Emprego – Sine/SC tem mais de 2,5 mil oportunidades no estado

O Sistema Nacional de Emprego de Santa Catarina (Sine/SC) divulgou nesta quarta-feira, 29, a lista atualizada das vagas de emprego disponíveis no estado. São 2.549 oportunidades em aberto. As ofertas estão distribuídas em mais de 50 cidades e são para diferentes graus de instrução e funções.

O Oeste do estado é a região com mais oportunidades, tendo como referência a cidade de São Miguel do Oeste com 562 vagas, Chapecó (223), seguidas por Concórdia com 160 e Campos Novos com 101.

Acesso às vagas

Os trabalhadores que desejam verificar as vagas de emprego disponíveis no Sine/SC podem acessar as plataformas digitais de atendimento, que são o aplicativo Sine Fácil e o site empregabrasil.mte.gov.br.

Para utilizar o aplicativo Sine fácil, o trabalhador deve fazer o download gratuito do aplicativo na loja do seu celular. Após esse passo, existem duas formas de acessá-lo: com a leitura do QRCode, que se trata de um código que pode ser impresso em qualquer unidade de atendimento do órgão, ou pelo cadastro na rede GOV.BR.

Para acompanhar as oportunidades no endereço eletrônico empregabrasil.mte.gov.br, o acesso é feito somente pelo cadastro na rede GOV.BR. Assim que conseguir entrar no site ou aplicativo, o trabalhador pode conferir e atualizar o seu cadastro, se necessário, confirmando dados como endereço e telefone, e acrescentar as pretensões profissionais, ou seja, incluir ocupações nas quais deseja trabalhar.

“Este passo é de extrema importância, pois o sistema vai buscar vagas cadastradas de acordo com o local de residência e com aquelas ocupações que o trabalhador indicou em seu cadastro”, explica o coordenador estadual do Sine/SC, Ramon Fernandes.

Após encontrar a oportunidade de seu interesse, o trabalhador pode gerar seu encaminhamento, que terá todas as informações referentes ao contato com a empresa que está selecionando e o agendamento de entrevista.

Acompanhe as vagas disponíveis nas cidades catarinenses:

Araranguá – 45
Blumenau – 64
Biguaçu – 01
Balneário Camboriú – 25
Braço do Norte – 26
Brusque – 10
Caçador – 16
Camboriú – 32
Canoinhas – 18
Campos Novos – 101
Capinzal – 54
Chapecó – 223
Criciúma – 46
Concórdia – 160
Curitibanos – 09
Forquilhinha – 02
Florianópolis – 16
Fraiburgo – 28
Garuva – 14
Gaspar – 36
Ibirama – 11
Içara – 28
Indaial – 20
Itajaí – 03
Itapema – 03
Jaguaruna – 10
Ituporanga – 31
Joaçaba – 54
Joinville – 128
Jaraguá do Sul – 30
Lages – 23
Laguna – 03
Mafra – 10
Maravilha – 10
Morro da Fumaça – 07
Navegante – 02
Orleans – 04
Palmitos – 02
Nova Veneza – 16
Papanduva – 05
Pomerode – 36
Rio do Sul – 38
Rio Negrinho – 14
São Bento do Sul – 116
Rodeio – 06
São Francisco do Sul – 12
São José – 10
São Lourenço D’Oeste – 84
São Miguel do Oeste – 562
Seara – 10
Taió – 07
Tijucas – 40
Timbó – 15
Tubarão – 207
Turvo – 04
Urussanga – 17
Videira – 06
Xanxerê – 39

Sindilojas da Capital emite nota contra retorno das restrições em Floripa

O Sindicato dos Lojistas de Florianópolis e Região não gostou das medidas tomadas pelo prefeito Gean Loureiro (DEM), que voltou a restringir atividades em todos os setores. A Prefeitura quer segurar o aumento do contágio para impedir um colapso no sistema de saúde da capital catarinense. O Sindilojas defende que os empregos devem ser preservados, e que o poder público falha na sua fiscalização.

Leia a nota do Sindilojas:

“É com enorme apreensão que o Sindilojas de Florianópolis e Região recebe a notícia do fechamento de shoppings, galerias comerciais, academias e arenas de esporte no município de Florianópolis a partir de 24/06/2020.

Não se pode querer apenar determinadas atividades econômicas, destruindo seus meios de subsistência, como se fossem elas as únicas responsáveis pelos lamentáveis resultados obtidos em relação ao avanço da pandemia da Covid-19.

Se algumas pessoas não estão adotando comportamento social sensato, que se encontre meios de coibir tais violações. Mas não se pode querer aprisionar a população ou restringir atividades econômicas, simplesmente porque uma pequena minoria não está sendo sensata com sua própria segurança.

A solução simplista de coerção do exercício de atividades econômicas e da liberdade de ir e vir, sem pensar nas suas implicações de forma mais ampla, tem provocado a pior recessão econômica da atualidade, destruindo milhares de empregos e empresas e alimentando o caos social.

O novo “lockdown” imposto a determinadas atividades, sob a justificativa de que se trata de medida temporária para evitar a proliferação de novas infecções pelo coronavírus, para assim dar tempo à capacidade de atendimento pelos serviços de saúde, mostra, na realidade, um grande despreparo por parte do poder público, seja em relação a fiscalização das medidas já existentes ou quanto a estrutura de saúde disponível para atendimento da população.

Lamentavelmente a única certeza que temos hoje é a de que quando esse novo “lockdown” terminar o vírus ainda estará em algum lugar esperando por nós e quando atingir novamente níveis considerados perigosos, novo “lockdown” será imposto.

Essa situação não se sustentará! Precisamos de medidas mais efetivas e sensatas por parte do poder público, bem como que cada pessoa individualmente assuma a responsabilidade de proteger a si e as pessoas próximas.”

Paulino de Melo Wagner
Presidente do Sindilojas

Pesquisa da Fiesc aponta para corte de 165 mil postos de trabalho na crise do Covid-19

A crise do coronavírus já custou 165 mil empregos na indústria de Santa Catarina. Esse número representa uma redução de 21% na quantidade de trabalhadores formais no setor, que fechou 2019 com 786 mil empregados e agora está com 621 mil, mostra pesquisa feita pelo Observatório da Federação das Indústrias (FIESC), divulgada nesta quinta-feira (16). A análise, que mede os impactos após o início do período de isolamento, mostra ainda que, no estado, houve retração de R$ 3,4 bilhões na produção industrial, diminuição de R$ 3,1 bilhões nas vendas no mercado interno e redução de R$ 327 milhões nas exportações industriais. Confira aqui e veja a apresentação completa da pesquisa

“É uma fotografia dramática, que quantifica o impacto que já é sentido pelas empresas e trabalhadores. O levantamento mostra como a crise está desestruturando um estado que estava em crescimento e deixa claro que é necessário que as medidas de apoio ao setor produtivo precisam ser mais objetivas”, afirma o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. Passado um mês do início da crise, uma série de pleitos encaminhados pela indústria buscando a sobrevivência das empresas e a manutenção dos postos de trabalho segue sem respostas”, acrescenta. Aguiar se refere a questões como a postergação e parcelamento do recolhimento do ICMS e das faturas de energia elétrica.

O levantamento informa que, dos 17 setores consultados, os mais impactados do ponto de vista do emprego são equipamentos elétricos (-41,7%), confecção (-41,4%), automotivo (-39%), madeira (31,3%), bebidas (-29,3%), móveis (27,6%), cerâmica (-27%), construção civil (-23,8%), gráfico (-23,8%) e produtos químicos (20,9%).

Ainda na análise, as empresas sugerem medidas que poderiam ser adotadas em âmbito municipal, estadual ou federal para minimizar os impactos. Entre elas, destacam-se: isolamento vertical (26% dos respondentes), incentivos fiscais (15,8%), flexibilização do acesso ao crédito (15,3%) e retorno gradual às atividades (11,5%).

As indústrias também avaliaram as medidas dos governos para o enfrentamento da pandemia: em relação às ações do governo federal, 62,8% consideram positivas e 26,6% avaliam como negativas. Quanto ao governo estadual, 67,4% consideram as medidas negativas e 24,6% avaliam como positivas. Em relação às ações municipais, 39,3% consideram negativas e 42,4% positivas. 

Sobre a pesquisa – A amostra da pesquisa é formada por 740 empresas respondentes, das quais 8,1% são grandes, 37,6% médias e 54,3% pequenas, de 129 municípios catarinenses.

Pescadores e maricultores terão linha de crédito em SC

Maior polo pesqueiro do país, Santa Catarina cria linhas de apoio aos maricultores e pescadores artesanais. A partir deste ano, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural destinará recursos para organização da maricultura, ocupação das áreas aquícolas e aquisição de equipamentos para segurança das embarcações. Os financiamentos serão via Fundo Estadual de Desenvolvimento Rural (FDR).

O secretário da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural em exercício, Ricardo Miotto, explica que as novas linhas de apoio irão fortalecer e levar mais tecnologia e segurança para o setor produtivo. “Este é um reconhecimento à maricultura e à pesca do nosso estado. Temos um grande potencial a ser explorado e estamos muito atentos a isso. As novas linhas de crédito do Fundo de Desenvolvimento Rural são iniciativas do Governo do Estado e da Secretaria da Agricultura em busca de inovação, tecnologia, segurança, qualidade de vida e renda para o maricultor e pescador de Santa Catarina”, afirma.

Os maricultores que possuem áreas aquícolas concedidas pelo antigo Ministério da Aquicultura e Pesca, atual Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), contarão com recursos para aquisição de bens ou serviços para realocação ou instalação de estrutura de produção nos locais determinados. Cada produtor poderá ter financiamento de até R$ 40 mil, com cinco anos de prazo para pagamento, com parcelas anuais e sem juros.

Mais segurança no mar
Os pescadores artesanais e maricultores contam ainda com financiamentos para aquisição de equipamentos para segurança e instrumentalização das embarcações. O limite é de R$ 15 mil, com cinco anos de prazo para pagamento, com parcelas anuais e sem juros.

Nas duas linhas de crédito, se os produtores pagarem todas as parcelas até a data do vencimento, receberão a última parcela como bonificação. Os pescadores e maricultores interessados em participar do Projeto devem procurar o escritório municipal da Epagri.

Maricultura e pesca em Santa Catarina
Santa Catarina engloba 7% do litoral brasileiro e 337 localidades onde ocorre a pesca artesanal, envolvendo aproximadamente 25 mil pessoas. O estado conta ainda com 700 embarcações de pesca industrial e o setor gera em torno de 10 mil empregos diretos. Os catarinenses são os maiores produtores de ostras e mexilhões do Brasil, com 565 maricultores distribuídos em 11 municípios.

* com informações do Governo de SC

Ponte Hercílio Luz passa no teste de carga

O Palavra Livre foi testar a restaurada e nonagenária Ponte Hercílio Luz em seu teste de fogo, o teste de carga com 48 caminhões sobre a sua estrutura, cerca de 900 toneladas. Após essa prova, segundo o Governo do Estado, está quase tudo pronto para a Ponte Hercílio Luz ser reaberta à população, em menos de duas semanas.

Na noite desta quarta-feira, 18, um teste de carga demonstrou que a estrutura já pode voltar a receber o tráfego de veículos, após quase três décadas. Ao todo, 48 caminhões, com 20 toneladas cada, foram enfileirados em cima da ponte. Foram 960 toneladas de peso ao mesmo tempo, o que representa aproximadamente 80% da carga máxima projetada. A Velha Senhora passou na avaliação, sob o olhar atento do governador Carlos Moisés, que comemorou mais essa etapa.

“Essa é uma reaproximação da sociedade com essa fantástica ponte de Santa Catarina, que é um patrimônio histórico. É um momento muito emocionante. Vai ser a restituição ao povo do nosso estado. É uma obra há muito tempo esperada e que vai impactar na mobilidade”, afirmou Carlos Moisés.

O teste começou ainda no fim da tarde de quarta-feira e adentrou a madrugada, sendo finalizado por volta de 2h30. Primeiro foram colocados 12 caminhões na ponte, depois mais 20, chegando ao total de 48, carregados com areia e argila.

Os próximos dias serão para os retoques finais, antes da reabertura, a ser realizada em 30 de dezembro. Estão previstos o término da instalação dos guarda-corpos, a sinalização viária e a iluminação funcional.

Sobre o Viva a Ponte
Para a reabertura da ponte, estão programadas diversas atividades entre os dias 30 de dezembro e 5 de janeiro, por meio do projeto Viva a Ponte. Serão atrações artísticas, folclóricas e gastronômicas.

Viva a Ponte é um projeto cultural, turístico e urbanístico, com ações integradas da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Fundação Catarinense de Cultura, Fundação Catarinense de Esporte, Santur, Casa Civil, Secretaria Executiva da Casa Militar, Secretaria Executiva de Comunicação, Defesa Civil e Secretaria de Estado da Segurança Pública.

* com informações da Secom/GovSC

Terceirização: Cunha diz que debate ideológico contamina votação do projeto

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse hoje (16) que “um debate de cunho ideológico” está contaminando a discussão do projeto de lei que regulamenta a terceirização dos serviços. A expectativa dele é que a votação da matéria será concluída na próxima quarta-feira (22).

Ontem, a votação das emendas e destaques ao projeto foi suspensa e adiada para a semana que vem. O adiamento ocorreu para evitar obstruções durante a votação de propostas que não têm acordo entre os partidos.

“Na quarta-feira que vem, vai ser votado sem dúvida nenhuma. É um projeto que está sendo debatido há 11 anos. Tem um debate de cunho ideológico que, de certa forma, contamina o processo. Isso é natural”, disse Cunha após receber a Comenda da Ordem do Mérito Militar, em cerimônia no Quartel-General do Exército, em Brasília.

Segundo o parlamentar, os impasses com o governo sobre as questões ligadas à arrecadação “estão mais ou menos acertados” e há ambiente para finalizar a votação do projeto na próxima semana. Perguntado se há consenso sobre a proposta para garantir a aprovação, Eduardo Cunha disse que não é necessária a concordância absoluta na votação.

“Se a gente puder ter consenso, ótimo. Mas o voto resolve o dissenso. Não dá para achar que todas as matérias que vão ser votadas na Casa tenham que ser votadas por consenso. Se fosse assim não precisava ter o Parlamento. A gente tem que buscar combinar na medida do possível, e o voto resolve”, destacou o presidente da Câmara.

Cunha também comentou a indicação do ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para assumir o comando do Ministério do Turismo, a partir de hoje. “É um orgulho para qualquer governo ter o Henrique como ministro”. Alves será empossado pela presidenta Dilma Rousseff nesta quinta-feira, às 15h, em cerimônia no Palácio do Planalto.

Com informações da Ag. Brasil

Geração de empregos tem o melhor resultado desde abril deste ano

A geração de empregos em setembro teve o melhor resultado desde abril deste ano, com a criação de mais de 211 mil postos de trabalho formal.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (16) pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o saldo do mês passado foi também o melhor para o período dos últimos três anos. A mão de obra adicional no mês passado foi o resultado de aproximadamente 1,8 milhão de admissões e 1,6 milhão de demissões.

Setembro foi o segundo mês consecutivo de crescimento. Em julho havia sido registrado o pior resultado para o mês desde 2003, com 61,6 mil novas vagas. Desde maio, o Caged vinha constatando ritmo mais lento da geração de postos no mercado de trabalho.

De acordo com o Ministério do Trabalho, o resultado do mês passado deve-se à expansão do setor de serviços, que, individualmente, criou mais de 70,5 mil postos – 33,4% de todas as vagas formais no mês. Para o ministério, o bom desempenho foi impulsionado pela expansão generalizada dos ramos que integram o setor, com destaque para os serviços em alojamento e alimentação (mais de 22 mil vagas), de comércio e administração de imóveis (20 mil) e ensino (9,8 mil).

Outros setores que tiveram desempenho positivo em setembro foram a indústria de transformação, com a criação de mais de 63,2 mil postos, e o comércio, com 53,8 mil.

Os estados com os melhores resultados foram São Paulo (45,2 mil), Pernambuco (29,9 mil) e Alagoas (16,2 mil). O único estado em que houve fechamento de vagas foi Rondônia, com menos 72 postos de trabalho. O Acre foi o segundo com o pior desempenho (268 postos), seguido pelo Piauí (379).

Conforme os dados do Caged, de janeiro a setembro deste ano, houve aumento real de 2,2% nos salários de admissão – de R$ 1.076 para R$ 1.100, aproximadamente.

Da Ag. Brasil

Vagas de emprego via CEPAT de Joinville, acesse e consiga seu emprego!

MO Centro Público de Atendimento aos Trabalhadores (Cepat) divulga novas vagas de emprego, além das oportunidades ainda disponíveis em diversas áreas. Os interessados devem levar a Carteira de Trabalho, CPF e RG e o CEP de sua rua até a sede do Cepat, que fica na rua Abdon Batista, 342, Centro, perto do Mercado Público. O horário de atendimento é das 8 às 14 horas, mas as senhas são  entregues até as 13h30. Os telefones são (47) 3467-0978 / 3437-1471.

VAGAS NOVAS

AUXILIAR DE PADEIRO – Masculino ou Feminino

Ensino Fundamental Completo. Não exige experiência. Para atuar no FLORESTA.

Salário: R$ 835,00 + VT + Plano de Saúde.

Horário: das 13:00 às 21:20 – segunda-feira à sábado.

AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS – Feminino

Ensino Fundamental Incompleto (necessita que seja acima da 5ª série). Para atuar no  FLORESTA.

Salário: R$ 1.000,00 + VT + Plano de Saúde.

Horário: das 08:00 às 16:20 – segunda-feira à sábado.

OPERADOR DE INJETORA – Masculino

Ensino Fundamental Completo. Exige experiência. Para atuar no COSTA E SILVA.

Salário: R$ 4,25/hora + VT + Plano de saúde Agemed(após 3 meses de experiência) + Refeitório da empresa R$ 0,89 a refeição + Ideal Emergências Médicas + Convênio Farmácia.

Horário:  05:00 as 14:30 – segunda-feira à sexta-feira ( quando necessário fazer hora extra).

ZELADORA – Feminina

Ensino Fundamental Incompleto, necessita que tenha acima da 5ª série . Não exige experiencia.

Para atuar no FLORESTA.

Salário: R$ 1.000,00 + VT + Plano de saúde .

Horário: 08:00 às 16:20 – segunda-feira à sábado.

VAGAS AINDA DISPONÍVEIS 10-06-2013

ABASTECEDOR DE MÁQUINAS DE LINHA DE PRODUÇÃO – Masculino

Ensino Fundamental Completo ou cursando. Exige experiência. Para atuar no CENTRO.

Observação: Para atuar na expedição e almoxarifado do centro de distribuição da empresa.

Salário: R$ 4,25/h + Plano de Saúde Unimed + Cartão Good Card + Restaurante na Empresa + Participação de Lu -cros + Cesta Básica + Auxílio Creche.

Horário: Horário de Trabalho: 3 turnos – 04h45 ás 14h01 – 14h01 ás 23h09 e 22h00 ás 05h00 de segunda a sexta.

AJUDANTE DE CARGA E DESCARGA DE MERCADORIA – Masculino

Ensino Fundamental Completo. Não exige experiência. Para atuar no FLORESTA.

Salário: R$ 964,46 + VT + VALE REFEIÇÃO + vale alimentação . após efetivação terá convênio odontológico. Horário: 08:00 às 18:00 – segunda-feira a sexta-feira.

AJUDANTE GERAL – Masculino

Ensino Fundamental Incompleto. Não exige experiência. Para atuar no NOVA BRASÍLIA.

Observações da vaga: Separação de mercadorias, enlonamento de carretas, atuar no transbordo de cargas, entre

outras atividades. É necessário ter compreensão e capacidade de escrita pois ele precisará fazer anotações e ler informativos. Disponibilidade para horas extras.

Salário: R$ 856,00 + VT + VA(R$ 286,00) + Plano de Saúde após a experiência + café na empresa(gratuito)+ Convênio Farmácia( com desconto em folha). Após experiência o salário será de R$ 934,00.

Horário: 07:45 às 17:33 – segunda-feira a sexta-feira – com possibilidade de hora extra.

ANALISTA DE GESTÃO DE PESSOAS SÊNIOR– Masculino ou Feminino

Ensino Superior Completo em Psicologia ou Administração. Deve ter CNH categoria B. Para atuar no  CENTRO.

Observação: Sólida experiência em recrutamento e seleção e programas de treinamento e desenvolvimento. Exemplo: Acompanhamentos de estagiários e trainees, Head Hunting, acompanhamento de lideranças, atividades de plano de carreira entre outros.

Salário: R$ 3.090,00 + Plano de Saúde Unimed + Cartão Good Card + Restaurante na Empresa + Participação de Lucros + Cesta B&a

Cepat Joinville divulga vagas de emprego

emprego-a-vista-01O Centro Público de Atendimento aos Trabalhadores (Cepat) de Joinville anuncia vagas de emprego para diversas áreas. Os interessados nestas vagas e também nas oportunidades ainda disponíveis devem levar a Carteira de Trabalho, CPF e RG até a sede do Cepat, que fica na rua Abdon Batista, 342, Centro, perto do Mercado Público. O horário de atendimento é das 8 às 14 horas, mas os cadastros são feitos até as 13h30.

VAGA NOVA

ENCARREGADO DE LOSS PREVENTION – Masculino ou Feminino

Ensino Médio Completo . Não exige experiência. Para atuar no BOHEMERWALD.

Observação da vaga: Disponibilidade de horário, conhecimento básico em informática ,dinâmico e persistência para atuar diariamente no que se refere a prevenção e perdas

Salário: R$ 1.242,00 + Assistência Medica + Assistência Odontológica + VT + VA + Convênio da Empresa .

Horário : a combinar, necessita que tenha muita disponibilidade de horários.

VAGAS AINDA DISPONÍVEIS

ATENDENTE DE BALCÃO – Feminina

AUXILIAR DE DEPÓSITO – Masculino

AUXILIAR DE EXPEDIÇÃO – Masculino

AUXILIAR DE JARDINAGEM – Masculino

AUXILIAR DE LINHA DE PRODUÇÃO – Masculino

AUXILIAR DE PADEIRO – Masculino

AUXILIAR DE PERECÍVEIS – Masculino ou Feminino

AUXILIAR DE PRODUÇÃO – Masculino

AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS – Feminina

AUXILIAR DE TOPÓGRAFO – Masculino

BALCONISTA–Masculino ou Feminino

CALDEIREIRO

CONFEITEIRO – Masculino ou Feminino

COZINHEIRA – Feminina

ELETRICISTA AUTOMOTIVO – Masculino

FISCAL DE LOSS (Penvenção e Perdas) – Masculino ou Feminino

FISCAL DE LOSS PREVENTION – Masculino e Feminino

-MECÂNICO DE AUTOMÓVEIS – Masculino

MOTORISTA – COLETA / ENTREGA – Masculino ou Feminino

MOTORISTA – Masculino ou Feminino

MOTORISTA – Masculino

MOTORISTA DE CAMINHÃO – Masculino

OPERADOR DE TELEMARKETING – Masculino e Feminino

OPERADOR DE TELEMARKETING – Masculino e Feminino

PADEIRO – Masculino

PEDREIRO

RECEPCIONISTA – Masculino

SALADEIRA

SERVENTE DE LIMPEZA – Feminina

SERVENTE DE LIMPEZA – Feminina

SERVENTE DE LIMPEZA – Masculino ou Feminino

SERVENTE DE LIMPEZA – Masculino ou Feminino

SERVENTE DE LIMPEZA – Feminino

SERVENTE DE LIMPEZA

SERVENTE DE VARRIÇÃO – Masculino ou Feminino

ZELADOR(A)– Masculino ou Feminino

Artigo de José Álvaro Cardoso: “Comportamento recente do emprego no Brasil”

Seguindo a política do Blog de receber contribuições dos amigos, profissionais e interessados em publicar seus textos e afins, segue abaixo mais um artigo do amigo, economista e competente Supervisor Técnico do Dieese/SC, José Álvaro Cardoso, que nos brinda com mais uma análise econômica de primeira. Confiram e compartilhem o artigo – “Comportamento recente do emprego no Brasil” :

O emprego industrial tem puxado a desaceleração da expansão do emprego na economia brasileira, fechando o ano de 2012 (possivelmente, já que os dados disponíveis vão até novembro) com resultados negativos na maior parte dos estados e dos setores produtivos. Com exceção de 2009, ano de reflexos da crise mundial deflagrada em 2007, o resultado de 2012 será o pior da série histórica do emprego industrial calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 2002.

No acumulado dos onze primeiros meses do ano, com relação a igual período de 2011, o número de ocupados na indústria caiu 1,4%, envolvendo doze dos catorze locais pesquisados pelo IBGE.  A maior queda ocorreu em São Paulo (–2,8%). Outros impactos negativos fortes foram verificados na região Nordeste (–2,6%), no Rio Grande do Sul (–1,7%), em Santa Catarina (–1,2%), no Ceará (–2,6%) e na Bahia (–2,6%). Apenas quatro setores tiveram aumento do número de ocupados: alimentos e bebidas (3,9%), indústrias extrativas (3,9%), máquinas e equipamentos (1,2%) e produtos químicos (1,0%).

Segundo o DIEESE, a taxa de desemprego total manteve-se relativamente estável em 2012. Em 2011, a taxa havia sido de 10,4% da PEA e, em 2012, passou a ser de 10,5%. Em 2012, o rendimento médio real dos ocupados aumentou 2,6% – em termos monetários passou a valer R$ 1.543. A massa de rendimentos real dos ocupados cresceu 4,6% em 2012, resultado do aumento do nível de ocupação e do rendimento médio real.

Para efeito de comparação com os vizinhos latino-americanos, se tomarmos a taxa de desemprego calculada pelo IBGE (que tem metodologia mais próxima aos demais países da região), a média do desemprego do ano passado (5,5%) coloca o Brasil entre os melhores desempenhos da região, apesar do pífio crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), estimado em 1%. Segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), a média do desemprego no continente foi de 6,4% em 2012. Países que sabidamente cresceram mais que o Brasil no ano passado, apresentaram taxas de desemprego superiores às verificadas no Brasil, como México (5,8%), Peru (7%) e Chile (6,4%).

Se compararmos a taxa brasileira com países europeus e EUA, a situação do Brasil é ainda mais favorável. Nos Estados Unidos, o desemprego atingiu 7,8% em dezembro, na Espanha 26,6% (novembro), França (10,5%) e Alemanha (5,4%). Obviamente existem diferenças metodológicas importantes entre os países no cálculo do desemprego. Mas como, mesmo com tais diferenças, o Brasil já apresentou taxas superiores à praticamente todos os países mencionados, vale a comparação.

Em boa parte a desaceleração da expansão do emprego está relacionada com o crescimento muito baixo do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dois anos (inferior a 2%). Mas, especialmente em 2012, a armadilha de altas taxas de juros e baixa taxa de câmbio (razão pela qual a economia não deslancha) vem sendo desmontada, pelo menos em parte. A tendência neste ano é aumentar a taxa de investimentos, crescendo o PIB e o emprego. Apesar das dificuldades da economia mundial (o que não garante vida fácil para nenhum país) as perspectivas para o Brasil são muito boas, especialmente se apostar na expansão do seu maior ativo, o mercado consumidor interno”.

* José Álvaro Cardoso é economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina.