Konder rumo àquela senhora que todos querem ver ativa, altiva, oferecendo seu leito para a travessia entre a Ilha da Magia e seu Continente irmão. No lusco-fusco do início da noite da terça-feira histórica, caminhavam várias pessoas. Novas, idosas, crianças, todos na mesma direção. Todos querem matar as saudades, outros viverem a primeira vez com ela. Ansiedade? Dá para ver que existe, e é grande.

A cada passo, ela se agigantava aos meus olhos. No Mirante, junto ao busto do governador que lhe dá o nome, mais e mais pessoas com seus olhos curiosos. Será que ela aguenta? Não cai? Imprensa, colegas se aglomeravam já no novo leito da Ponte Hercílio Luz. Estava atrasado para este encontro único. O entorno do acesso insular ainda está por finalizar, entulhos das obras espalhados, iluminação ainda precária. Mas o povo ali, à espera de ver os 48 caminhões “pisarem” com seus rodados robustos nas costas da Velha Senhora. Incrédulos, afinal lá se foram 28 anos de completo abandono entre ambos.

Avisei, imprensa. Pego o capacete amarelo, ajusto, coloco sobre a cabeça que pensa, que momento. Pergunto, o governador já chegou? Sim, está lá, aponta o segurança. Coloco os pés na nova pista de rolamento, um gradil, todo furado em que você pode ver o que está abaixo, avenida Beira Mar Norte, depois o mar que divide as baías. Acelero o passo para onde estão as luzes dos colegas da imprensa, Governador ao centro respondendo as perguntas, informando sobre o evento.

Filmo. Fotografo. Uma, duas, várias vezes. As torres, as barras de olhal, ouço o Governador. Acompanho os colegas em seu trabalho. Encerra a entrevista, e lá vamos juntos caminhando. A Velha Senhora deve pensar: homens e mulheres de pouca fé, eu aguento muito mais do que as minhas irmãs de concreto ali ao lado! Faltam ajustes finais, grades de proteção, guarda corpos. Operários trabalhando dia e noite, se despedindo de um longo relacionamento com aquela que exigiu muito carinho e atenção. Daquela ponte de 1926, pouco ficou.

Atravessamos o vão central. A cada passo, uma emoção. Estou caminhando e chegarei ao Continente afinal sobre a velha Hercílio Luz! No vão central, as treliças, e as duas imponentes torres. Fotografo, tudo. Seguimos até chegar em bando, jornalistas, cinegrafistas, fotógrafos, equipe do Governo, Defesa Civil, engenheiros, assessores, à cabeceira continental. Outra multidão à espera, olhos atentos, certamente não vendo a hora de trocar de lado, chegar à Ilha de Santa Catarina.

Ouvimos protestos vindo de um grande prédio que fica próximo a entrada continental. Não consegui identificar sobre o que era o protesto. Talvez por acabar com o sossego, ou pelos altos valores investidos ao longo de muitos anos, que trouxe muita desconfiança sobre desvios, e criou antipatia pela Velha Senhora, que nada tem a ver com as ações escabrosas de alguns humanos investidos em poderes públicos.

O retorno à ilha foi ainda mais interessante, com mais calma, observando os detalhes das passarelas por onde andarão milhares de turistas, moradores, ciclistas, todos para tocarem, sentirem e perceberem a renovada Hercílio Luz e sua importância para a mobilidade, e muito mais, para a valorização e geração de empregos em Santa Catarina e Florianópolis em especial. O trajeto repetiu o que fiz, agora com olhar mais atento. Fotos, filmagens, perguntas.

Chegamos novamente à cabeceira insular. Olho à volta, e lá estão as pessoas, curiosas por ver o que virá. Vejo a saída do Governador e sua comitiva. Troco ideias com colegas. Retiro o capacete amarelo, recoloco no lugar onde estão todos os outros. Quantas cabeças ocuparam tais equipamentos nestes anos de obras? Quanto conhecimento, engenharia, inovação, cálculos, tantos cérebros envolvidos para devolver à cidade o seu patrimônio? Muita gente. Boas gentes, em sua maioria.

Saio e caminho nas novas calçadas da Alameda Adolfo Konder, observo o novo acesso ao Parque da Luz, em processo de calçamento de última hora. Operários trabalhando a noite inteira para finalizar tudo até 30 de novembro de 2019. Há muito que fazer ainda, detalhes, mas a alegria de quem viu e viveu os dias de obras está estampado nos rostos. Fica no currículo. Viverá nos corações.

Eu vivi parte desta história da restauração. Fui assessor de comunicação da Secretaria de Estado da Infraestrutura entre 2009-2010 com o deputado federal Mauro Mariani como Secretário. Vistoriamos as obras, andamos por entre tábuas, muitas ferragens, gente que se perdia nos escaninhos da ponte, sobre e sob ela. Atendi colegas da imprensa nos maios de aniversário da velha Hercílio Luz. Vivi parte disso. Só poderia estar agora, no momento em que ela volta a conviver conosco.

Emocionante. Histórico. Único. Assim foi o momento em que meus pés pisaram no monumento que os catarinenses cismam em não ver como um patrimônio. A Ponte Hercílio Luz é um motor de desenvolvimento e inclusão de centenas, talvez milhares de pessoas em empregos, trabalho, renda. Nosso complexo de vira latas impede de perceber o verdadeiro valor deste monumento para o país e SC.

Nossa falta de cultura, de vivências culturais mais aprofundadas, nos colocam em debates ocos, utilizados por muitos para ganhos políticos com discursos fáceis. Se tivessem usado o dinheiro em outra ponte, ou ainda, derrubem esta velharia e façam outra, mostram que não entendemos nada, mas opinamos de forma vazia sobre tudo. A Ponte Hercílio Luz é símbolo tal qual uma Torre Eiffel de Paris. Pode gerar muitos lucros para a sociedade, muito mais do que foi investido em sua restauração.

Agora é hora de abraçar a Velha Senhora, acolhê-la, senti-lá, envolvê-la na vida da capital, usar a sua história para construir uma nova história. É possível, basta um governo correto, gente séria, planejamento e cuidados com a manutenção do patrimônio. Seja bem vinda de volta à juventude Ponte Hercílio Luz. Foi emocionante. Único. Como jornalista, assim como meus colegas, fico feliz de poder contar um pouco do que vi agora, do que vi antes, e do que pode vir ali na frente.

Vamos continuar contando a sua e a nossa história! Dia 30 de novembro estaremos lá para ver seu retorno triunfal, o povo abraçando e te recebendo de braços abertos.

Por Salvador Neto