Estudantes da rede municipal de Florianópolis ganham medalhas em desafio internacional

A Escola Básica Municipal de Florianópolis José Jacinto Cardoso, localizada na comunidade da Serrinha, foi premiada com medalhas de prata e bronze no “Desafio Latinoamericano Emprenday”, organizado pela Sociedade Latinoamericana de Ciência e Tecnologia- Solacyt, com sede no México.
Estabelecimentos de ensino de 10 países produziram trabalhos em torno do temas Ciência,Tecnologia, Quarentena e Coronavírus”.

Dentro desses temas, era possível escolher uma entre sete categorias de participação: animação, artigo científico, ciências aplicadas, conto científico, habilidades lógicas, pôster temático e programação.

A categoria escolhida de três estudantes da escola municipal da capital catarinense foi “Conto Científico”. A garotada decidiu falar um pouco sobre como eles estão passando esses dias de quarentena devido à pandemia do Coronavírus e quais são suas expectativas para o futuro.
Nycolas Castelani Batista, do quarto ano, e Saywa Aza Bejarano, do quinto ano, optaram pelo formato história em quadrinhos, enquanto Nathalia Trindade Ribeiro, também do quinto ano, escreveu um poema. O colombiano Saywa redigiu o texto em espanhol. Os demais, em português.

A premiação consiste no certificado digital de medalhista, uma bolsa de estudos para um curso na área de tecnologia oferecido pela empresa Solidworks e a possibilidade de publicação do trabalho em revista internacional. Os trabalhos foram realizados na casa dos estudantes e orientados via plataformas digitais pelas professoras Vanessa de Oliveira, de espanhol, e Giselle Medeiros , de tecnologia educacional.

“Salientamos que os pais e mães desses estudantes foram fundamentais em todo o processo, nos auxiliando no cadastro, no envio dos projetos e motivando seus filhos a participarem”, frisou Vanessa de Oliveira.
Receberam menção honrosa os estudantes Gabriel Souza, Gabriela do Nascimento, Isabela Leandro, Jhemily Hawane, Maria Eduarda Coelho, Rafael Duarte, Rayssa Silva, Sthefany Ribeiro e Thiago Ruan de Souza.
A professora Giselle Medeiros salienta que “esses estudantes igualmente enviaram excelentes trabalhos para esse desafio”.

Segundo Vanessa de Oliveira , as professoras regentes das turmas também foram fundamentais na empreitada, tanto no contato com as famílias dos estudantes, quanto no incentivo à participação de todos. O desafio, patrocinado pela iniciativa privada, reuniu escolas da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Paraguai, Perú e Estados Unidos. A competição contou com 1072 participantes inscritos em 874 projetos nas mais diversas categorias.

Conforme o secretário de Educação de Florianópolis, Maurício Fernandes Pereira, o estímulo aos estudantes em participações de eventos como o Solacyt é uma das marcas da rede municipal de ensino. “Parabéns aos nossos estudantes, familiares e equipe da Escola José Jacinto pelo resultado”.

Nathalia Trindade Ribeiro
Saywa Aza Bejarano
Nycolas Castelani Batista

MEDALHA DE PRATA
Saywa Aza Bejarano – Categoria – Conto científico /Quadrinhos: “ La Quarentena” ( Turma 52)

Nycolas Castelani Batista –Categoria – Conto científico /Quadrinhos: “Quarentena” ( Turma 42)

MEDALHA DE BRONZE
Nathalia Trindade Ribeiro – Categoria – Conto científico /Poema: “Quarentena” ( Turma 51)

Poema de Nathalia Trindade Ribeiro

Eu temo o coronavírus
E zelo por minha vida
Mas tenho medo de tiros
E também de bala perdida
A nossa fé é vacina
O professor que me ensina
É a minha própria lida

Assombra-me a pandemia
Que agora domina o mundo
Mas tenho uma garantia
Não sou nenhum vagabundo
Porque todo cidadão
Merece mais atenção
O sentimento é profundo

Eu não queria essa praga
Que não é mais do Egito
Não quero que ela traga
O mal que sempre evito
Os males não são eternos
Pois os recursos modernos
Estão aí – acredito

O que vale é o ser humano
E sua dignidade
Vivemos num mundo insano
Queremos só liberdade!

Crianças criam aplicativo para inserir mulheres e pessoas com deficiência no mercado de trabalho

Crianças criam aplicativo que reúne vagas e dicas para inserção no mercado de trabalho de mulheres e pessoas com deficiência. App foi desenvolvido por estudante da rede municipal de Florianópolis em conjunto com colega de escola particular. As duas são finalistas do Technovation Girls.

Entre os representantes na próxima etapa mundial do Technovation Girls está uma equipe de Florianópolis. Inscrito na categoria junior, o “Mulheres em Ação” é composto por duas estudantes e três mentoras. Melissa Albuquerque, 14 anos, é da Escola Básica Municipal Professora Herondina Medeiros Zeferino, nos Ingleses, e Sophia Rodrigues, 10 anos, é da Escola da Fazenda, no bairro Campeche.

Estudante Melissa, da Escola Básica Municipal Herondina Medeiros Zeferino

Selecionado após uma avaliação virtual, o time se junta aos demais representantes brasileiros na semifinal, e agora concorre com mais de 100 times de 22 países diferentes. Os 10 finalistas serão conhecidos na primeira quinzena de julho.

Por meio do desenvolvimento de um aplicativo, o programa busca incentivar a participação de mulheres no mercado da tecnologia e do empreendedorismo.

O aplicativo criado pela equipe chama-se “Get A Job”, em português: “conseguir um emprego”. A proposta da plataforma é reunir vagas abertas e dicas para inserção no mercado de trabalho de mulheres e pessoas com deficiência.

A ideia foi escolhida a partir de experiências pessoais relatadas pelo time. Todas as integrantes tinham exemplos de familiares com dificuldades para conseguir um trabalho por causa de necessidades especiais.

“As funcionalidades foram pensadas nos familiares delas e como elas poderiam ajudar a resolver o cenário. Através de pesquisas elas elaboraram oito dicas de como encontrar o emprego desejado. Eu acredito que é um diferencial que pode ter levado elas para a semifinal”, explica Daniela Amorim, analista de sistemas e mentora no grupo.

“Nada nos tirou do nosso foco”

Melissa e Sophia participam do desafio pela primeira vez. Melissa, representante da escola municipal, não esconde a alegria: “fazer parte desse projeto foi muito legal para mim, foi uma troca de experiências. Mesmo com a pandemia nada nos tirou do nosso foco, eu estou muito feliz de estar na semifinal”.

A Escola Herondina inscreve equipes no Technovation Girls desde 2016, quando o programa começou em Florianópolis, e já coleciona histórias de meninas que transformaram o futuro a partir da iniciativa.

Giselle Araújo e Silva de Medeiros, professora de tecnologia educacional e embaixadora do Technovation Girls, confirma: “foi um projeto abraçado pela gestão escolar e pela comunidade, entendendo que o desenvolvimento de aplicativos a partir de problemas reais, contribui para o empoderamento feminino e também para a construção de conhecimentos”.

Florianópolis começou a temporada com mais de 130 participantes e 15 equipes. A capital catarinense é uma das referências do país em participações no Technovation Girls. Os trabalhos começaram em fevereiro, com encontros presenciais, mas por medida de segurança devido ao novo coronavírus, as reuniões foram suspensas e o desenvolvimento do trabalho seguiu com todas as etapas no formato online. Diante deste novo formato, nem todas as meninas conseguiram dar continuidade aos projetos.

“Estas meninas são o exemplo de pessoas que o nosso mundo precisa, de pessoas que não ficaram paradas frente a uma crise, que querem ser parte da mudança”, comemora Julia Machado, embaixadora do programa.

A dedicação e a determinação das meninas num projeto para melhorar a sociedade demonstram o quanto estão engajadas em transformar o mundo, atentas ao que ocorre na sua comunidade, diz o secretário municipal de Educação. “Na rede municipal de ensino de Florianópolis o incentivo a participar em projetos como este acontecem há alguns anos e vemos os benefícios destas práticas nas escolas”, complementa Maurício Fernandes Pereira.

Sobre o Technovation Girls

É um programa mundial onde meninas de 10 a 18 anos desenvolvem aplicativos que tragam soluções para problemas da comunidade baseados nos Objetivos para Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. A iniciativa não-governamental surgiu em São Francisco (EUA) e está presente em mais de 100 países.

Pronatec abre inscrições para cursos de formação profissional

Estão abertas, a partir desta segunda-feira (18), as inscrições para cursos gratuitos de formação profissional oferecidos pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). A inscrição é feita no site do programa.

Os cursos são ministrados pelos institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia, centros federais de Educação Tecnológica e entidades do Sistema S (serviços nacionais de aprendizagem). Os interessados podem conferir a lista dos cursos ofertados na internet.

Caso não encontre a vaga pretendida no momento da inscrição, o candidato pode indicar até três cursos de interesse. Quando houver vaga disponível em algum deles, será notificado por e-mail para fazer a inscrição, também pela internet. Ao confirmar a inscrição, o estudante terá dois dias úteis para comparecer à unidade de ensino e confirmar a matrícula. Neste ano, estão previstos 2,3 milhões de vagas em 724.539 cursos técnicos e 1.565.682 vagas em cursos de formação inicial e continuada.

Podem se inscrever trabalhadores, inclusive agricultores familiares, silvicultores, aquicultores, extrativistas e pescadores; povos indígenas; comunidades quilombolas; adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas; desempregados; pessoas com deficiência; pessoas que recebem benefícios dos programas federais de transferência de renda ou que estejam cadastradas no CadÚnico; praças do Exército e da Aeronáutica com baixa do Serviço Militar ou atiradores; estudantes matriculados no ensino médio em escolas públicas, inclusive na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Um acordo firmado entre os ministérios da Educação (MEC) e da Justiça destinará este ano cerca de 35 mil vagas, com a possibilidade de chegar a 42 mil, a pessoas que cumprem pena de privação de liberdade. A prioridade será para aqueles que cumprem regime semiaberto. Esses alunos serão integrados a turmas formadas também por quem não cumpre pena de restrição de liberdade.

O Pronatec foi criado pelo governo federal em 2011, com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. Segundo o MEC, desde a criação, o programa atendeu a 2,5 milhões de brasileiros. Até 2014, a meta é oferecer cursos técnicos e de formação inicial e continuada a 8 milhões de estudantes e trabalhadores.

CNM/CUT

Joinville sediará a Cidadão do Mundo – Feira de Educação Internacional e Intercâmbio

Feira dissemina a importância da prática do intercâmbio e estimula a formação dos profissionais em nível internacional. Nos dias 15 e 16 de março de 2013, acontece em Joinville, a Cidadão do Mundo – Feira de Educação Internacional e Intercâmbio, no Centro de Convenções Alfredo Salfer, anexo ao Centreventos Cau Hansen.

O evento será destinado a estudantes das últimas séries do ensino fundamental (8º e 9º anos), ensino médio, graduação e pós-graduação, pais, professores, gestores de educação e profissionais que buscam aperfeiçoamento internacional.

Durante os dois dias será possível conferir oficinas para o público em geral e um fórum para discussão mais aprofundada sobre as práticas e políticas de incentivo ao intercâmbio e à educação internacional no Brasil, além das ofertas de cursos e intercâmbio no exterior. A entrada é gratuita, mediante prévia inscrição pela fanpage do evento.

A feira funcionará na sexta e sábado, das 14h às 20h. As palestras e oficinas acontecerão em três auditórios, simultaneamente, com temas distintos. O fórum será no período da manhã do dia 15 de março. A partir das 8 horas a Escola do Teatro Bolshoi faz a abertura do evento.

A expectativa é que mais de 10 mil pessoas passem pelo evento, conferindo programas, preços, destinos para intercâmbios, e também possam ser estimulados a realizar o intercâmbio e a formação internacional. Segundo Herley Cesar Reinert, diretor da Trenier Marketing e Eventos, empresa organizadora da Cidadão do Mundo, este evento representa uma oportunidade de apoiar uma iniciativa que está em sintonia com a política do governo federal de estimular a formação dos profissionais em nível internacional.

“Poderemos contribuir para o desenvolvimento econômico de Joinville e região, fomentar a melhoria da qualidade de vida da população e uma melhor distribuição de renda através da maior qualificação de estudantes e profissionais para o mercado de trabalho que, a cada dia, necessita de mais profissionais que falem outros idiomas e tenham experiência internacional”.

O evento tem como propósito ainda, promover a inclusão social, ao disseminar a importância da prática do intercâmbio aos alunos das redes públicas apresentando as oportunidades de bolsas de estudo do governo federal para estudo no exterior.

Serviço:
Evento: Cidadão do Mundo – Feira de Educação Internacional e Intercâmbio

Quando? Dias 15 e 16 de março de 2013

Local? Centro de Convenções Alfredo Salfer, Centreventos Cau Hansen, Joinville (SC)

Valor? A entrada será gratuita, mediante inscrição prévia: www.facebook.com./feiracidadaodomundo

Conselho de Medicina de SP reprova mais da metade dos recém-formados

Mais da metade dos alunos recém-formados em medicina no estado de São Paulo foram reprovados no exame do Conselho Regional de Medicina (Cremesp). A prova foi realizada em novembro deste ano e é obrigatória a todos os formandos do estado.

Dos 2.411 participantes, 54,5% acertaram menos de 60% da prova, ou seja, menos de 71 das 120 questões. O exame contou com a presença de 2.525 estudantes das 28 escolas médicas paulistas que funcionam há mais de seis anos. Desses, 114 tiveram suas provas invalidadas.

Ao todo, 2.943 recém-formados se inscreveram na avaliação. Desses, 71 (2,5%) não compareceram. Dos 2.872 presentes, 119 (4,2 %) tiveram as provas invalidadas (114 de São Paulo e cinco de outros estados), sendo que 86 boicotaram o exame, assinalando a letra “b” em todas as questões, e 33 apresentaram outros padrões de respostas consideradas pelo Cremesp como inconsistentes.

Compareceram à prova recém-formados de 51 cursos de medicina de outros estados (347, do total de 2.872 presentes) que irão se registrar no Cremesp e atuar em São Paulo.

O exame contou com 120 questões objetivas de múltipla escolha que abrangem problemas comuns da prática médica, de diagnóstico, tratamento e outras situações, em nove áreas básicas: clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria, ginecologia, obstetrícia, saúde mental, epidemiologia, ciências básicas e bioética.

 

Áreas de conhecimento Médias (% de acertos)
Saúde Mental 41,0
Saúde Pública 46,1
Clínica Médica 53,1
Pediatria 55,3
Ginecologia 55,4
Ciências Básicas 61,0
Obstetrícia 63,1
Clínica Cirúrgica 66,7
Bioética 66,9

Fonte: Cremesp
Os resultados apontam que a média (percentual de acertos da prova) foi maior entre os cursos de medicina públicos (63,74% de acertos), quando comparados com os participantes oriundos de instituições privadas (54,38 % de acertos).

De acordo com o Cremesp, o comprovante de participação na prova será exigido para o registro profissional do médico no órgão, mas o registro não dependerá do desempenho ou da aprovação no exame. O resultado é confidencial.

“Por força de lei, o Cremesp não pode condicionar o registro à aprovação em um exame. Isso exigiria uma lei federal, como a que instituiu o exame da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], o que está em tramitação no Congresso Nacional”, informou o conselho em nota. Os inscritos que faltaram ao exame do Cremesp no dia 11 de novembro deverão apresentar justificativa.

Da Ag. Brasil

Contra as drogas: Proerd Joinville forma 7 mil estudantes

A 5ª Região da Polícia Militar, de Joinville, realiza, nesta quinta-feira, 22, a formatura dos alunos do Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). A partir das 19h, no Centreventos Cau Hansen, cerca de sete mil estudantes receberão certificados de conclusão do curso.

Durante este ano, crianças dos 5º anos do ensino fundamental das redes pública e particular da cidade, juntamente com oficiais da Polícia Militar (PM), participaram de palestras e desenvolveram trabalhos sobre prevenção às drogas lícitas e ilícitas, bem como cuidados com corpo e a mente.

O Proerd é um programa da PM, que tem caráter preventivo ao uso e ao tráfico de drogas. Por meio de atividades descontraídas e lúdicas, pretende conscientizar aos alunos sobre a importância de dizerem “não” às drogas.

Projetos inovadores serão premiados na Udesc Joinville

Casa controlada por Iphone, leitura em Braille com auxílio de Bluetooth e acionamento de aparelhos domésticos via internet. Estes são os três projetos finalistas do Prêmio Universitário Inovador, uma competição interna promovida pela Udesc Joinville para incentivar a inovação entre os estudantes.

Os projetos estarão em exposição, nesta quinta-feira (25) das 15h às 17h no hall do bloco E do campus da universidade. Eles serão avaliados por uma comissão técnica e a premiação acontecerá às 18h no auditório do mesmo bloco. O primeiro lugar receberá R$ 4 mil, o segundo, R$ 2 mil, e o terceiro colocado, R$ 1 mil.

O Prêmio integra a Semana da Inovação Tecnológica que prossegue até esta sexta-feira (26) com a realização de palestras e minicursos gratuitos sobre empreendedorismo e inovação. O evento é uma realização do Núcleo Estudantil de Inovação Tecnológica com o patrocínio das empresas Embraco, Whirpool e Bühler e apoio da Aiesec e Grupo PET / Udesc.

“É uma competição motivadora, pois nos incentiva a colocar em prática as nossas ideias e dar visibilidade a elas”, ressaltou Ronny Knock, estudante de engenharia elétrica que participa do projeto “Domótica: Controle sua casa”. O estudante de Engenharia Elétrica, Dimas Rafael Broering, compartilha da mesma ideia. “É uma excelente iniciativa da universidade pois fomenta a inovação e o espírito empreendedor”, ressaltou. Conheça os projetos que concorrem ao Prêmio Universitário Inovador:

Conversor texto/Braille para dispositivo móveis via Bluetooth
A proposta é auxiliar os deficientes visuais na leitura por meio do método Braille. Uma das grandes dificuldades deste público é o alto custo dos equipamentos, como impressoras que imprimem na linguagem. O projeto dos estudantes de Engenharia Elétrica, Guilherme Michels e Lucas Vinícius Souza, visa suprir exatamente esta carência.

Em uma espécie de caixa, seis pequenos eixos demarcam os pontos padrões da linguagem Braille. O deficiente posiciona o dedo sobre esses eixos e, pela conexão Bluetooth, podem ser enviados para este equipamento textos digitalizados. Em uma distância de até 30 metros, o sistema fará a leitura do material enviado e converterá as letras em sinais Braille, dessa forma o usuário irá, literalmente, sentir na pele o que está escrito.

De acordo com os estudantes, o preço de custo do equipamento deve sair em média R$ 200,00. “Há uma grande aplicabilidade. Ele pode auxiliar, por exemplo, professores que dão aulas para deficientes”, explicou Guilherme.

Domotic Center: sua casa inteligente
Eletrodomésticos, interruptores e até sistema de alarmes controlados pelo celular. Esta é a proposta do protótipo construído pelos estudantes Elias Mazzocio (Ciência da Computação), Dimas Rafael Broering (Engenharia Elétrica) e Giorgio Grotto (Administração – Esag). Dentro dos pilares de conforto, segurança e sustentabilidade o equipamento consiste em um módulo principal (que armazena as programações) um servidor (para onde as programações são enviadas via rádio frequência – Wireless e 3G) e um dispositivo móvel (celular com sistema Android, por exemplo).

Após tudo programado, apenas com o celular, o usuário poderá controlar vários equipamentos da casa como lâmpadas, eletrônicos e até sistemas de alarme, investindo cerca de R$ 500,00 por ambiente. “Nossa ideia é fornecer uma automação residencial com custos bem abaixo do mercado, além de que nosso sistema não comprometerá as instalações já existentes”, explicou Elias ressaltando que mesmo uma casa já construída poderá aderir à novidade, visto que o sistema não requer instalações complexas.

No âmbito da sustentabilidade, o projeto visa reduzir os gastos com energia elétrica, de forma que sensores ligarão os equipamentos apenas quando pessoas estiverem no local. “Colocando todos os controles da casa em um único aparelho, eliminaremos a necessidade do stand-by nos equipamentos eletrônicos, reduzindo as despesas”, reforçou Dimas.

Os garotos já instalaram o protótipo em alguns locais e até o fim do ano pretendem testá-lo em dez residências, de forma a terem um feedback e prosseguir avançando no projeto.

Domótica: Controle sua casa
Semelhante ao projeto anterior, a invenção dos estudantes de Engenharia Elétrica, Ronny Knoch, Adriano Pires e Emiliano Veiga (mestrando), possibilitará que o usuário controle os equipamentos da casa on-line com o diferencial do sistema “plug an play”. A base também é um servidor, um módulo de rádio frequência e um dispositivo móvel para acionar. No entanto, com uma simples programação, a pessoa poderá reorganizar o ambiente e, automaticamente, o sistema irá identificar essa alteração.

“Com nosso sistema o usuário terá visão de toda planta baixa da casa, podendo inserir ou deslocar seus equipamentos e instalá-los facilmente em outro local, sem prejudicar o acionamento por dispositivo remoto”, explicou Ronny. Como se tratam de projetos em amadurecimento não existe ainda uma projeção exata em relação aos valores. Estima-se que com investimento de aproximadamente R$1000,00, os estudantes possam oferecer aos interessados os equipamentos básicos e a manutenção. À medida que o usuário veja uma nova necessidade e queira criar novos sensores, por exemplo, eles também disponibilizarão estes serviços.

Estudantes recolhem mantimentos para doação

Cerca de 30 alunos da Escola Estadual Conselheiro Mafra, de Joinville, participam na quinta-feira, 12, de uma atividade em favor da solidariedade. Em dois períodos, às 08h30 e às 14h30, os estudantes irão armazenar mais de 50 quilos de arroz e feijão em garrafas pets. Os alimentos foram arrecadados pelas próprias crianças e serão doados para famílias carentes da cidade.

A ideia surgiu nas aulas da professora Sabrina Farias dos Santos, em duas turmas do 5º ano do ensino fundamental. “Lancei para os meus alunos essa proposta de ajuda humanitária e eles adoraram. Teve criança que pediu doação na vizinhança, aos amigos e parentes”, explica. Segundo Sabrina, a técnica de guardar os alimentos em garrafas pets contribui para a conservação dos mesmos.

Os mantimentos serão entregues no final do mês às unidades do Centro de Referência à Assistência Social (Cras). A iniciativa faz parte do projeto “Mãos que ajudam”, promovido pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Brasil. Ao todo, serão ofertadas aproximadamente três toneladas de arroz e feijão, doadas por entidades, instituições religiosas, empresas privadas, entre outros.

Inscrições abertas para teste do Oficina do Conhecimento em Joinville (SC)

O período de inscrição para o Teste Classificatório do Projeto Oficina do Conhecimento da Fundamas já começou. Os alunos interessados devem fazer a inscrição gratuita diretamente na Escola Municipal Amador Aguiar, no bairro Ulysses Guimarães. O teste acontecerá no dia 7 de março (próxima 4ª feira), em dois horários: às 8h (para quem estuda no período vespertino) e 14h (para quem estuda no período matutino). Telefone da escola: (47) 34268822.

Quem for aprovado no teste estará apto a entrar para o Projeto, que tem como principal função profissionalizar o aluno no contraturno escolar. “Eles estudam a grade curricular normal e já iniciam as atividades profissionalizantes no ônibus. Depois se quiserem se especializar, terão uma bagagem”, aponta o professor e coordenador do Projeto Oficina do Conhecimento, João Felipe Anacleto.

Entenda o Projeto Oficina do Conhecimento
O Projeto Oficina do Conhecimento começou em 2007 como piloto no bairro Jardim Paraíso. Hoje, consiste em oferecer pré-qualificação em Mecânica Industrial aos alunos da Escola Municipal Amador Aguiar, no bairro Ulysses Guimarães. O ensino de pré-qualificação em Mecânica Industrial é feito dentro de um ônibus totalmente adaptado para a prática. Em seu interior, há computadores de última geração, que contribuem para a leitura eficaz dos desenhos de usinagem.

Desde que iniciou suas atividades, o Projeto Oficina do Conhecimento já formou mais de 300 alunos e todos estão atuantes no mercado de trabalho. A pré-qualificação dentro do ônibus tem a duração de 720 horas aula e, assim como o curso, o material é oferecido sem custo algum ao aluno.

Um dos diferenciais deste projeto é a atualização constante. Com a chegada da internet e redes sociais, o aluno do Projeto Oficina do Conhecimento tem total interatividade, pesquisa virtual e a possibilidade de aprendizado na plataforma cibernética.

Da Prefeitura de Joinville

ProUni: estudantes podem se inscrever em lista de espera

Os estudantes que se inscreveram para disputar uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni) e não conseguiram o benefício podem se cadastrar na lista de espera. O instrumento será usado pelas instituições de ensino para preencher as bolsas que tenham sobrado.

Os estudantes devem acessar o site do programa e clicar na opção “manifestar interesse na lista de espera”. O prazo se encerra sexta-feira. Nesta edição, o ProUni ofereceu 194 mil bolsas de estudo e mais de 1,2 milhão de alunos candidataram-se para receber o benefício.

Para participar do ProUni, é necessário ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou ter estudado em colégio particular com bolsa integral. As bolsas integrais são destinadas àqueles com renda familiar per capitamensal de até 1,5 salário mínimo. Já o benefício parcial pode ser pleiteado por quem tem renda familiar per capita de até três salários mínimos.

Do Correio do Brasil